Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Novo relatório diz que meio ambiente da Austrália é ‘pobre e está se deteriorando’

    Documento aponta mudanças climáticas, perda de habitat, espécies invasoras, poluição e extração de recursos como responsáveis

    Foto: Andrew Merry/Getty Images

    Hilary Whitemanda CNN

    Ouvir notícia

    Enquanto a Europa sufocava com o calor do verão, os australianos fizeram um balanço de um novo relatório que revelou o quanto o meio ambiente do país se deteriorou nos últimos cinco anos.

    “Nossas águas estão lutando e a terra também”, disse a nova ministra do Meio Ambiente do Partido Trabalhista, Tanya Plibersek, ao divulgar o tão esperado relatório do Estado do Meio Ambiente nesta terça-feira (19). Embora concluído em 2021, o relatório não foi divulgado pelo governo anterior da Coalizão.

    “Quando você ler, saberá por quê”, disse Plibersek, que começou o trabalho há seis semanas, depois que a eleição de maio deu uma forte virada em relação a partidos e candidatos independentes que prometeram ações mais duras contra as mudanças climáticas.

    O relatório descobriu que o meio ambiente da Austrália é “pobre e em deterioração” devido a “mudanças climáticas, perda de habitat, espécies invasoras, poluição e extração de recursos”.

    Os efeitos devastadores da crise climática foram tecidos ao longo do relatório, desde ondas de calor marinhas que causaram branqueamento em massa de corais na Grande Barreira de Corais até eventos climáticos extremos, incluindo incêndios florestais e inundações.

    Mas, apesar do terrível preço que o aumento da temperatura global está causando na paisagem da Austrália, Plibersek disse que o novo governo trabalhista não renegará sua promessa pré-eleitoral de permitir novas minas de carvão, se obtiverem aprovação ambiental e apoio comercial.

    Imagem registrada em 2016 mostra o branqueamento de corais no Grande Recife, na Austrália / Kyodo News Stills via Getty Imag

    O governo também não aumentaria as metas da Austrália de reduzir as emissões em 43% em relação aos níveis de 2005 até 2030, ou alcançar zero emissões líquidas antes de sua meta declarada de 2050.

    “Há algumas pessoas que diriam que não deveríamos ter mineração em nenhum lugar. Não é uma proposta sustentável ou razoável para uma economia moderna como a da Austrália dizer isso”, disse ela.

    “Fizemos uma promessa de zero emissões líquidas com uma meta provisória de 43% de redução da poluição por carbono. Vamos cumprir essa promessa.”

    O relatório observou que as emissões da Austrália provavelmente atingiram o pico. Mas cientistas climáticos dizem que não estão diminuindo rápido o suficiente para cumprir o Acordo de Paris de limitar o aumento da temperatura média global a 1,5ºC. De acordo com pesquisadores da Climate Analytics, a meta de 43% dos trabalhistas é consistente com 2ºC de aquecimento global.

    Quão ruim é a degradação ambiental?

    O relatório descobriu que a Austrália perdeu mais espécies de mamíferos do que qualquer outro país dos 38 membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (um agrupamento que inclui Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e Nova Zelândia); que agora existem mais espécies estrangeiras do que nativas; e o país experimentou “uma praga de plásticos marinhos”, disse Plibersek em um discurso ao National Press Club após a divulgação do relatório.

    Nas águas do norte do país, redes de pesca perdidas ou abandonadas estão estrangulando até 14 mil tartarugas por ano, e na costa leste, o aquecimento dos mares matou leitos de algas, ameaçando habitats de recifes e estoques de abalones e lagostas, acrescentou.

    Em terra, mais de 77 mil quilômetros quadrados de habitat pertencentes a espécies ameaçadas foram desmatados nas últimas duas décadas — uma área aproximadamente do tamanho da Tasmânia ou da Irlanda. “Grande parte dessa limpeza ocorreu em pequenos incrementos”, disse Plibersek.

    “Na verdade, mais de 90% disso nunca foi avaliado sob nossas leis ambientais.”

    A clareira afetou os coalas da Austrália, que agora estão ameaçados em três estados e territórios.

