SpaceX: governo dos EUA pode não reconhecer tripulação como astronauta

Civis da missão Inspiration4 voaram mais alto do que a Estação Espacial Internacional, mas isso ainda pode não ser o suficiente para as Asas de Astronautas

Kristin Fisherda CNN

Ouvir notícia

As quatro pessoas a bordo da missão Inspiration4, da SpaceX, voaram mais alto do que a Estação Espacial Internacional, mas isso ainda pode não ser o suficiente para serem reconhecidos como astronautas, ganhando asas oficiais de astronauta comercial do governo federal.

As Asas de Astronauta não têm nenhum significado além de seu valor simbólico, mas estão para viajantes do espaço como a marca azul de verificado para usuários do Twitter enquanto empresas privadas correm para vender viagens ao espaço.

“Ninguém tem garantia de ter asas”, disse um funcionário da FAA à CNN Internacional sobre o voo do Inspiration4. “Não avaliamos, de uma forma ou de outra, porque não há nada para decidir ainda.”

A questão principal, de acordo com dois funcionários atuais da Administração Federal de Aviação, é que a SpaceX descreveu as quatro pessoas a bordo como da espaçonave Dragon como “participantes do voo espacial” em vez de “tripulação” em seu pedido de licença da FAA, órgão que cuida da administração federal da aviação dos Estados Unidos, para a missão Inspiration4. Procurada, a SpaceX não quis comentar.

Com base nos novos requisitos de elegibilidade da FAA, alterados pela primeira vez em 17 anos no dia em que Jeff Bezos explodiu no espaço, apenas “tripulantes” que voaram pelo menos 80 km acima da Terra e “demonstraram atividades durante o voo que eram essenciais para o público segurança ou contribuiu para a segurança do voo espacial humano” são qualificados para FAA Commercial Space Astronaut Wings, nome em inglês para as Asas de Astronauta.

A tripulação do Inspiration4 passou quase seis meses treinando para passar três dias no espaço em uma cápsula Crew Dragon totalmente autônoma. A espaçonave atingirá uma altitude de 575 km acima da Terra, enquanto a Estação Espacial Internacional orbita a Terra a uma altitude média de cerca de 400 km.

Prêmio honorário

A SpaceX não pode nomear a tripulação para asas de astronautas comerciais antes que eles retornem à Terra. Embora os novos requisitos de elegibilidade da FAA não permitam que “participantes de voos espaciais” se qualifiquem para asas regulares, os membros da missão Inspiration4 podem ser considerados para um prêmio honorário.

As asas honorárias são reservadas para “indivíduos cuja contribuição para o voo espacial humano comercial merece reconhecimento especial”, e o administrador associado da FAA para transporte espacial comercial, Wayne Monteith, “tem total discrição” ao conceder esses prêmios.

O ex-astronauta da Nasa, Michael López-Alegría, que está treinando para comandar a primeira missão privada na Estação Espacial Internacional, acredita que qualquer pessoa que voe acima de 80 km, a fronteira do espaço reconhecida pelos EUA, é um astronauta.

“Eu acredito que se a FAA escolhe designá-los como astronautas comerciais depende da FAA. Mas eu me pergunto se não fazer isso é consistente com o cumprimento de sua carta de encorajar, facilitar e promover a indústria”, disse López-Alegría.

“Eu penso que um prêmio honorário é tão bom? Não. Mas é melhor que nada”, acrescentou. “Eu tenho um PhD honorário e isso é definitivamente uma nota abaixo.”

Asas de Astronauta

As asas de astronauta foram atribuídas pela primeira vez no início dos anos 1960 aos astronautas do Mercury 7 pelos militares dos EUA.

Tornou-se um rito de passagem para todos os astronautas da Nasa que vão para o espaço, desde as missões Apollo até hoje. A FAA criou o Commercial Astronaut Wings Program em 2004, depois que a SpaceShipOne da Virgin Galactic se tornou a primeira espaçonave privada a chegar ao espaço.

Agora, no alvorecer da indústria do turismo espacial nos Estados Unidos, o potencial para receber asas de astronautas comerciais emitidas pelo governo tornou-se um ponto de venda para empresas espaciais privadas.

Mas López-Alegría também pensa que a indústria — e a mídia — podem estar “se concentrando um pouco demais em rótulos e designações”.

“Acredito que o fato de pessoas não governamentais começarem a ir rotineiramente ao espaço é algo muito positivo e realmente marca um ponto de inflexão na curva do voo espacial humano”, disse López-Alegría. “Daqui a alguns anos, ninguém vai se importar com nomes e designações.”

(Esse texto foi traduzido. Leia o original neste link)

Mais Recentes da CNN