Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Primeiros habitantes das américas usavam “pingentes” de ossos de preguiças gigantes

    Pingentes são os ornamentos mais antigos conhecidos das Américas e os únicos conhecidos por terem sido feitos de osso de preguiça gigante

    Esta imagem mostra artefatos feitos de material ósseo de uma preguiça gigante descoberta em um abrigo rochoso no Brasil e escavada em camadas arqueológicas datadas de 25.000 a 27.000 anos atrás
    Esta imagem mostra artefatos feitos de material ósseo de uma preguiça gigante descoberta em um abrigo rochoso no Brasil e escavada em camadas arqueológicas datadas de 25.000 a 27.000 anos atrás Thais Rabito Pansani/AP

    Katie Huntda CNN

    Uma descoberta inédita feita por arqueólogos que trabalham no Brasil está abalando o que sabemos sobre os primeiros habitantes das Américas.

    Três ossos de preguiça gigante encontrados no abrigo rochoso de Santa Elina, no centro do Brasil, provavelmente foram perfurados e polidos por mãos humanas para serem usados ​​como adorno pessoal – provavelmente como pingentes, de acordo com um novo estudo.

    Os pingentes – que podem ter entre 25.000 e 27.000 anos – são os ornamentos pessoais mais antigos conhecidos desenterrados nas Américas e os únicos conhecidos por terem sido feitos de osso de preguiça gigante no registro arqueológico, de acordo com a paleontóloga Thais Pansani, principal autora do livro . um novo estudo sobre os artefatos. Ela é pesquisadora de pós-doutorado em ecologia e recursos naturais na Universidade Federal de São Carlos no Brasil.

    Os três pingentes de osso de preguiça estavam entre milhares de osteodermos – placas ósseas embutidas na pele da preguiça semelhantes às escamas de um tatu – encontrados no abrigo rochoso que pertencia a uma espécie extinta de preguiça gigante conhecida como Glossotherium phoenesis. O local também apresenta arte rupestre de formas animais e humanas, embora a idade exata dos painéis ainda não esteja clara para os cientistas.

    A criatura da era do gelo pesaria cerca de 600 kg (1.323 libras) – maior do que a maioria dos ursos pardos atuais. Enquanto se pensava que G. phoenesis era uma espécie relativamente pequena de preguiça gigante, algumas espécies de preguiças antigas eram tão grandes que suas tocas fossilizadas são agora cavernas no sul do Brasil pelas quais os humanos podem caminhar.

    A autora sênior do estudo, Mírian Pacheco, professora e pesquisadora do Laboratório de Paleobiologia e Astrobiologia da Universidade Federal de São Carlos, disse que os artefatos “apresentam uma forma muito sugestiva de pingentes, principalmente pelo polimento e pela localização do furo. ”

    A equipe analisou os três osteodermos modificados e não modificados e realizou experimentos em alguns dos ossos fossilizados e em seu análogo moderno mais próximo – osteodermos de tatu – para entender como os pingentes foram feitos, explicou Pacheco. Marcas microscópicas revelaram que foram polidas por mãos humanas antes de os ossos serem fossilizados, disse ela.

    Pacheco disse acreditar que humanos e preguiças gigantes coexistiam no local. Um herbívoro com longos braços com garras projetados para cavar, a criatura não teria predado humanos.

    “Apesar de terem um metabolismo baixo, eram animais ágeis que andavam predominantemente de quatro, embora pudessem ficar de pé (principalmente para buscar comida nas árvores). Não podemos dizer se os humanos viam esses animais como uma ameaça”, disse Pansani por e-mail.

    Análise de sedimentos e ossos

    Os pingentes não foram datados diretamente porque os pesquisadores não queriam danificar os artefatos extremamente raros.

    No entanto, Pansani disse que a equipe datou outro material – sedimentos, carvão e outros ossos de preguiça gigante – da mesma camada onde os artefatos foram recuperados.

    “Todas essas datas concordam com idades entre 27.000 e 25.000 anos atrás, então podemos inferir que a idade dos artefatos está nessa faixa”, disse Pansani.

    As Américas do Norte e do Sul foram os últimos continentes a serem habitados por humanos modernos, mas exatamente quando isso começou é um tópico que divide os arqueólogos. Muitos especialistas estão céticos de que os humanos ocuparam as Américas antes de 16.000 anos atrás, observou o estudo.

    No entanto, evidências recentes, incluindo a descoberta em 2021 de pegadas humanas fossilizadas no Novo México, que datam de 21.000 a 23.000 anos, sugerem que os primeiros humanos chegaram à América do Sul antes do que se pensava.

    “A confirmação da idade desses artefatos de Santa Elina fortalece a hipótese de ocupações humanas mais antigas nas Américas”, disse Pacheco.

    Uma equipe internacional de cientistas revelou recentemente uma nova maneira de extrair DNA antigo de artefatos ósseos de maneira não invasiva. Os pesquisadores aplicaram a técnica pioneira a um dente de veado perfurado encontrado em uma caverna na Rússia que provavelmente era usado como pingente. A análise revelou o sexo do usuário e outros detalhes intrigantes.

    Para o novo estudo, Pacheco disse que a equipe não considerou a possibilidade de tentar extrair material genético dos pingentes de osso de preguiça.

    “Estamos investigando alguns processos relacionados à fossilização e ao intemperismo que podem ter causado algumas substituições nos ossos.

    Se concluirmos que o material está em bom estado de conservação, pode ser uma boa ideia”, disse.

    A pesquisa foi publicada na revista Proceedings of the Royal Society B.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original