    Desde que o último relatório do Estado do Meio Ambiente foi divulgado em 2016, houve um aumento de 8% nas espécies listadas como ameaçadas pela Lei de Proteção Ambiental e Conservação da Biodiversidade (EPBC) do país.

    O relatório mais recente disse que o número de espécies ameaçadas pode ser ainda maior devido a inadequações no processo de avaliação de risco, assim como o número de extinções.

    “A maioria das extinções de mamíferos na Austrália foi causada pela predação de espécies introduzidas, especialmente o gato selvagem e a raposa vermelha europeia”, acrescentou.

    O que o governo está fazendo a respeito?

    O governo trabalhista colocou a culpa pela degradação ambiental da Austrália diretamente aos pés da coalizão Liberal-Nacional, que esteve no poder de 2013 até perder as eleições de maio.

    “Os cortes de financiamento do governo anterior atrasaram os negócios, prejudicaram a economia e minaram os esforços práticos para proteger nosso meio ambiente”, disse Plibersek durante uma entrevista coletiva na televisão.

    Ela acrescentou que tão pouco esforço foi feito para alcançar algumas metas que seria quase impossível alcançá-las.

    O ministro do Meio Ambiente da oposição, Jonno Duniam, do Partido Liberal, acusou Plibersek de usar o relatório como suporte para ataques ao governo anterior, apontando que o governo Morrison gastou bilhões de dólares em iniciativas verdes.

    “Focamos no trabalho, sem desperdiçar a maior parte de nossa energia em ataques equivocados a nossos oponentes políticos”, disse Duniam em comunicado, menos de dois meses após uma campanha eleitoral amarga que viu os dois partidos atacarem o outro em políticas que abrangem tudo, desde o ambiente às relações com a China.

    Plibersek anunciou uma série de novas metas na terça-feira, mas adiou outras — incluindo uma reforma “uma vez em uma geração” das leis de meio ambiente e biodiversidade da Austrália (o EPBC) — até que ela tivesse tempo de consultar mais amplamente.

    O governo trabalhista também planeja “expandir o patrimônio nacional do país”, estabelecendo uma meta de proteger 30% das terras da Austrália e 30% de seus oceanos até 2030 e explorando a criação de novos parques nacionais e áreas marinhas protegidas, disse Plibersek.

    Isso inclui “perseguir” o Parque Marinho da Antártida Oriental, uma proposta apoiada pela Austrália, França e União Europeia para proteger uma vasta tranche do Mar de Ross.

    Novas propostas também incluem maior proteção para locais indígenas para evitar a destruição vista em 2020, quando a gigante de mineração Rio Tinto destruiu as cavernas sagradas de Juukan Gorge, na Austrália Ocidental, para expandir sua mina de minério de ferro.

    “Temos tanta sorte de ser tão ricos em herança cultural das Primeiras Nações, é claro que precisamos ter melhores sistemas para protegê-la que não levem a resultados terríveis e vergonhosos, como Juukan Gorge”, disse Plibersek.

    O relatório também destacou a necessidade de dar ao povo das Primeiras Nações da Austrália mais controle sobre a proteção e reabilitação da terra. Para isso, o governo também prometeu dobrar o número de guardas florestais indígenas para 3.800 até o final da década.

    Nicki Hutley, economista do Climate Council, disse que as mudanças nas leis ambientais da Austrália devem obrigar o governo a considerar os impactos das mudanças climáticas ao considerar pedidos de novos projetos de carvão e gás.

    No início deste ano, o governo anterior ganhou um recurso contra uma decisão judicial que obrigaria o ministro federal do meio ambiente a considerar o impacto sobre os filhos de novos projetos de carvão.

    Kelly O’Shanassy, ​​CEO da Australian Conservation Foundation, disse que a supervisão independente também é necessária para garantir que as metas do governo sejam cumpridas.

    “Para deter a crise natural da Austrália, precisamos de leis ambientais nacionais fortes, um regulador independente para aplicá-las e financiamento adequado para a recuperação de espécies ameaçadas da Austrália e a restauração de paisagens degradadas”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN