JW Marriott SP inaugura jardim de ervas e busca atrair público além do corporativo

Temperos e ervas aromáticas do jardim vertical ganham os pratos, os copos e até as massagens do hotel de luxo da Zona Sul, que busca equilibrar estadias corporativas com o público voltado ao lazer

Saulo Tafarelodo Viagem & Gastronomia São Paulo

Alojado em plena Avenida das Nações Unidas, na Zona Sul, o JW Marriott São Paulo não deixa transparecer que o hóspede está em frente ao frenesi da Marginal Pinheiros. Um muro com cascata no lado externo do lobby serve como barreira contra os sons dos carros e abriga uma novidade: o JW Garden, um jardim vertical com ervas e temperos que são incorporados à experiência gastronômica, etílica e de bem-estar dos hóspedes.

O manjericão, por exemplo, perfuma a burrata com pasta de tomates tostados do Restaurante Neto e a receita de saltimboca vem com filé mignon envolto em folhas de sálvia, planta que ainda pode virar manteiga para massas. O limão siciliano é transformado em limoncello caseiro servido no fim das refeições e o alecrim, escolhido como a erva assinatura do hotel, está tanto nos mocktails do Bar Caju quanto no escalda-pés que antecede as massagens no spa.

Outras velhas conhecidas dos quintais, como hortelã, capuchinha, lavanda, pimenta, orégano e tomilho, também estão à mão dos funcionários e deixam a experiência no hotel mais aromática.

Os vasinhos com as ervas já são realidade em outras propriedades da marca pelo mundo, mas aqui eles também vêm de encontro com os diferenciais que a unidade paulistana tenta imprimir: ao mesmo tempo que almeja deixar a estadia de engravatados mais prazerosa, o hotel quer atrair cada vez mais hóspedes para além do corporativo.

Estadia relaxante

Os que desejam quebrar a rotina têm à disposição o day use, que, das 10h às 18h e com custo de R$ 400, abre as facilidades do 2º andar, onde se encontram academia, piscina aquecida, sauna e spa. Uma taça de champanhe dá as boas-vindas e o visitante tem em mãos 15% de desconto nos tratamentos.

No dia a dia, tanto hóspedes quanto clientes externos encontram no Spa by JW um antro de calmaria que impressiona estar a apenas um passo de uma das vias expressas mais movimentadas da cidade. O espaço sóbrio, com uso de mármores, tem sala de espera com chás e sucos detox à disposição para os que esperam adentrar uma das cinco salas de tratamento, sendo uma para casal.

Do menu, aposte na aromaterapia (R$ 440; 1 hora), que utiliza óleos essenciais, como o de limão, pimenta rosa, cedro e gerânio para energizar, ou o que tem breu, lavanda, laranja e gerânio para acalmar. A massagem é relaxante mesmo, daquelas com movimentos lentos, mas precisos, e com pressão à escolha do freguês.

Após o tratamento, dê uma passadinha na sauna escura com luzinhas que imitam estrelas para efeitos ainda mais tranquilizantes. Também podem estar na programação meditação com tigelas tibetanas, aulas de yoga, pilates e ballet fitness.

Quando a fome bater, desça ao Restaurante Neto e experimente as receitas italianas do chef Ícaro Rizzo oriundas de várias regiões do país da bota. Sazonal, o cardápio indica quais pratos levam ingredientes do JW Garden, que, inclusive, é ótimo local externo com poucas mesas para almoços ou jantares em dias de tempo aberto.

O almoço tem menu a preço fixo com couvert, entrada e prato principal (R$ 102). Já no jantar, além das entradas, dos crudos e dos pratos da terra ou do mar, guarde espaço para as sobremesas de confeitaria própria das mãos do chef pâtissier Thiago Dias, como a merengatta (R$ 41) com gelato feito na própria casa e manjericão do jardim.

Quando o sol se põe, o Bar Caju, no centro do saguão, é parada para coquetéis autorais e clássicos bem executados até altas horas com direito a música ao vivo. Para entrar no tema, experimente o Meu Caju (R$ 52), drinque assinatura da casa que leva gim infusionado com caju, cachaça, cajuína artesanal, falernum e cítricos.

O segundo mais pedido no balcão é o Gengibre (R$ 48), com uísque 12 anos, mel de abelha nativa, extrato de gengibre, limão siciliano e uma borrifada final de uísque da ilha escocesa de Islay, que garante um aroma defumado. É daqueles para repetir a dose. Se quiser se aventurar com sabores mais cítricos, vá de Yuzu (R$ 48), com saquê, gim, licor maraschino e cítricos.

Caso esteja hospedado, termine a noite em uma das confortáveis e elegantes suítes – se investimento em qualidade e luxo na medida certa estiverem em seu horizonte, aposte na Suíte Griffin, com acesso ainda ao lounge executivo, com comidinhas à vontade.

Os 77 m² do quarto têm direito a sala de estar separada e banheiro em mármore com banheira e pia dupla. De frente para a cama um janelão se abre para São Paulo e enquadra o skyline da Marginal para além da Ponte Estaiada.

JW Marriott SP: Negócios e lazer

Banheira com vista para São Paulo da Suíte Griffin
Banheira da Suíte Griffin com vista para a cidade / Tadeu Brunelli

Desde que abriu as portas em maio de 2022, o perfil da casa já era claro. O público-alvo do hotel se divide entre executivos de alto escalão durante a semana e tenta fisgar indivíduos a lazer nos fins de semana, como turistas de fora ou até mesmo moradores da própria capital paulista, com a premissa de ser um refúgio.

Segundo o Diretor de Vendas e Marketing do JW Marriott São Paulo, Moacyr Luti, cerca de 80% do total de hóspedes é do perfil business. Entram neste balaio grupos de brasileiros de uma mesma empresa e indivíduos americanos cuja pedida mais popular no Bar Caju é um Old Fashioned.

Eles fazem parte do recorde de faturamento do turismo corporativo brasileiro em 2023: foram R$ 13,5 bilhões, alta de 18,5% em comparação ao período pré-pandemia de 2019, segundo a Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas (Abracorp). Na hotelaria, a média de permanência do nicho subiu e foi para 2,72 noites.

Já entre os hóspedes a lazer, o hotel cinco estrelas de 258 quartos se beneficia de eventos e shows que acontecem nas redondezas da Zona Sul. Shows e jogos no Estádio do Morumbi, eventos na casa de espetáculos Vibra São Paulo e até corridas da Fórmula 1 e festivais em Interlagos ajudam a engrossar o número de visitantes.

Como o gargalo está no fim de semana, pacotes periódicos são lançados para seduzir o público, a maioria com opção de uma noite. Entre quinta a domingo há estadias com descontos de até 15% nas tarifas e apaixonados também têm pacote que oferece café da manhã no quarto, fondue de morangos e chocolates, decoração especial, espumante, kit de bem-estar, spa com tratamento para dois e mimos de manobrista e check-out tardio.

Feriados de suma importância, como o Carnaval, também estão na mira, com hospedagens de teor detox voltadas para quem busca um refúgio fora da folia – drenagem corporal e check-in antecipado estão entre as vantagens.

JW Marriott Hotel São Paulo
Avenida das Nações Unidas, 14401, Torre Hotel, Chácara Santo Antônio – São Paulo, SP – Brasil / Tel.: (11) 2526-0100 / Diárias a partir de R$ 1.600

*O jornalista ficou hospedado a convite do JW Marriott Hotel São Paulo