Pesquisadores descobrem caso de transbordamento de doença em fóssil de neandertal

O transbordamento zoonótico, como é chamado, pode ter acontecido durante o trato de uma carne crua de um animal não identificado

Um neandertal como o retratado na imagem, morreu, há 50 mil anos, depois de contrair brucelose
Um neandertal como o retratado na imagem, morreu, há 50 mil anos, depois de contrair brucelose Foto: National Memory Museum/ Cortesia

Katie Huntda CNN

Ouvir notícia

Cientistas que estudam doenças antigas descobriram um dos primeiros exemplos de transbordamento – quando uma doença salta de um animal para um humano – e aconteceu a um homem de neandertal que provavelmente adoeceu ao massacrar ou cozinhar carne crua.

Os pesquisadores estavam reexaminando os ossos fossilizados de um neandertal que foi encontrado em uma caverna perto da vila francesa de La Chapelle-aux-Saints, em 1908. O “Velho de La Chapelle”, como ficou conhecido, foi o primeiro esqueleto de neandertal relativamente completo a ser desenterrado e é um dos mais estudados.

Mais de um século depois de sua descoberta, seus ossos ainda estão rendendo novas informações sobre a vida dos neandertais, os hominídeos fortemente constituídos da Idade da Pedra que viveram na Europa e partes da Ásia antes de desaparecerem há cerca de 40 mil anos.

O homem, que deveria ter 50 ou 60 anos quando morreu, cerca de 50 mil anos atrás, tinha osteoartrite avançada na coluna vertebral e na articulação do quadril, segundo um estudo de 2019.

No entanto, durante essa reanálise, Martin Haeusler, chefe do Grupo de Morfologia Evolutiva e Adaptação no Instituto de Medicina Evolutiva da Universidade de Zurique, percebeu que nem todas as mudanças nos ossos poderiam ser explicadas pelo desgaste da osteoartrite.

“Em vez disso, descobrimos que algumas dessas alterações patológicas devem ser por conta de processos inflamatórios”, disse.

“Uma comparação de todo o padrão das alterações patológicas encontradas no esqueleto de La Chapelle-aux-Saints com muitas doenças diferentes nos levou ao diagnóstico de brucelose.”

O estudo com essas descobertas foi publicado na revista Scientific Reports no mês passado.

Doença zoonótica

A brucelose, comum até hoje, pode ser adquirida por humanos por meio do contato direto com animais infectados, comendo ou bebendo produtos contaminados de origem animal ou inalando agentes aerotransportados, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

A maioria dos casos de brucelose é causada por leite não pasteurizado ou queijo de cabras ou ovelhas infectadas.

É também uma das mais comuns doenças conhecidas como zoonóticas, que são transmitidas de animais para humanos e incluem vírus como o HIV e o coronavírus que causou a pandemia de Covid-19.

Brucella tem uma ampla gama de sintomas, incluindo febre, dores musculares e suores noturnos, disse Haeusler. Pode durar de algumas semanas a muitos meses ou até anos.

Os problemas de longo prazo que ela pode causar são variáveis, mas incluem dor nas costas, inflamação dos testículos – que pode levar à infertilidade – e inflamação das válvulas cardíacas, conhecida como endocardite, que Haeusler disse ser a causa mais comum da morte pela doença.

O jornal disse que o caso foi “a primeira evidência segura desta doença zoonótica na evolução dos hominídeos”.

A doença também foi encontrada em esqueletos do Homo sapiens da Idade do Bronze, que datam de cerca de 5 mil anos atrás.

Dieta

A brucelose é encontrada em muitos animais selvagens hoje, e Haeusler disse que o homem de neandertal provavelmente pegou a doença matando ou cozinhando um animal que havia sido caçado como presa.

Possíveis fontes incluem ovelhas selvagens, cabras, gado selvagem, bisões, renas, lebres e marmotas – todos os quais eram componentes da dieta do neandertal.

No entanto, o jornal disse que os dois grandes animais que os neandertais caçavam, mamutes e rinocerontes-lanudos, provavelmente não eram o hospedeiro porque seus parentes vivos, os rinocerontes, nunca tiveram brucelose detectada.

Dado que o homem viveu até o que deve ter sido uma idade muito avançada para o período, Haeusler suspeitou que o neandertal pudesse ter uma versão mais branda da doença.

O “Velho de Chapelle” desempenhou um papel significativo nos equívocos sobre os neandertais serem brutos primitivos da Idade da Pedra, de acordo com o Instituto Smithsonian, complexo científico e educacional com sede em Washington, Estados Unidos.

Pesquisas mais recentes sugerem que o neandertal era tão inteligente quanto nós.

Uma reconstrução inicial do esqueleto mostrava o homem com uma postura curvada, joelhos dobrados e a cabeça projetada para a frente. Só mais tarde os cientistas perceberam que o esqueleto tinha um tipo de osteoartrite deformante e talvez não fosse um neandertal típico.

Haeusler disse que o estudo que publicou, em 2019, mostrou que, mesmo com o desgaste da osteoartrite degenerativa, o “Velho de Chapelle” teria caminhado ereto. O homem também havia perdido a maioria dos dentes e pode ter sido alimentado por outros membros de seu grupo.

Mais Recentes da CNN