Astroturismo: eventos incríveis acontecem acima de sua cabeça e você pode ir atrás deles

Iluminação das cidades pode atrapalhar o vislumbre de chuvas de meteoros, da Via Láctea e até mesmo a visualização das estrelas; Veja dicas para aspirantes a astroturistas e os próximos eventos imperdíveis

Via Láctea a partir do acampamento no Acatenango (Foto: Christian Hartmann)
Via Láctea a partir do acampamento no Acatenango (Foto: Christian Hartmann) Christian Hartmann

Vahe Peroomianda CNN*

Ouvir notícia

Durante anos, pequenos grupos de entusiastas da astronomia viajaram pelo mundo em busca do raro eclipse solar. Eles embarcaram em cruzeiros até o meio do oceano, fizeram voos na trajetória do eclipse e até viajaram para a Antártica.

Em agosto de 2017, milhões de pessoas nos EUA testemunharam um eclipse solar total visível do Oregon à Carolina do Sul, com um eclipse parcial visível para o resto do território continental dos EUA.

O interesse em eventos astronômicos que este eclipse despertou provavelmente retornará com dois eclipses visíveis nos EUA em breve – o eclipse solar anular em 14 de outubro de 2023 e o eclipse total em 8 de abril de 2024.

Mas o astroturismo – viajar a parques nacionais, observatórios ou outros locais naturais com céu escuro para ver eventos astronômicos – não se limita apenas a perseguir eclipses.

De acordo com um estudo recente, 80% dos americanos e um terço da população do planeta já não conseguem ver a Via Láctea a partir das suas casas devido à poluição luminosa. Como consequência, a maioria das pessoas tem de viajar para testemunhar chuvas de meteoros e outros eventos astronômicos comuns.

Sou um cientista espacial apaixonado por ensinar física e astronomia e fotografar o céu noturno. Todo verão passo várias noites acampando nas montanhas de Sierra Nevada, na Califórnia, onde o céu é suficientemente escuro para permitir que a Via Láctea seja vista a olho nu. Meu filho e eu também gostamos de fazer viagens de carro que coincidem com eclipses e chuvas de meteoros.

Eventos astronômicos imperdíveis

Existem dois tipos de eclipses. Os eclipses lunares ocorrem quando a lua cheia passa pela sombra da Terra. Os eclipses solares ocorrem quando a lua nova bloqueia brevemente o Sol.

Existem três tipos de eclipses solares. Durante um eclipse total, a Lua cobre completamente o Sol, com totalidade, ou o tempo durante o qual o Sol fica completamente eclipsado, durando até sete minutos. Durante a totalidade, aqueles que estão no caminho do eclipse verão a coroa do Sol, ou sua atmosfera externa, atrás da silhueta da Lua.

Um eclipse total é visto no South Mike Sedar Park em 21 de agosto de 2017 em Casper, Wyoming, EUA / Justin Sullivan/Getty Images; VCG/Getty Images; Lars Baron/Getty Images

A órbita da Lua em torno da Terra é uma elipse, pelo que a Lua pode parecer 15% mais pequena quando está no ponto mais distante da Terra, o seu apogeu, em comparação com o seu tamanho quando está no ponto mais próximo da Terra, o seu perigeu. Um eclipse anular ocorre quando a Lua não cobre todo o disco do Sol, deixando um anel de luz solar ao redor da Lua.

Finalmente, um eclipse parcial ocorre quando a Lua bloqueia apenas uma parte do disco do Sol, como o nome indica.

As chuvas de meteoros são um evento astronômico muito mais comum do que os eclipses e são visíveis de qualquer local com céu escuro na Terra. As chuvas de meteoros ocorrem quando a órbita da Terra em torno do Sol a conduz através da poeira deixada por um cometa. A Terra varre a poeira como um carro acelerando em meio a uma nuvem de insetos na estrada.

As chuvas de meteoros têm o nome das constelações das quais os meteoros parecem emanar, embora não seja necessário olhar naquela direção para ver os meteoros.

