Nasa revela nova amostra lunar da missão Apollo 17, coletada há quase 50 anos

Amostra contém solo lunar e fragmentos de rocha que podem fornecer aos cientistas um registro histórico da geologia da Lua

O astronauta Neil Armstrong andando na Lua, em 1969
O astronauta Neil Armstrong andando na Lua, em 1969 Foto: O astronauta Neil Armstrong na Lua, em 1969

Ashley Stricklandda CNN*

Ouvir notícia

Quase 50 anos depois de ter sido coletada, uma amostra lunar da missão Apollo 17 foi finalmente aberta no Centro Espacial Johnson da Nasa, em Houston. É uma das últimas amostras fechadas da missão final da Apollo para pousar humanos na Lua.

“Tivemos a oportunidade de abrir esta amostra incrivelmente preciosa que foi guardada por 50 anos no vácuo e finalmente conseguimos ver quais tesouros estão guardados”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da Diretoria de Missões Científicas da Nasa em Washington, em um comunicado.

Ele foi coletado pelos astronautas da Nasa Eugene Cernan e Harrison “Jack” Schmitt em dezembro de 1972, quando eles martelaram tubos cilíndricos de 36 centímetros em um depósito de deslizamento de terra no Vale Taurus-Littrow. Os dois astronautas selaram o tubo a vácuo enquanto ainda estavam na superfície lunar.

Assim que a missão retornou à Terra, a amostra capturada foi armazenada em um segundo tubo de proteção em um gabinete especial no laboratório lunar de Johnson, onde permaneceu intacta até esta semana.

A amostra, conhecida como 73001, contém solo lunar e fragmentos de rocha que podem fornecer aos cientistas um registro histórico da geologia da Lua. Outra amostra da Apollo 17 foi aberta pela primeira vez em 2019, durante o 50º aniversário do primeiro pouso lunar.

Amostra de espera para tecnologia futura

Algumas amostras da Apollo foram deixadas propositadamente fechadas para que as gerações futuras com melhor tecnologia pudessem estudá-las e desbloquear mais informações sobre o satélite natural da Terra.

“Tínhamos vários núcleos muito bons que estão nos dando novas informações”, disse Schmitt em um vídeo compartilhado pela Nasa durante um episódio do Science Live na quinta-feira (24).

“Foi antecipado no início do programa Apollo que a tecnologia analítica amadureceria e se tornaria muito mais sofisticada com o tempo. Na verdade, a Apollo nunca terminou para os cientistas lunares.”

Schmitt é um geólogo e o único civil e cientista a pousar na lua. Os outros 11 homens foram todos considerados militares ativos.

Antes desta amostra ser aberta, uma equipe usou a tecnologia de tomografia computadorizada de raios-X para escanear imagens 3D da amostra dentro do tubo na Universidade do Texas em Austin.

Este é um close-up da amostra do núcleo lunar 73001 da Apollo 17 sendo retirada de seu tubo de acionamento pela primeira vez desde que foi coletada há 50 anos. / ROBERT MARKOWITZ NASA-JSC

“Este será o registro permanente de como o material dentro do núcleo se parece antes de ser empurrado e dividido em incrementos de meio centímetro”, disse Ryan Zeigler, curador de amostras da Apollo, em um comunicado.

“O tubo de acionamento estava muito cheio, que é uma das coisas que aprendemos com as tomografias, e causou uma pequena complicação na forma como planejamos inicialmente abri-lo, mas conseguimos nos adaptar usando esses exames.”

Em fevereiro, a equipe abriu cuidadosamente o tubo externo para coletar qualquer gás que pudesse estar presente.

“Nós extraímos gás deste núcleo e esperamos que isso ajude os cientistas quando eles estiverem tentando entender a assinatura do gás lunar, observando as diferentes alíquotas (amostras retiradas para análise química)”, disse Zeigler.

Uma imagem de tomografia computadorizada de raios-X mostra o que está dentro da amostra principal da Apollo 17. / The University of Texas at Austi

Uma imagem de tomografia computadorizada de raios-X mostra o que está dentro da amostra principal da Apollo 17./Universidade do Texas

As varreduras e análises iniciais, bem como a abertura de um núcleo simulado, prepararam os cientistas para que não encontrassem surpresas na segunda e na terça-feira, quando era hora de abrir a amostra.

Em seguida, eles abriram o tubo dentro de um porta-luvas selado na Divisão de Pesquisa e Exploração de Astromateriais da Nasa, em Houston.

Com os braços restringidos pelas enormes luvas do porta-luvas, Juliane Gross, vice-curadora de amostras da Apollo, disse que foi um processo meticuloso, mas que valeu a pena.

“Fizemos isso passo a passo, tentando não perder todos os pequenos pedaços e parafusos”, disse Gross.

“Nós somos as primeiras pessoas que realmente viram este solo pela primeira vez. É simplesmente a melhor coisa do mundo – como uma criança na loja de doces, certo?”

Passos para a missão lunar Artemis

A abertura desta amostra pode preparar a Nasa para coletar novo material lunar quando eles retornarem humanos à lua no final desta década através do programa Artemis, em homenagem à irmã gêmea de Apollo.

A equipe de processamento, incluindo (da esquerda) Charis Krysher, Andrea Mosie, Juliane Gross e Ryan Zeigler no Centro Espacial Johnson da Nasa, posa em frente à amostra recém-aberta. / NASA/Robert Markowitz

A equipe de processamento, incluindo (da esquerda) Charis Krysher, Andrea Mosie, Juliane Gross e Ryan Zeigler no Centro Espacial Johnson da Nasa, posa em frente à amostra recém-aberta. / Nasa/Robert Markowitz

“Amostras terrestres e amostras lunares são muito diferentes, então a equipe da Artemis já levou isso em consideração ao projetar suas ferramentas”, disse Zeigler.

“Eles não começaram do zero. Eles começaram com a Apollo 17 e o que funcionou muito bem e estão avançando de lá para Artemis.”

Os astronautas da Artemis, incluindo a primeira mulher e a primeira pessoa negra a pousar na lua, vão pousar no pólo sul lunar pela primeira vez.

Longe das condições familiares do equador lunar, que foi visitado pelos astronautas da Apollo, os exploradores de Artemis encontrarão uma iluminação dramática na parte inferior da Lua, bem como condições congeladas e solo lunar intrigante.

“O Polo Sul da Lua é um ótimo lugar para potencialmente acumular grandes depósitos do que chamamos de voláteis (substâncias que evaporam em temperaturas normais, como gelo de água e dióxido de carbono)”, disse Lori Glaze, diretora da Divisão de Ciência Planetária na sede da Nasa, em um comunicado.

“Esses voláteis podem nos dar pistas sobre de onde veio a água nesta parte do sistema solar – seja de cometas, asteroides, vento solar ou outros”.

As novas amostras coletadas durante o programa Artemis podem ajudar os cientistas a entender melhor a evolução da Lua.

“Temos a oportunidade de abordar algumas questões realmente importantes sobre a Lua aprendendo com o que foi registrado e preservado no regolito (solo rochoso) dessas amostras da Apollo”, disse o curador de astromateriais da Nasa Francis McCubbin, em um comunicado.

“Nós selecionamos essas amostras para o longo prazo, para que os cientistas de 50 anos no futuro possam analisá-las. Por meio da Artemis, esperamos oferecer as mesmas possibilidades para uma nova geração de cientistas.”

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN