São Paulo: um giro gastronômico por restaurantes, museus e hotéis da cidade

Temporada especial de três episódios do CNN Viagem & Gastronomia percorre os quatro cantos da capital paulista em busca de diferentes sabores e experiências; confira endereços

Daniela Filomeno nas escadarias do Theatro Municipal, que oferece brunch aos finais de semana no Salão Dourado
Daniela Filomeno nas escadarias do Theatro Municipal, que oferece brunch aos finais de semana no Salão Dourado CNN Viagem & Gastronomia

Daniela Filomenodo Viagem & Gastronomia São Paulo, SP

Maior e mais populosa cidade do Hemisfério Sul, São Paulo é a localidade que chamo de lar junto de 11,4 milhões de pessoas. Incrível, caótica e gigante, ela pulsa uma diversidade que se reflete na gastronomia, na cultura, na hotelaria e, mais importante, em suas pessoas.

Com tamanha efervescência, nada melhor do que fazer um turismo na minha própria casa. Em São Paulo é assim: consigo viajar pelas mais diversas regiões do Brasil através de diferentes bocadas e embarcar em excursões ao redor do mundo com ajuda da arte sem sair do município.

Não é à toa que São Paulo ganhou uma temporada especial do CNN Viagem & Gastronomia. Depois de percorrer destinos nacionais e internacionais surpreendentes para a 6ª temporada, é chegada a vez de três episódios especiais em que mostro os quatro cantos da capital paulista com todas as suas nuances.

Ao longo dos novos episódios cozinho junto dos maiores chefs do país e acompanho seus projetos sociais fora da cozinha, assim como visito os mais incríveis hotéis da cidade que aliam serviço de primeira e gastronomia caprichada, percorro museus que impulsionam a cultura nacional e ainda mergulho nas comunidades de imigrantes que ajudam a construir a identidade paulistana.

Passando por restaurantes, bares, hotéis e museus, confira a seguir um giro por endereços em diferentes regiões de São Paulo que valem a pena conhecer – mesmo que você já seja um morador Pauliceia:

Da Zona Norte à Leste: os sabores diversos da cidade

Se hoje a Vila Medeiros está no radar de São Paulo é porque o chef Rodrigo Oliveira ajudou a catapultar o bairro para além da Zona Norte. Fora do eixo central da cidade, aqui reside o Mocotó, pioneiro na divulgação da comida nordestina sertaneja para o Brasil e para o mundo.

Fundada como uma casa do norte em 1973 por José de Almeida, hoje quem fica no comando é o filho Rodrigo, que serve torresmo, bochecha de porco com pirão de tucupi, carne de sol, moqueca sertaneja e rabada com xerém de milho em plena capital paulista.

Mas são os dadinhos de tapioca que seguem como ícones. “É um orgulho. Algumas pessoas podem se sentir plagiadas, mas cada vez que vejo o dadinho de tapioca em um buffet de casamento ou em botecos e restaurantes me sinto homenageado”, afirma.

Se é fã da receita, a dica é experimentar a porção original no Mocotó acompanhada por uma caipirinha com cachaça. Além das panelas, uma exposição sobre a trajetória da casa e da história de retirantes nordestinos fica em cartaz aqui até fevereiro de 2024, mas o projeto que distribui marmitas às pessoas da região continua por tempo indeterminado.

Saindo da Zona Norte e desembarcando na Zona Leste, o Cepa é outro endereço imperdível para sair do tradicional circuito paulistano e experimentar uma cozinha autoral de produto que se transforma conforme a sazonalidade.

O chef Lucas Dante e a sommelière Gabrielli Flemming estão à frente da operação e definem a casa como um “bistrô paulista”, já que reflete o sentimento cosmopolita da própria São Paulo.

Entre os pratos podemos apreciar atum cru e creme de wasabi disposto sobre azeite extra virgem; bresaola de wagyu; e língua de wagyu com quiabo e caldo de galinha que é puro umami. Para acompanhar, nada melhor do que um dos vinhos selecionados por Gabi, que garimpa rótulos biodinâmicos, orgânicos e naturais.

