Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Sucesso histórico”: autoridades avaliam choque com asteroide causado pela Nasa

    Nave da Nasa atinge asteroide em tentativa de mudar trajetória do corpo celeste

    Asteroide atingido por nave enviada pela Nasa
    Asteroide atingido por nave enviada pela Nasa Reprodução/CNN

    Ashley Stricklandda CNN

    O deputado Don Beyer, presidente do Subcomitê de Espaço e Aeronáutica dos Estados Unidos, chamou o Teste de Redirecionamento de Asteroides Duplos, ou missão DART, de “um sucesso histórico”.

    A missão foi uma chance para a Nasa testar a tecnologia de defesa planetária e, se a órbita do asteroide Dimorphos for alterada, será a primeira vez que os humanos alteram o movimento de um corpo celeste natural no espaço.

    “O risco de impacto de asteroides e outros objetos espaciais perigosos é baixo, mas o dano seria imenso”, disse Beyer em um tweet depois que a espaçonave atingiu seu alvo com sucesso.

    Acrescentei que “desenvolver a capacidade de prevenir o impacto é um objetivo chave de longo prazo”.

     

    Após a colisão, a ciência está apenas começando

    Pela primeira vez na história, a NASA está tentando mudar o movimento de um corpo celeste natural no espaço. Agora que uma espaçonave atingiu com sucesso o asteroide Dimorphos – a ciência está apenas começando.

    Para pesquisar as consequências do impacto, a missão Hera da Agência Espacial Europeia será lançada em 2024. A espaçonave, juntamente com dois CubeSats, chegará ao sistema de asteroides dois anos depois.

    Hera estudará os dois asteroides, medirá as propriedades físicas de Dimorphos e examinará a cratera de impacto do DART e a órbita da lua, com o objetivo de estabelecer uma estratégia de defesa planetária eficaz.

    O Light Italian CubeSat for Imaging of Asteroids, ou LICIACube, da Agência Espacial Italiana, voará pela Dimorphos para capturar imagens e vídeos da pluma de impacto enquanto se espalha pelo asteroide e talvez até espie a cratera que poderia deixar para trás.

    O mini-satélite também vislumbrará o hemisfério oposto de Dimorphos, que o DART não conseguirá ver antes de ser obliterado.

    O CubeSat se virará para manter suas câmeras apontadas para Dimorphos enquanto ele voa. Dias, semanas e meses depois, veremos imagens e vídeos capturados pelo satélite italiano que observou o evento de colisão. As primeiras imagens esperadas do LICIACube podem mostrar o momento do impacto e a pluma que ele cria.

    O LICIACube não será o único observador assistindo. O Telescópio Espacial James Webb, o Telescópio Espacial Hubble e a missão Lucy da Nasa observarão o impacto.

    O sistema Didymos pode brilhar à medida que sua poeira e detritos são ejetados para o espaço, disse Statler, cientista do programa da Nasa.

    Mas os telescópios terrestres serão fundamentais para determinar se o DART alterou com sucesso o movimento do Dimorphos.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original