Café especial: como ele fornece quimicamente sua dose diária de felicidade

Você toma o primeiro gole de café e, de repente, o mundo fica mais nítido, as cores ficam mais brilhantes e um sorriso surge em seus lábios. Nosso colunista Caio Tucunduva explica o porquê

Cafés vão além de simples bebidas, com uma interessante química que eleva nosso estado cognitivo
Cafés vão além de simples bebidas, com uma interessante química que eleva nosso estado cognitivo SnapbyThree/Unsplash

Caio Tucunduvacolaboração para o Viagem & Gastronomia

Nas primeiras horas da manhã, enquanto a cidade boceja e se espreguiça, há um ritual que transcende o mundano e flerta com o sublime. Você toma o primeiro gole de seu café favorito e, de repente, o mundo fica mais nítido, as cores ficam mais brilhantes e um sorriso surge em seus lábios.

Esta alquimia diária, embora impregnada de aromas ricos e calor reconfortante, é sustentada por uma ciência fascinante.

Cafeína: a super-heroína desconhecida

No centro dessa transformação está a cafeína — a amazona que vem para salvar o dia. Tem como alvo a adenosina, o neurotransmissor que leva você à sonolência. Ao bloquear os receptores de adenosina, a cafeína agita uma varinha mágica sobre o seu cérebro, banindo a névoa do sono e trazendo clareza e energia.

Dopamina: o mestre do humor

Mas a magia da cafeína não termina aí. Ela se aventura ainda mais, nos corredores sagrados do centro de recompensa do seu cérebro, onde libera dopamina, o maestro do humor. À medida que os níveis de dopamina aumentam, também aumenta a sua sensação de prazer e motivação. É como se seu cérebro o aplaudisse de pé, uma pequena celebração da existência a cada gole.

Serotonina: o hormônio da felicidade

Segure sua xícara, pois a influência do café é ainda mais profunda. Ele ajuda a aumentar os níveis de serotonina, o anunciado hormônio da felicidade. Esse aumento na serotonina traz uma sensação de bem-estar, transformando cada pausa para o café em miniférias do estresse da vida.

Uma sinfonia de neurotransmissores

A cafeína não é solista; ela orquestra um balé de neurotransmissores. A norepinefrina e a acetilcolina juntam-se à dança, melhorando o estado de alerta, o foco e o humor. Esta sinfonia de substâncias químicas eleva o seu estado cognitivo, preparando-o para enfrentar o dia com maior consciência e vigor.

Antioxidantes: os guardiões do cérebro

Além da explosão imediata de energia, sua xícara de café está repleta de antioxidantes. Esses heróis anônimos combatem o estresse oxidativo e a inflamação, protegendo as células cerebrais contra danos. Cada gole não é apenas um prazer passageiro; é um investimento de longo prazo na saúde cognitiva.

GABA: A reviravolta surpresa

Como se isso não bastasse, a cafeína dá um florescimento final e inesperado ao reduzir a atividade do ácido gama-aminobutírico (GABA). GABA é o neurotransmissor que diz ao cérebro para relaxar. Ao moderar a sua influência, a cafeína garante que você não está apenas acordado, mas vivo, com energia vibrante e atividade neural intensificada.

Por isso, da próxima vez que você saborear aquele momento mágico com seu café, lembre-se: não é apenas um ritual matinal. É uma dança de reações químicas cuidadosamente coreografada, uma jornada apoiada pela ciência para um melhor humor e uma mente mais aguçada. Um brinde à sua xícara de felicidade e à vida vibrante que ela alimenta.

*Os textos publicados pelos Insiders e Colunistas não refletem, necessariamente, a opinião do CNN Viagem & Gastronomia.

Sobre Caio Tucunduva

Caio Tucunduva / Divulgação

Engenheiro civil, Caio Tucunduva também é especialista e mestre em sustentabilidade pela Universidade de São Paulo. Se apaixonou pelo mundo do café quando a onda dos cafés especiais começava a dar as caras no Brasil – tendência que ele já observava no exterior, afinal sempre foi atento às tendências gastronômicas. Já especialista em hospitalidade, Caio, decidido que iria se enveredar para essa área, começou pelos cursos do Senac de barista e gestão de bares e restaurantes.

Depois formou-se como degustador e classificador de café. Também se tornou mestre de torra, fez cursos com grandes mestres e especialistas de café. Com toda essa bagagem, foi para Austrália oferecer consultoria de torra de café brasileiro e, claro, aprendeu novas técnicas, como a blendagem de café verde, umas das marcas registradas de Caio atualmente. Atento e criativo, ele desenvolveu uma técnica bastante interessante de maturação de cafés especiais em madeiras e destilados. Hoje, regularmente, percorre o país atrás de bons produtores.