Não muito longe do Cepa fica o Vila Anália, complexo gastronômico de 4 mil m² com três
restaurantes, bar, confeitaria, empório e rooftop que é um deleite para quem ama gastronomia. Se não abre mão de um docinho, o Temperani Cucina, do chef Antonio Maiolica, prepara um cannoli de querer repetir a dose.

Já no último andar fica o Mii Rooftop, restaurante grego com clima de terraço a céu aberto que tem uma gastronomia refinada. As ostras com caviar e azeite acompanhadas de vinho branco deliciam o paladar, mas a felicidade domina o local com a cerimônia da quebra de pratos, um ritual grego bem típico. A diversão vem com responsabilidade: cada prato quebrado corresponde a uma marmita para a comunidade ao redor.

Para fechar a noite paulistana, nada melhor do que um boteco, instituição que faz parte da identidade da cidade. É na esquina das ruas Aspicuelta com a Girassol, na boêmia Vila Madalena, que o De Primeira resgata a informalidade e toda a gostosura de um botequim.

A chef Júlia Tricate, também por trás do restaurante De Segunda, sentia falta de gente na calçada e de leveza em estabelecimentos como este, o que a levou a abrir o espaço. Aqui o ritmo acompanha São Paulo: há pessoas na calçada, carros no trânsito logo em frente e mesinhas para abocanhar delícias em pé, como as ostras com caju, canudo com batatonese e coxinhas com creme de milho. Claro, o chope gelado nunca falta.

Cultura e gastronomia: um combo de dar água na boca

São Paulo nos presenteia com mais de 100 museus e espaços culturais, nos dando de mão beijada uma imersão pela nossa cultura e por diversas outras espalhadas pelo mundo. O programa fica ainda melhor quando a gastronomia entra em cena: restaurantes e arte resultam em uma experiência única que aflora todos os nossos sentidos.

Um bom começo pode ser no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, o MASP, que possui entrada gratuita às quintas-feiras. Ícone da arquitetura modernista no país em plena Avenida Paulista, o museu reúne hoje mais de 11 mil obras, incluindo obras-primas de Van Gogh, Renoir, Cézanne, Monet e Picasso, mas joga luz também a uma vasta coleção nacional, das Américas e da África.

Se o passeio entre os cavaletes de concreto e vidro de Lina Bo Bardi já valem a ida, dirija-se até o segundo subsolo para um deleite no A Baianeira, restaurante de comida brasileira liderado pela chef Manu Ferraz que traz à nossa mesa uma comida afetiva. É um combo ideal: experimentar o Brasil através da comida e, no mesmo prédio, através de sua arte.

Se gosta de um mirante com vistas privilegiadas, o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP) é a pedida certa. Com entrada gratuita e logo em frente ao Parque Ibirapuera, o museu tem mais de 10 mil obras e é referência em arte moderna e contemporânea em um edifício projetado por Oscar Niemeyer. No topo, um grande mirante se abre para vistas que misturam prédios altos com o verde do parque.

Lá em cima fica o Vista, restaurante e bar que ganha ainda mais charme quando o sol se põe. O bar é comandado pelo mixologista Jairo Gama, que serve receitas familiares em coquetéis caprichados usando ingredientes nacionais. As possibilidades na coquetelaria são infinitas para ele. “Você pode chegar onde quiser. Hoje, além dos coquetéis clássicos, vemos o chef de bar na mesma tendência da gastronomia, que é o mixologista fazer suas próprias receitas”, diz Jairo.

Já no centro da capital, o Theatro Municipal é uma joia paulistana que brilha há mais de um século com sua arquitetura e programação cultural. Além de peças e óperas ao longo do ano, a sugestão é conferir o brunch realizado no Salão Dourado aos sábados e domingos. É como voltar diretamente para a Bélle Époque e se deliciar com pães, tostas, docinhos e pratos que vão de picadinho de mignon à ravioli de carne assada – à noite, o Bar dos Arcos é destino para bons drinques em atmosfera sedutora.

Para coroar a agenda cultural, o emblemático Museu do Ipiranga está de volta ao circuito da cidade após nove anos de reforma. Ideal para entender nossas raízes e processos como país com itens que remontam até o Brasil colonial, o museu possui ainda um mirante em seu topo com uma visão rara em 360º da capital paulista. Depois de checar o gigantesco quadro “Independência ou Morte”, de Pedro Américo, suba e se deslumbre com São Paulo.

Do café da manhã ao jantar: hotéis com gastronomia refinada

Se a gastronomia e a cultura pulsam em São Paulo, a hotelaria também tem seu lugar cativo entre as excelentes experiências na cidade. Com alguns dos melhores hotéis do país, é possível conhecê-los também através de suas ofertas para não-hóspedes, como por seus restaurantes.

Para começar o dia com um café da manhã caprichado, aposte no Emiliano, em plena Oscar Freire, no coração dos Jardins. O hotel possui restaurante com luz natural e um jardim vertical que casa bem com seus pratos de pegada contemporânea. O hotel possui inclusive uma suíte com formato de cubo de 135 m² com piscina privativa, sala de estar, escritório e vistas 180º para São Paulo, sendo uma boa escapada na própria cidade.

Descendo a Avenida Brigadeiro Luís Antônio fica o Hotel Unique, um ícone por conta de seu desenho inusitado em forma de barco pelo arquiteto Ruy Ohtake. Na cobertura fica o Skye Restaurante e Bar, onde o chef Emmanuel Bassoleil serve uma gastronomia contemporânea do café da manhã ao jantar romântico com vista panorâmica para o Parque Ibirapuera e o skyline da Avenida Paulista. É uma ótima pedida a qualquer hora do dia.

Já na região da Bela Vista, o Rosewood, melhor hotel da América do Sul pelo 50 Best Hotels, propõe uma verdadeira imersão em obras de arte únicas de artistas nacionais e estende seu luxo sem exageros aos 160 quartos. Para almoços, o Taraz é destino certo dentro do próprio complexo da Cidade Matarazzo com pratos sul-americanos. Quem assina o cardápio é Felipe Bronze, mas quem fica no dia a dia é o chef Felipe Rodrigues, que põe à mesa pratos para compartilhar que vêm diretamente da brasa.

Dentre as seis opções de bares e restaurantes do Rosewood, guarde um espacinho para os drinques do Rabo di Galo, ótimo para emendar a noite. O bar de música ao vivo é uma obra de arte por si só, com teto pintado a mão. E nada melhor do que pedir o coquetel que leva o nome do bar, um drinque bem brasileiro para coroar a experiência.

Já o Palácio Tangará cumpre bem a missão de ser um refúgio dentro da própria São Paulo. São 141 quartos e sensação de paz e calma em todos os ambientes, muito devido aos mais de 20 mil m² de área verde do Parque Burle Marx onde está situado. A gastronomia superapurada encontra eco no restaurante Tangará Jean-Georges, do chef estrelado Jean-Georges Vongerichten. Por falar em comida, o brunch aos domingos no Pateo do Palácio carrega bastante fama, mas minha dica é o chá da tarde à beira da piscina, em que experimentamos à mesa um elegante encontro entre Brasil e França.

Na seara da elegância sem exageros, esta lista não estaria completa sem o Fasano, que acumula décadas de serviço pontual e gastronomia impecável na capital paulista, expandindo sua bandeira de qualidade para outros destinos nacionais e internacionais. Sinônimo de sofisticação, o hotel tem personalidade própria e restaurante italiano homônimo entre os melhores da cidade. Pense em polenta com gorgonzola, costeleta de vitela à milanesa com limão siciliano e, para arrematar, o tiramisù que já é marca registrada do grupo.