Pesquisadores encontram flor tropical rara no Equador tida como extinta há 36 anos

Planta só foi vista na floresta nublada do Equador; ela havia sido documentada pela última vez em 1985

Botânicos descobriram aglomerados de Gasteranthus extinctus no oeste do Equador enquanto realizavam pesquisas de campo.
Botânicos descobriram aglomerados de Gasteranthus extinctus no oeste do Equador enquanto realizavam pesquisas de campo. Riley Fortier

Megan Marplesda CNN*

Ouvir notícia

Uma rara flor silvestre alaranjada que se pensava estar extinta por 36 anos foi redescoberta na América do Sul.

A flor silvestre Gasteranthus extinctus só foi vista na floresta nublada do Equador e foi documentada pela última vez em 1985, de acordo com um novo estudo publicado na revista PhytoKeys.

Cientistas viram um futuro sombrio para a flor, então a chamaram de “extinctus” porque acreditavam que logo morreria, disse o coautor Dawson White, pesquisador de pós-doutorado no Field Museum em Chicago.

A maior parte da floresta nublada sofreu desmatamento nos anos que se seguiram. Acredita-se que a perda de habitat tenha matado dezenas de espécies, disse White.

Os pesquisadores decidiram dar outra olhada no oeste do Equador em 2021 para ver se ainda havia trechos de floresta e procurar as espécies que viveram lá. Em poucos dias, a flor foi encontrada, disse White.

“Foi uma alegria total porque Gasteranthus extinctus é um símbolo dessas florestas únicas”, disse White.

A equipe coletou amostras para posteriormente confirmar o DNA da planta, que estava espalhada em touceiras nas pequenas seções da floresta remanescente.

Um momento de sorte

Após a magnífica redescoberta, o membro da equipe Riley Fortier verificou o aplicativo de natureza iNaturalist para ver se mais alguém havia tirado uma foto semelhante, disse White.

Uma iniciativa conjunta da Academia de Ciências da Califórnia e da Sociedade Nacional de Geografia dos Estados Unidos, o iNaturalist é uma rede de observação da biodiversidade onde as pessoas podem postar fotos de plantas, pássaros e outros achados na natureza para ajudar na identificação.

Os pesquisadores encontraram fotos da flor silvestre postadas em 2019 por um grupo de estudantes equatorianos que estavam curtindo um passeio em uma pequena área de conservação.

“Eles estavam em uma viagem um pouco ao norte de onde estávamos coletando e, com certeza, tiraram duas fotos de Gasteranthus extinctus, mas não conseguiram identificá-la como tal”, disse White.

Ele foi capaz de rastrear os alunos para aprender mais detalhes sobre seu encontro e incluir suas observações no artigo científico.

Gasteranthus extinctus não é muito conhecida no Equador, mas outro membro de sua família, a violeta africana, é, disse Carmen Ulloa Ulloa, botânica e curadora do Missouri Botanical Garden em St. Louis. Ela não participou do estudo.

“Muitas pessoas provavelmente têm uma violeta africana em suas casas, mas muito poucas das plantas nativas equatorianas são cultivadas como ornamentais”, disse ela.

Trabalhando contra o relógio

Embora não seja mais considerada extinta, a flor silvestre ainda está ameaçada, disse White.

Apesar da devastação que a floresta está sofrendo, o governo equatoriano continua destruindo a floresta para seu próprio benefício, o que causou estragos nessa parte do país, explicou.

O governo equatoriano redistribuiu a terra para a classe trabalhadora nas décadas de 1950 e 1960, disse White.

As pessoas cortam árvores para dar lugar ao cultivo de grãos de cacau e bananas, a maioria das quais acaba nos Estados Unidos, acrescentou.

“Estávamos com proprietários de terras locais e eles nos contaram sobre seus planos de continuar a cortar algumas dessas pequenas florestas que ainda restaram”, disse White.

Ulloa Ulloa cresceu no Equador e viu em primeira mão o desmatamento, mas, quando se tornou adulta, entendeu o delicado equilíbrio entre a necessidade de proteger o meio ambiente e encontrar maneiras de ganhar dinheiro.

“Você precisa proteger a floresta, mas também precisa alimentar a população do país”, disse Ulloa Ulloa.

Uma solução é investir no ecoturismo, que convida o turista a desfrutar da terra natural, disse. É uma maneira de proteger a floresta enquanto impulsiona a economia do Equador, explicou Ulloa Ulloa.

Equipes de pesquisa que viajaram para o Equador antes e depois da equipe de White descobriram quase meia dúzia de espécies de plantas novas para a ciência. As equipes que descobriram a nova espécie esperam publicar suas descobertas ainda este ano, disse ele.

Os objetivos de White são conservar o ambiente da floresta nublada enquanto continua o inventário das espécies recém-descobertas, disse ele.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN