Menores de 10 anos já usam redes sociais; pais podem ajudar na segurança online

Especialista explica como ajudar seu filho a ter uma navegação online mais segura e a discernir conteúdos

Crianças já usam redes sociais e pais podem auxiliar no controle e segurança da navegação
Crianças já usam redes sociais e pais podem auxiliar no controle e segurança da navegação Tetra Images/Getty Images

Kristen Rogersda CNN

Ouvir notícia

Não são apenas os adolescentes que estão nas redes sociais; agora, crianças mais novas estão usando os aplicativos e alguns pais não confiam que seus filhos podem ficar seguros online.

Cerca de metade dos pais de crianças de 10 a 12 anos, e 32% dos pais de crianças de 7 a 9 anos relataram que seus filhos usaram aplicativos de mídia social nos primeiros seis meses deste ano, de acordo com a nova Pesquisa Nacional de Saúde Infantil do CS Mott Children’s Hospital, nos Estados Unidos, publicado na última segunda-feira (18).

“Continua a haver debate sobre quão cedo é muito cedo quando se trata de usar aplicativos sociais e como os pais devem supervisioná-los”, disse Sarah Clark, codiretora da Mott Poll, pesquisadora em pediatria da Universidade de Michigan, em um comunicado. “Nossa pesquisa analisa a frequência com que os pré-adolescentes e crianças menores usam plataformas sociais e como os pais estão monitorando essas interações”.

As descobertas são “mais evidências de que crianças menores de 13 anos estão ansiosas para usar plataformas de mídia social, por qualquer motivo – entretenimento, celebridade, conexão com amigos ou atraídas pelo design de promoção de engajamento comum nesses sites”, disse a Dra. Jenny Radesky, professora assistente de pediatria comportamental do desenvolvimento do Hospital Infantil CS Mott, da Universidade de Michigan. Radesky não estava envolvido na pesquisa.

Ao decidir quais aplicativos eram apropriados para seus filhos, mais de 60% dos pais consideraram se os aplicativos tinham controles para os pais, foram classificados como apropriados para a faixa etária de seus filhos ou se eram necessários para a escolaridade dos filhos.

Entre 51% a 66% dos pais usaram bloqueios em certos sites, aprovação dos pais para novos contatos, configurações de privacidade, limites de tempo diários e uma senha para determinado conteúdo.

Muitos pais também se preocuparam com a capacidade de seus filhos de navegar com segurança em aplicativos de mídia social. Alguns temiam que seus filhos pudessem compartilhar informações privadas sem perceber, encontrar abusadores sexuais, ver imagens ou vídeos adultos ou não serem capazes de discernir quais informações eram verdadeiras ou falsas.

Quase 50% dos pais com filhos que usam mídia social não estavam confiantes de que seus filhos seriam capazes de dizer se outro usuário era adulto ou criança, o que pode ser difícil de discernir, de acordo com o relatório.

China aprovou uma nova lei sobre privacidade de dados
Nova lei busca proteger a privacidade de usuários na internet /

A Lei de Proteção à Privacidade Online das Crianças exige que os operadores de aplicativos e outros serviços online forneçam opções de controle dos pais sobre a liberação de informações privadas, escreveram os autores da pesquisa.

Mas 17% dos pais de crianças que usam aplicativos de mídia social disseram que não usavam nenhum controle dos pais – por motivos como não conseguir encontrar as informações de que precisavam para configurar esta ferramenta, por pensar que monitorar o uso das redes sociais por seus filhos consumia muito tempo, ou consideravam isso uma perda de tempo, porque as crianças encontram maneiras de contornar o controle dos pais.

“Os pais estão em um estado de esgotamento absoluto neste ponto da pandemia, então é completamente razoável que eles tenham uma sensação de opressão ou futilidade ao tentar acompanhar as plataformas de mídia social que são alimentadas por bilhões de dólares em receitas e enormes capacidade analítica de dados”, disse Radesky.

No entanto, se “os pais estão permitindo que crianças pequenas participem da mídia social, eles devem assumir a responsabilidade de tornar o ambiente online da criança o mais seguro possível”, disse Clark, por mais inconveniente que seja. “Se os pais não podem se comprometer a ter um papel ativo no uso das redes sociais de seus filhos, eles devem esperar que a criança cresça para usar esses aplicativos.”

Ajudando seu filho a ficar seguro online

É possível que o uso das mídias sociais por essas crianças tenha incluído versões ou seções de aplicativos para crianças, escreveram os autores. Além disso, alguns aplicativos feitos especificamente para crianças pequenas tentaram limitar os riscos de segurança, restringindo recursos como postar fotos ou usar bate-papos privados ou oferecendo relatórios de uso para os pais.

Para os pais que estão pensando em permitir que seus filhos usem determinados aplicativos de mídia social, pesquise-os primeiro, aconselhou Clark. “Os pais devem verificar se o conteúdo é feito para permitir apenas a programação voltada para jovens ou se há um moderador que elimina o conteúdo impróprio”, disse ela. “Eles também devem utilizar bloqueios dos pais ou senhas para determinados sites ou conteúdo.”

Para recursos sobre como gerenciar o uso de mídia social para crianças, Radesky recomendou que os pais visitassem o guia de faixa etária na Common Sense Media, uma organização de defesa independente que fornece avaliações de especialistas, pesquisas e ferramentas para ajudar pais, educadores e defensores a garantir o bem-estar digital das crianças.

Os pais também podem consultar informações coletadas pelos criadores do filme “Screenagers” e incluídas no blog semanal pelo médico Dr. Delaney Ruston, o cineasta do filme, disse Radesky. Vale a pena seguir o blog para descobrir maneiras de conversar com seus filhos sobre o que muitas vezes pode ser espinhoso e difícil de discutir com os adolescentes, acrescentou Radesky.

Em relação a como os pais podem discutir suas preocupações relacionadas às mídias sociais de maneiras que podem ressoar com seus filhos, Radesky sugeriu “falar sobre tópicos interessantes como os arquivos do Facebook. As crianças vão querer saber quando estão sendo aproveitados, e isso pode ajudar a estimular uma conversa sobre quando as empresas de tecnologia estão cruzando uma linha. ”

Sempre que os filhos de Radesky têm permissão para ter contas nas redes sociais, ela frequentemente os questiona sobre se o conteúdo da imagem corporal que estão vendo online é impróprio, explorador ou perturbador, disse.

Também existem soluções potenciais para os pais que não têm certeza se seus filhos podem distinguir entre um adulto e uma criança, ou entre a verdade e a desinformação. “Incentive as crianças a não responderem a mensagens diretas ou postagens de pessoas que não conhecem, mesmo que essa pessoa diga que são crianças”, disse Radesky.

E “muito do conteúdo de mídia social é engrandecido, filtrado ou ajustado de alguma forma para ganhar mais ‘envolvimento’ no feed de recomendações. Ensinar as crianças a ter uma boa dose de ceticismo ao olhar para qualquer feed de recomendações é crucial agora”, Radesky disse. “As crianças podem adquirir essas habilidades, mas precisarão do apoio dos pais e professores.”

A educação funciona, concluiu a pesquisa. Os pais cujos filhos foram ensinados por suas escolas sobre o uso seguro das mídias sociais estavam mais confiantes no discernimento de seus filhos em relação às mídias sociais, de acordo com os resultados da pesquisa. Isso sugere que os currículos escolares de alfabetização digital e cidadania podem estar sendo transferidos para a vida doméstica ou gerando conversas mais frutíferas entre pais e filhos, disse Radesky.

“Também é possível que as crianças que têm a sorte de frequentar escolas que ensinam cidadania digital também estejam em bairros de status socioeconômico mais alto, onde os pais podem se sentir mais autoeficientes em relação ao gerenciamento de tecnologia”, acrescentou Radesky.

“Em meu estudo de 2016 entrevistando pais de famílias de baixa renda, suburbanos, acadêmicos e empresas de tecnologia, os dois últimos grupos se sentiram muito mais capacitados para lidar com esses tipos de conversas complexas e estabelecimento de regras”, disse ela.

Abaixo estão as informações para configurar os controles dos pais ou de segurança disponíveis em plataformas populares de mídia social:

Instagram
TikTok
Youtube
Snapchat

(Texto traduzido, leia original em inglês aqui)

Mais Recentes da CNN