Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pesquisadores encontram evidência de calendário maia dentro de pirâmide na Guatemala

    Glifo nos fragmentos do mural para "7 Deer", um dos 260 dias nomeados do calendário, consistia na antiga escrita maia para o número sete sobre o contorno da cabeça de um cervo

    Ilustração mostra pirâmides da civilização Maia
    Ilustração mostra pirâmides da civilização Maia Heather Hurst/divulgação /REUTERS

    Will Dunhamda Reuters

    Ouvir notícia

    Um glifo (símbolos em estruturas ornamentais) representando um dia chamado “7 Deer” em fragmentos de murais que datam do século 3 a.C. encontrados dentro das ruínas de uma pirâmide na Guatemala marca o uso mais antigo conhecido do calendário maia, uma das realizações de renome desta cultura antiga.

    Os fragmentos foram encontrados no sítio arqueológico de San Bartolo, nas selvas do norte da Guatemala, que ganhou fama com a descoberta em 2001 de uma câmara enterrada com murais elaborados e coloridos datados de cerca de 100 a.C. representando cenas cerimoniais e mitológicas maias, disseram pesquisadores na quarta-feira (13).

    As peças com o glifo “7 Deer” foram desenterradas dentro da mesma pirâmide Las Pinturas onde os murais posteriores ainda intactos foram localizados. Como era o caso dessa estrutura, os maias geralmente construíam o que inicialmente eram templos de tamanho modesto, depois construíam versões cada vez maiores sobre os anteriores. Esta pirâmide atingiu cerca de 30 metros de altura.

    O glifo encontrado nos fragmentos do mural com “7 Deer”, um dos 260 dias nomeados do calendário, consistia na antiga escrita maia para o número sete sobre o contorno da cabeça de um cervo.

    O professor de arte e redação mesoamericana da Universidade do Texas, David Stuart, principal autor da pesquisa publicada na revista Science Advances, descreveu os fragmentos como “dois pequenos pedaços de gesso branco que caberiam em sua mão, que já foram presos a uma parede de pedra.”

    “A parede foi intencionalmente destruída pelos antigos maias quando eles estavam reconstruindo seus espaços cerimoniais — ela acabou se transformando em uma pirâmide. As duas peças se encaixam e têm caligrafia pintada de preto, abrindo com a data ‘7 Deer’. O resto é difícil de ler”, disse.

    “As pinturas desta fase estão todas muito fragmentadas, ao contrário de qualquer uma das câmaras posteriores e mais famosas”, acrescentou Stuart.

    Até agora, a mais antiga notação definitiva do calendário maia datava do primeiro século a.C..

    A tabela, enraizada nas observações dos movimentos do Sol, da Lua e dos planetas, baseava-se em um ciclo ritual de 260 dias nomeados.

    O calendário de 260 dias, chamado de tzolk’in, foi um dos vários sistemas maias inter-relacionados de contagem de tempo, incluindo também um ano solar de 365 dias, um sistema maior chamado “Long Count” e um sistema lunar.

    Dois fragmentos de murais que datam de cerca de 200 aC a 300 aC de um antigo local maia na Guatemala com evidências do uso mais antigo do calendário maia. / Karl Taube/Cortesia do Proyecto Regional Arqueologico San Bartolo/Reuters

    O calendário foi uma das conquistas de uma cultura que também desenvolveu um sistema de escrita com 800 glifos, com os primeiros exemplos também de San Bartolo. Os maias construíram templos, pirâmides, palácios e observatórios e se dedicaram à agricultura sofisticada sem usar ferramentas de metal ou a roda.

    San Bartolo foi um centro regional durante o período pré-clássico maia, abrangendo de cerca de 400 a.C. a 250 d.C..

    Essa época estabeleceu as bases para o florescimento da cultura maia durante o período clássico subsequente, conhecido por cidades como Tikal na Guatemala, e Palenque, no México e Copan em Honduras.

    Cerca de sete mil fragmentos de murais — alguns tão pequenos quanto uma unha e outros de até 20 por 40 centímetros — foram encontrados em San Bartolo, o que equivale ao que a professora de antropologia e coautora do estudo Heather Hurst, do Skidmore College, no estado de Nova York, chamou de “um quebra-cabeça gigante”.

    O “7 Deer” e outras anotações vistas em 11 fragmentos de murais de San Bartolo examinados no estudo sugerem convenções artísticas e de escrita maduras na região na época, sugerindo que o calendário já estava em uso há muitos anos.

    “Outros sites provavelmente encontrarão outros exemplos, talvez até exemplos anteriores”, disse Hurst.

    “Segundo, a tradição dos escribas representada nesses 11 fragmentos é diversificada, expressiva, sua tecnologia para preparação de tinta e fluidez caligráfica é impressionante – essa era uma tradição bem estabelecida de escrita e arte”, acrescentou Hurst.

    Algumas comunidades maias hoje ainda usam o calendário antigo.

    “Este sistema de calendário durou pelo menos 2.200 anos, mantido pelos maias em tempos de mudanças incríveis, estresse e tragédia”, disse Stuart.

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN