Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Possíveis pegadas de aves milhões de anos antes de elas existirem intrigam cientistas

    Impressões podem ser pista que falta sobre a evolução das aves, ou podem pertencer a répteis que não estão próximos da linhagem aviária

    Pegadas fósseis de três dedos semelhantes a pássaros, que datam de mais de 210 milhões de anos, foram criadas por répteis bípedes, de acordo com uma nova análise. São mostradas pegadas fossilizadas de Trisauropodiscus (à esquerda) e pegadas de pássaros modernos (à direita).
    Pegadas fósseis de três dedos semelhantes a pássaros, que datam de mais de 210 milhões de anos, foram criadas por répteis bípedes, de acordo com uma nova análise. São mostradas pegadas fossilizadas de Trisauropodiscus (à esquerda) e pegadas de pássaros modernos (à direita). Abrahams et al.; 2023; PLOS ONE

    Mindy Weisbergerda CNN

    Pegadas fósseis de três dedos que datam de mais de 210 milhões de anos foram pressionadas na lama macia por répteis bípedes com pés como os de um pássaro, revelou uma nova análise das pegadas.

    As pegadas, encontradas em vários locais no sul da África, foram recentemente identificadas como as mais antigas que se assemelham a aves, e datam de cerca de 60 milhões de anos antes dos primeiros fósseis de aves conhecidos.

    “Dada a sua idade, provavelmente foram feitos por dinossauros”, disse o doutor Miengah Abrahams, professor de ciências geológicas na Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul. Abrahams é o principal autor do novo estudo que descreve as pegadas, publicado terça-feira (28) na revista científica PLOS One.

    Os terópodes, incluindo o Tiranossauro Rex, eram um grupo diversificado de carnívoros bípedes com pés de três dedos. Mas, entre essas pegadas de dinossauros recentemente examinadas, havia algumas que eram diferentes das pegadas típicas de terópodes.

    Elas tinham uma extensão mais curta do dígito central, uma abertura muito mais ampla e “dedos significativamente mais estreitos”, fazendo com que se parecessem mais com pegadas de pássaros, explicou Abrahams à CNN.

    No entanto, como os animais que fizeram as pegadas são desconhecidos, sua relação com as aves não é clara.

    As impressões podem representar uma pista que falta sobre a evolução das aves, ou podem pertencer a répteis que não estão próximos da linhagem aviária, mas que evoluíram independentemente com pés semelhantes aos dos pássaros, relataram os investigadores.

    Fósseis sem ossos

    As pegadas foram descobertas em meados do século 20 e receberam o nome científico de Trisauropodiscus pelo paleontólogo francês Paul Ellenberger.

    O nome é um icnotáxon, ou seja, um gênero baseado em vestígios fósseis, ou impressões fossilizadas que um animal deixou para trás, em vez de fósseis de seu corpo.

    Acredita-se que existam sete icnoespécies ligadas às pegadas de Trisauropodiscus, e, durante décadas, os paleontólogos discutiram sobre a afinidade aviária do grupo. Alguns achavam que as pegadas eram semelhantes a pássaros, mas outros não tinham tanta certeza.

    Ellenberger pode ter deixado um ambiente dúbido ao atribuir muitos rastros de formatos diferentes ao icnotáxon, “e nem todos são parecidos com pássaros”, disse Abrahams.

    Além do mais, o formato de uma pegada pode variar muito, com base no tipo de material em que o animal pisou.

    Isso pode dificultar a identificação de características físicas de animais extintos quando as pegadas fossilizadas são as únicas pistas que eles deixaram para trás, explicou a doutora Julia Clarke, professora de paleontologia de vertebrados na Universidade do Texas em Austin, que não esteve envolvida no estudo.

    “As pegadas são um registro realmente único, mas sempre haverá aquela zona de incerteza, apenas na natureza dos dados que temos”, afirmou Clarke à CNN.

    Na época em que as pegadas do Trisauropodiscus foram impressas na lama, as adaptações evolutivas estavam crescendo nos arcossauros, o antigo grupo de répteis que inclui dinossauros, pterossauros e crocodilianos.

