Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Planeta gigante é descoberto orbitando em torno de duas estrelas altamente massivas

    Exoplaneta foi descoberto orbitando "b Centauri", um par estelar localizado a 325 anos-luz da Terra na constelação de Centaurus

    Par de estrelas hospedeiras de planetas mais massivo já descoberto até o momento
    Par de estrelas hospedeiras de planetas mais massivo já descoberto até o momento ESO/Janson et al.

    Ashley Stricklandda CNN

    Um planeta foi encontrado orbitando em um sistema de estrelas duplas que é tão quente e massivo que alguns astrônomos não pensaram que um planeta poderia existir ao seu redor.

    O exoplaneta gigante, ou planeta localizado fora de nosso sistema solar, foi descoberto orbitando “b Centauri”, um par estelar localizado a 325 anos-luz da Terra na constelação de Centaurus. Este é o sistema estelar hospedeiro de planetas mais quente e massivo encontrado até agora.

    Os astrônomos conseguiram capturar uma imagem do planeta usando o Very Large Telescope do European Southern Observatory, no Chile. O sistema estelar binário é realmente visível para nós a olho nu.

    O planeta gigante, que tem 10 vezes a massa de Júpiter, orbita o par de estrelas 100 vezes a distância entre Júpiter e o sol. É um dos planetas mais massivos já encontrados.

    Um estudo detalhando a imagem e os resultados foram publicados na revista Nature nesta quarta-feira (9).

    “Encontrar um planeta ao redor de b Centauri foi muito empolgante, pois muda completamente a imagem das estrelas massivas como os hospedeiros do planeta”, disse o principal autor do estudo, Markus Janson, professor de astronomia da Universidade de Estocolmo, na Suécia.

    A estrela binária gigante b Centauri, que é astronomicamente jovem aos 15 milhões de anos – nosso sol tem 4,6 bilhões de anos – tem pelo menos seis vezes a massa do nosso sol. Até esta descoberta, nenhum planeta foi encontrado ao redor de estrelas com mais de três vezes a massa de nossa estrela.

    O par estelar também é três vezes mais quente que o nosso sol, então ele libera uma quantidade enorme de radiação ultravioleta e de raios-X.

    Planeta inesperado com uma órbita ampla

    Esperava-se que todos esses fatores tivessem um efeito prejudicial sobre o gás dentro do sistema, o que provavelmente impediria a formação de planetas, porque a radiação altamente energética faz com que o material evapore mais rapidamente.

    “Estrelas do tipo B são geralmente consideradas ambientes bastante destrutivos e perigosos, então acreditava-se que deveria ser extremamente difícil formar grandes planetas ao seu redor”, disse Janson.

    Em vez disso, o planeta, apelidado de b Centauri b, permanece a uma distância tão grande de suas estrelas que essa órbita incrivelmente ampla provavelmente permite que o planeta sobreviva.

    “O planeta em b Centauri é um mundo estranho em um ambiente completamente diferente do que vivenciamos aqui na Terra e em nosso Sistema Solar”, disse o co-autor do estudo Gayathri Viswanath, estudante de doutorado da Universidade de Estocolmo.

    “É um ambiente hostil, dominado por radiação extrema, onde tudo está em escala gigantesca: as estrelas são maiores, o planeta é maior, as distâncias são maiores”, acrescentou.

    Repensando a formação do planeta

    É apenas uma das muitas descobertas que reescrevem o que os cientistas entendem sobre a formação de planetas, especialmente em circunstâncias extremas.

    “Sempre tivemos uma visão muito centrada no sistema solar de como os sistemas planetários ‘deveriam’ se parecer”, disse o co-autor do estudo Matthias Samland, pesquisador de pós-doutorado no Instituto Max Planck de Astronomia.

    “Nos últimos dez anos, a descoberta de muitos sistemas planetários em configurações surpreendentes e inovadoras nos fez alargar nossa visão historicamente estreita. Esta descoberta adiciona outro capítulo emocionante a esta história, desta vez para estrelas massivas.”

    O Extremely Large Telescope do European Southern Observatory estará online no final desta década, e suas capacidades de observação permitirão aos cientistas começar a entender como este planeta se formou.

    “Será uma tarefa intrigante tentar descobrir como ele pode ter se formado, o que é um mistério no momento”, disse Janson.

    (Texto traduzido, leia original em inglês aqui)