As chuvas de meteoros mais proeminentes, ocorrendo aproximadamente nas mesmas datas todos os anos, são as Perseidas, nomeadas em homenagem à constelação de Perseu e com pico na noite de 12 para 13 de agosto; os Geminídeos, nomeados em homenagem à constelação de Gêmeos, de 14 a 15 de dezembro; e as Líridas, batizadas em homenagem à constelação de Lyra, de 21 a 22 de abril.

Via Láctea a partir do acampamento no Acatenango / Christian Hartmann

Dicas para aspirantes a astroturistas

Um dos fatores mais importantes a considerar ao planejar um passeio para observar as estrelas ou observar uma chuva de meteoros é a fase da Lua. A lua cheia nasce por volta das 18h e se põe às 6h da manhã, tornando a observação das estrelas praticamente impossível por causa de seu brilho.

Para condições ideais de observação das estrelas, a lua deve estar abaixo do horizonte e as melhores condições de observação ocorrem durante a lua nova. Você pode usar uma calculadora de nascer/pôr da lua para determinar a fase da lua e seu nascer e se pôr em qualquer local da Terra.

Outro fator importante é o clima. Astrônomos amadores sempre brincam que o céu fica nublado durante os eventos astronômicos mais interessantes. Por exemplo, a maioria das grandes cidades dos EUA que estão no caminho do eclipse de abril de 2024 tiveram céus nublados em 8 de abril em 60% do tempo desde o ano 2000.

A maioria dos americanos vive em áreas altamente poluídas pela luz. Um mapa de poluição luminosa como o lightpollutionmap.info pode ajudar a identificar o local mais próximo do céu escuro, que, no meu caso, fica a horas de distância. Esses mapas geralmente usam a escala de céu escuro de Bortle, que indica 1 para céus extremamente escuros e 9 para centros de cidades altamente poluídos pela luz.

Embora você ainda possa ver os meteoros mais brilhantes dos subúrbios da cidade, quanto mais escuro for o céu, mais meteoros você verá. Em geral, espere ver menos de 25 meteoros por hora. Para ver a estrutura complexa da Via Láctea a olho nu, procure um local com índice de Bortle igual ou inferior a 3.

Astroturistas devem procurar locais com pouco iluminação noturna para observação do céu / Francisco Negroni/Sernatur

É importante chegar cedo ao local escolhido, de preferência durante o dia. Tropeçar no escuro em um local desconhecido é uma receita para o desastre e também pode perturbar outras pessoas que já estejam no local. Chegar cedo também dá tempo para que seus olhos se adaptem ao escuro à medida que a noite cai, já que normalmente leva 30 minutos ou mais para que seus olhos atinjam todo o seu potencial de adaptação ao escuro.

Certifique-se de levar um farol ou lanterna com configuração de luz vermelha, pois a luz vermelha não prejudica a visão noturna. Evite usar o celular, pois apenas uma olhada na tela pode arruinar a adaptação dos seus olhos ao escuro. Se você estiver usando um aplicativo de visualização do céu, mude-o para o modo noturno.

Planeje com antecedência se estiver pensando em viajar para ver um dos eclipses visíveis nos EUA no próximo ano. Se você estiver no caminho do eclipse, fique onde estiver! Se você estiver viajando, passar a noite no mesmo local depois do eclipse pode ajudar a evitar os engarrafamentos de horas enfrentados pelos observadores do eclipse em 2017.

Além disso, você nunca deve olhar diretamente para o sol a olho nu, mesmo durante um eclipse total. Você precisará de um par de óculos para eclipse baratos para assistir e aproveitar ao máximo o eclipse, mas compre o seu com antecedência, pois muitas lojas ficaram sem óculos durante o eclipse de 2017.

Não importa para onde você viaje durante o próximo ano, não se esqueça de olhar para cima à noite e maravilhar-se com a beleza do céu noturno longe das luzes da cidade.

*Nota do editor: Vahe Peroomian é professor de Física e Astronomia na Faculdade de Letras, Artes e Ciências da USC Dornsife. Este artigo foi republicado sob licença Creative Commons da The Conversation.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN