Novo Libreria Augusto alia técnicas francesas e bases italianas ao sotaque paulista

Em soft opening, restaurante no Jardins une vivência do chef na França, no interior de SP e por cozinhas italianas estreladas

Bruschetta de Presunto cru e figos do novo Libreria Augusto
Bruschetta de Presunto cru e figos do novo Libreria Augusto Divulgação

Tina Binido Viagem & Gastronomia São Paulo, SP

O ano começou com ótimas novidades para amantes de boas massas, com a reabertura do Tappo Trattoria, em Higienópolis; a inauguração da nova casa do chef Luiz Filipe, a Trattorita Evvai; a chegada da Bráz Trattoria na Rua dos Pinheiros e, agora, a abertura da Libreria Augusto, nos Jardins.

A prova de que sempre cabe mais um restaurante italiano no cenário gastronômico de São Paulo. Sobretudo quando abriga histórias e receitas autênticas. Coisa que o Libreria Augusto esbanja sem esforço.

Chef Augusto dos Santos abre sua primeira casa no Brasil depois de longa temporada na França / Divulgação

O nome da casa, em soft opening, remete à coleção de menus, livros e caderninhos de anotações do chef e proprietário Augusto dos Santos. No interior paulista, ele começou a cozinhar por hobby e acabou se tornando banqueteiro. Viajou para França com o intuito de comer e aprender técnicas, porém, depois de formado no Instituto Paul Bocuse, acabou ficando.

Para a abertura do seu primeiro restaurante no Brasil juntou memórias e experiências adquiridas em ambos os lados do Atlântico.

A história de Augusto passa por estágios com MOFs (melhores artesãos da França) e chefs triplamente estrelados, até decidir traçar o próprio caminho.

Em 2012, abriu a casa que levava seu nome, Augusto, uma trattoria pioneira em Lyon, capital gastronômica francesa. Seus 24 lugares eram tomados no almoço e no jantar. “O cardápio era muito simples, um par de entradas, outro de massas, sempre uma carne e um tiramisù entre os dolci”, relembra o chef. Foram dez anos de sucesso e menções nos guias Michelin e Gault Millau.

Porém, o desejo de cozinhar em seu país o trouxe de volta: “Quando cheguei em Lyon, fui jantar no Restaurant Paul Bocuese. Ele ainda estava vivo e jurei que ia estudar no seu Instituto e ser um aluno empenhado. Não sei se ele entendeu, mas cumpri a promessa”.

Pappardele com ragu e fonduta de parmesão / Divulgação

Promessa cumprida, Augusto passou um ano no Dal Pescatore, restaurante familiar triplamente estrelado na região italiana da Lombardia: “Na cozinha de Nadia Santini tinha cachorro, palpite de sogra, briga de família. Tudo acontecia ali, mas sem perder o rigor com a comida. Aí aprendi que mesmo sem seguir todos os protocolos franceses, poderia ter meu próprio lugar”.

Melhor dizendo, seus próprios lugares. Seu Libreria Augusto desembarca com bagagem repleta das lembranças de quem nasceu comendo fruta do pé, vendo a avó fazer queijo, lasanha e polenta. Profissionalmente, cresceu destrinchando carne de aves e de caça em duras jornadas na França e na cozinha de restaurantes com estrelas Michelin.

Tortelloni, fechado à laminute, guarda com quatro dobras o recheio de vitela, mascarpone e limão siciliano / Divulgação

A bagagem contém também 450 pratos de antiquários lioneses e uma culinária meticulosa. Por exemplo, seu Tortelloni, fechado à laminute, guarda com quatro dobras o recheio de vitela, mascarpone e limão siciliano (R$ 115). Seu Pappardelle de salsinha combina perfeitamente a um ragu de linguiça toscana em vinho tinto e a uma fonduta de parmesão sem pesar (R$ 107). Já a Caprese, além de mozzarella de búfala fresca, traz cinco tipos de tomates e três de manjericão, cada um com seu preparo (R$ 39).

Seu gnocchi é uma homenagem a sua maestra: “A Nadia adorava contar que uma vez o Joel Robuchon ligou para saber como ela fazia gnocchi e ela respondeu durona: ‘Estamos na Lombardia, é batata e farinha. Batata e farinha, chef, não insista’, porque ele não acreditava que não ia nem ovo”.

No Libreria, o minimalista gnocchi (R$ 98) é cortado à mão e salteado para receber molho de tomate, azeitona taggiasche, pinoli, parmesão e raspas de limão siciliano. Vale dizer que, à parte as três massas citadas, o cardápio lista outras quatro opções.

Antes delas, além da caprese, outros cinco antipasti, com destaque ao Vitelo tonnato (vitelo fatiado, molho de atum, alcaparra, gema de ovo, salsinha e ciboulette, R$ 62). Os principais, por sua vez, neste primeiro menu, restringem-se a um Bife ancho com mousseline de brócolis, polenta grelhada e molho da própria carne (R$ 150) e a um Carré de cordeiro com paccheri alla crema, pesto de pistache e pecorino romano (R$ 187).

Já entre as quatro sobremesas, chamam a atenção o domo de Tiramisù (uma base de bolo dacquoise irrigado com café e recheado com creme de mascarpone escondidos sob cúpula de chocolate, R$ 50) e o Tropo cioccolato (com texturas de chocolate e “Nutella” caseira, R$ 58).

Tropo cioccolato / Divulgação

Libreria Augusto: Al. Tietê, 179, Jardins / Tel.: (11) 91864-2671 / Funcionamento: terça a quinta, das 19h às 22h30; sexta e sábado, das 19h às 23h30