Artista cria embalagens com cânhamo para safra especial da Veuve Clicquot, que chega ao Brasil

Com predomínio de Pinot Noir, safra 2015 da linha La Grande Dame chega ao mercado brasileiro em seis diferentes caixas colecionáveis da artista Paola Paronetto

Embalagens de La Grande Dame 2015, da Veuve Clicquot, criadas com fibras vegetais
Embalagens de La Grande Dame 2015, da Veuve Clicquot, criadas com fibras vegetais Divulgação

Da CNNdo Viagem & Gastronomia São Paulo

Referência em champanhe desde sua fundação há mais de 250 anos, a Veuve Clicquot anunciou a chegada no Brasil da safra 2015 da linha mais emblemática da marca: a La Grande Dame, champanhe elaborado em homenagem à Madame Clicquot, figura icônica da vitivinicultura francesa.

A safra de 2015 é elaborada com mais de 90% da uva Pinot Noir, a predileta de Madame Clicquot. “Nossas uvas tintas dão origem aos melhores vinhos brancos”, costumava afirmar. Além de Pinot Noir, os outros 10% são realçados por Chardonnay.

Depois de oito anos de amadurecimento nas caves da vinícola, a bebida chega ao mercado com potencial de guarda de mais de 15 anos.

De acordo com a marca, 2015 foi um ano excepcional para o champanhe. Depois de um inverno muito ameno, a primavera começou com um período particularmente frio, seguido de altas temperaturas. No mês de junho, muito sol e pouca chuva produziram uma floração homogênea. Assim, as uvas colhidas no outono, em meados de setembro, deram origem a uma grande safra.

Embalagens colecionáveis

Para dar um toque a mais no lançamento, que não ocorre todos os anos, a Veuve Clicquot chama artistas renomados para criar embalagens que sejam icônicas e colecionáveis. Para o La Grande Dame 2015, a Veuve Clicquot contou com a colaboração da designer italiana Paola Paronetto.

A artista criou uma coleção de seis caixas que envolve tons de uma paleta de mais de 86 tonalidades, em que aperfeiçoou uma técnica que chamou de Paper Clay, que combina argila, fibra de celulose e água.

As caixas são feitas na França com fibras vegetais, sendo 60% de sua composição de cânhamo – planta pertencente à espécie Cannabis sativa -, 20% de algodão e 20% de outras plantas.

As caixas são certificadas pelo FSC (Forest Stewardship Council, ou Conselho de Manejo Florestal) e o papel que o envolve é certificado como neutro em carbono.

A designer italiana Paola Paronetto em seu ateliê / Divulgação

Em 2020, a garrafa comemorativa da safra 2012 da La Grande Dame homenageou a cor icônica da Maison – o amarelo de seu rótulo – com a visão pontilhista da artista japonesa Yayoi Kusama, que acaba de ganhar uma galeria própria no Instituto Inhotim, em Brumadinho (MG).

A La Grande Dame 2015 está à venda por R$ 2.000 em São Paulo, no Empório Santa Maria: Avenida Cidade Jardim, número 790.