Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Marte está girando mais rápido, segundo missão da Nasa; entenda

    Motivo pode ser o acúmulo de gelo nos polos marcianos ou o surgimento de massas de terra no planeta, dizem cientistas

    Arte do InSight, da Nasa, e todos os seus instrumentos.
    Arte do InSight, da Nasa, e todos os seus instrumentos. NASA/JPL-CALTECH

    Ashley Stricklandda CNN

    O planeta Marte está girando mais rápido do que se tinha registro, de acordo com dados que o módulo InSight, da Nasa, coletou in loco.

    O agora aposentado InSight estava equipado com um conjunto de instrumentos, incluindo antenas e um transponder de rádio chamado Rise, ou Experimento de Estrutura Interior e Rotação. Os equipamentos foram usados para rastrear a rotação de Marte durante os primeiros 900 dias da missão no planeta.

    Os astrônomos determinaram que a rotação do planeta está aumentando em cerca de 4 milissegundos de arco por ano, ou encurtando a duração de um dia marciano em uma fração de milissegundo por ano.

    Um dia marciano dura cerca de 40 minutos a mais do que um dia na Terra. O aumento da aceleração parece incrivelmente pequeno e os pesquisadores não têm certeza do que está causando isso. No entanto, eles sugerem que pode ser devido ao acúmulo de gelo nos polos marcianos ou ao surgimento de massas de terra após serem cobertas por gelo.

    Quando a massa de um planeta muda dessa maneira, isso pode fazer com que a rotação do planeta acelere.

    Inicialmente, a missão InSight, a primeira a estudar o interior de Marte, deveria durar cerca de dois anos após seu pouso, em novembro de 2018. Mas a Nasa estendeu a missão por mais dois anos.

    Ela continuou a coletar dados sobre Marte até o fim, ficando em silêncio em dezembro de 2022, depois que a poeira impediu que seus painéis solares recebessem a luz solar.

    A InSight se beneficiou por contar com os avanços na tecnologia de rádio que foram uma grande melhoria em relação ao que as sondas Viking na década de 1970 e a Pathfinder na década de 1990 carregavam.

    FOTOS – Ilusão ou real? Rato, dedo, portal e até aranha: o que a Nasa “encontrou” em Marte

    Atualizações para a Deep Space Network, ou as enormes antenas colocadas em três pontos estratégicos da Terra que transmitem informações de missões espaciais, também aumentaram a precisão dos dados capturados pelo InSight e enviados de volta à Terra.

    Os cientistas usaram a Deep Space Network para transmitir sinais para o Rise no InSight, que então refletiu o sinal de volta para a Terra.

    Esses sinais retransmitidos ajudaram os pesquisadores a rastrear pequenas mudanças de frequência causadas pelo deslocamento Doppler, que é o que faz com que as sirenes mudem de tom dependendo da distância. As mudanças de frequência são correlacionadas com a rotação do planeta.

    “O que estamos procurando são variações de apenas algumas dezenas de centímetros ao longo de um ano marciano”, disse o principal autor do estudo, Sebastien Le Maistre.

    “Leva muito tempo e muitos dados para acumular antes que possamos ver essas variações.”

    Medindo a oscilação de Marte

    Pesquisas anteriores possibilitadas pelas detecções únicas da missão no interior do planeta confirmaram que Marte tem um núcleo de metal fundido. Os pesquisadores então usaram o Rise para medir a oscilação de Marte à medida que o núcleo se move dentro dele.

    Rastrear a oscilação de Marte permitiu que a equipe medisse o tamanho do núcleo. Os dados sugeriram que o núcleo tem um raio de cerca de 1.835 quilômetros. Este novo número foi comparado com estimativas anteriores do raio do núcleo que foram coletadas pelo rastreamento de ondas sísmicas enquanto viajavam pelo interior de Marte.

    Veja também: Nasa oferece ao Brasil novo satélite para monitorar Amazônia

    Embora o InSight não esteja mais operando, seu tesouro de dados coletados durante quatro anos na superfície marciana mudou a maneira como os cientistas entendem o Planeta Vermelho. A missão foi a primeira a revelar alguns dos segredos do interior marciano, e os cientistas analisarão seus dados nas próximas décadas.

    “É muito legal poder obter essa medição mais recente – e com tanta precisão”, disse Bruce Banerdt, que atuou como investigador principal da InSight antes de se aposentar em 1º de agosto, em um comunicado. Ele trabalhou no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa em Pasadena, Califórnia, por 46 anos.

    “Estive envolvido em esforços para colocar uma estação geofísica como a InSight em Marte por um longo tempo, e resultados como este fazem todas essas décadas de trabalho valerem a pena.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original