    Por isso, é intrigante encontrar evidências de pés semelhantes a pássaros em um membro desconhecido deste grupo, acrescentou a especialista.

    “As pegadas não correspondem diretamente a nenhum fóssil de animal conhecido nesta região e período. Elas poderiam pertencer a outros répteis ou ‘primos’ de dinossauros que desenvolveram pés semelhantes aos dos pássaros”, ressaltou Clarke.

    “Isso está aumentando nossa compreensão da diversificação morfológica neste período realmente importante para os arcossauros”, colocou.

    Diagrama de pegadas fósseis semelhantes a pássaros (canto superior direito) e close-ups de duas pegadas individuais (extrema-esquerda e centro). Abreviações: TL é o comprimento da trilha; TW é a largura da via; e II^IV indica a dispersão dos dígitos
    Diagrama de pegadas fósseis semelhantes a pássaros (canto superior direito) e close-ups de duas pegadas individuais (extrema-esquerda e centro). Abreviações: TL é o comprimento da trilha; TW é a largura da via; e II^IV indica a dispersão dos dígitos / Abrahams et al.; 2023; PLOS ONE

    Investigando a descoberta

    A investigação dos pesquisadores começou em 2016: a equipe da UCT estava “seguindo os passos de Paul Ellenberger, documentando os seus locais usando padrões icnológicos modernos”, afirmou Abrahams.

    Durante uma viagem a Maphutseng, um local de fósseis no Lesoto, a equipe encontrou vários rastos semelhantes a pássaros do Período Triássico. “Levamos um tempo para perceber que estávamos olhando para o Trisauropodiscus”, disse.

    “Nossa impressão inicial foi que essas pegadas eram realmente muito parecidas com as de pássaros, e sabíamos que precisávamos investigá-las mais detalhadamente”, complementou.

    Isso implicou visitas a sítios arqueológicos, análise de fotos de arquivo, esboços, moldes e criação de modelos digitais 3D das pegadas.

    Os cientistas revisaram 163 impressões e as dividiram em duas categorias, ou morfotipos, com base em seus formatos.

    Pegadas categorizadas como Morfotipo I foram marcadas como não aviárias. Elas eram um pouco mais longas do que largas, com dedos mais redondos e robustos que eram estreitamente abertos.

    “Eles também têm um ‘calcanhar’ distinto”, formado pelas almofadas do terceiro e quarto dígitos, disse Abrahams.

    Em comparação, as trilhas do Morfotipo II eram menores. Elas eram mais largas do que longos, com dedos mais finos.

    Na sua forma e na ampla extensão dos seus dígitos, este segundo grupo de pegadas assemelhava-se muito às de uma ave do Período Cretáceo (145 milhões a 66 milhões de anos atrás): a ave pernalta Gruipeda, outro icnogéneo conhecido apenas pelas pegadas.

    E, no geral, as pegadas do Morfotipo II se assemelhavam muito às pegadas de pássaros modernos, relataram os cientistas.

    A evidência fóssil mais antiga de paravianos – o grupo de dinossauros que inclui as primeiras aves e os seus parentes mais próximos – aparece em meados do Período Jurássico (201,3 milhões a 145 milhões de anos atrás).

    Já as pegadas do Morfotipo II Trisauropodiscus, que datam de pelo menos 210 milhões de anos, sugerem que os pés semelhantes aos dos pássaros são ainda mais antigos.

    “Trisauropodiscus mostra que a morfologia dos pés semelhantes aos dos pássaros é muito mais antiga, uma característica compartilhada entre os pássaros modernos e outros arcossauros do Mesozoico Superior”, disse Abrahams.

    “Esta investigação contribui para a nossa compreensão coletiva contínua da evolução dos dinossauros e das aves”, concluiu.

    *Mindy Weisberger é redatora científica e produtora de mídia cujo trabalho foi publicado nas revistas Live Science, Scientific American e How It Works

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original