Primeiro cruzeiro de passageiros ao redor do mundo ocorreu há 100 anos

Museu da Carolina do Sul exibe exposição que mostra como era estar a bordo do cruzeiro através de fotos e experiências contadas por passageiras

Há 100 anos, em 1923, o primeiro navio de cruzeiro, um SS Laconia, a dar a volta ao redor do mundo retornou à cidade de Nova York após completar uma viagem de 130 dias
Há 100 anos, em 1923, o primeiro navio de cruzeiro, um SS Laconia, a dar a volta ao redor do mundo retornou à cidade de Nova York após completar uma viagem de 130 dias Cunard

Francesca Streetda CNN

Há 100 anos, em 30 de março de 1923, o primeiro navio de cruzeiro a dar a volta ao redor do mundo retornou à cidade de Nova York após completar uma viagem de 130 dias.

Esta viagem de seis meses foi a primeira desse tipo, abrindo caminho para os cruzeiros mundiais de hoje, passando por destinos como Japão, Singapura, Egito e Índia e atravessando os canais de Suez e do Panamá. A viagem ocorreu a bordo do SS Laconia, um navio de passageiros da Cunard, fretado pela American Express Company para a ocasião.

Entre os passageiros do Laconia estavam duas irmãs de vinte e poucos anos, Eleanor e Claudia Phelps. Eleanor e Claudia estavam muito entusiasmadas quando o Laconia deixou o porto em 21 de novembro de 1922, tirando fotos e anotando observações em seus respectivos diários.

Enquanto Claudia temia que seu diário fosse “morrer no meio do caminho para São Francisco” – a cidade californiana sendo apenas a segunda parada do Laconia – no final das contas, ela e Eleanor mantiveram seus registros durante a viagem de 130 dias.

Enquanto o Laconia circunavegava o globo, Eleanor e Claudia, que viajavam com a mãe, anotaram observações, colecionaram lembranças e tiraram fotos, colando-as em seus diários encadernados em couro.

Hoje, a coleção das irmãs Phelps do Laconia, que inclui seus diários de viagem, fotografias, slides e filmagens, pertence às coleções de pesquisa de imagens em movimento da Universidade da Carolina do Sul.

Na última página de seu diário de viagem, Eleanor tentou resumir a experiência, mas sentiu que não conseguiria: “Como alguém pode chegar a uma conclusão ou expressar uma opinião sobre o mundo como eu o vi em 130 dias?”, ela escreveu.

Esta fotografia do álbum de recortes Laconia de Eleanor Phelps retrata as viajantes a bordo quando o navio partiu de Nova York. A irmã de Eleanor, Claudia Phelps, está no centro da imagem / University of South Carolina MIRC

Nova era de viagens

Enquanto o Laconia foi construído para acomodar cerca de 2.200 passageiros, a American Express restringiu o número de passageiros no cruzeiro mundial de 1922-23 a apenas 450. Nenhum viajante dormiria abaixo do convés, na terceira classe. Não haveria superlotação. O objetivo era uma experiência luxuosa, estabelecendo um novo padrão de viagem para aqueles com meios.

As irmãs Phelps vinham de uma família rica da Carolina do Sul que fez fortuna com uma mistura de moinhos de farinha, porcelana fina, ferrovias e política, de acordo com Stephanie Wilds, neta de Eleanor Phelps e sobrinha-neta de Claudia Phelps.

“É tudo dinheiro de sangue azul, velha riqueza aristocrática americana”, disse Wilds à CNN.

Enquanto Wilds insiste que “não era muito dinheiro, era principalmente prestígio”, a família Phelps teve dinheiro suficiente para pagar três passagens no Laconia.

O registro inicial do diário de viagem de Eleanor Phelps / University of South Carolina MIRC

Wilds diz que a mãe de Eleanor e Claudia esperava que suas filhas conhecessem alguns solteiros elegíveis a bordo do navio – ela viu a viagem como suas filhas “sendo apresentadas” para a sociedade.

“Minha bisavó estava tentando apresentar suas filhas a pretendentes adequados”, diz Wilds.

Muito à maneira dos cruzeiros de hoje, havia muitas oportunidades para se misturar a bordo e muitos espaços para fazê-lo. Em seu diário, Claudia descreve a “charmosa sala de fumar em carvalho preto e uma sala de jantar muito bonita com vidro e prata lindamente brilhantes”.

Eleanor escreve sobre as atividades de lazer a bordo, incluindo palestras sobre a história e a linguagem dos destinos do Laconia, um “clube da câmera” – perfeito para as irmãs Phelps e seu interesse pela fotografia –, bem como um baile à fantasia e concertos clássicos.

Enquanto isso, Claudia detalha esportes como tiro ao prato a bordo, aulas de esgrima e tempo gasto na academia a bordo.

Um vislumbre dentro de uma das cabines de passageiros do SS Laconia / Cunard

Claudia e Eleanor descrevem alguma interação com outros passageiros, mas não está óbvio se elas estavam interessados em conhecer pretendentes elegíveis – o foco principal de seus diários são os países que visitam, pontuados por descrições do pôr do sol e nascer do sol em constante mudança no oceano.

O diário de Eleanor, que está disponível para visualização como parte da coleção da Universidade da Carolina do Sul, inclui recortes de jornais – um artigo do New York Times intitulado “Navio inicia ‘viagem de volta ao mundo’” – folhetos de informações aos passageiros da American Express detalhando as atividades do dia e memorabilia recolhidos nos portos, incluindo selos e cédulas.

Atravessando o Canal do Panamá

O Laconia não visitou todos os lugares da Terra – não alcançou as águas australianas, por exemplo – mas foi uma viagem diferente de todas as anteriores.

Em novembro de 1923, o Laconia foi o primeiro transatlântico a cruzar o Canal do Panamá, então com apenas uma década. Eleanor descreve acordar “na névoa da madrugada” para não perder um momento da travessia.

“O céu estava todo coberto de nuvens suaves, tingidas de cinza claro e violeta, e no mar a queda da chuva em cortinas parecia véus transparentes de prata”, escreve ela.

Outra página do álbum de recortes de Eleanor Phelps, com fotos que ela tirou no Japão / University of South Carolina MIRC

A primeira impressão de Eleanor sobre o próprio canal foi “a beleza dele”. Ela escreve sobre “a limpeza e o acabamento do trabalho de concreto, o frescor do verde, o efeito artístico do planejamento e a evidente preocupação com as curvas de nível no traçado de casas e ruas”.

Em seu diário, ela colou um folheto informativo, datado de novembro de 1922, que descreve a construção do Canal do Panamá e as distâncias economizadas pelos navios que fazem essa rota.

Outros destaques incluem a descrição de Claudia de seu primeiro vislumbre do Monte Fuji, no Japão: “Seu cone perfeito, coberto de neve, brilhando em um ouro suave através da névoa. Não consigo imaginar uma vista mais encantadora do que a nossa primeira e agora sei por que os japoneses o consideram sagrado”, escreve ela.

Frequentemente, Eleanor e Claudia lutam para encontrar as palavras. Eleanor diz que suas expectativas em relação ao Taj Mahal da Índia eram “altas, mas tão superadas que não há palavras, nem meios de expressão possíveis”.

Ela conclui: “Nada poderia fazer justiça e por isso não vou tentar”.

Fotografia impressionante de Darjeeling, na Índia, colada no álbum de recortes de Eleanor Phelps / University of South Carolina MIRC

Em cada porto, a American Express ofereceu aos passageiros do Laconia excursões e passeios guiados, estadias em hotéis locais e a oportunidade de absorver a cultura local.

Claudia escreve sobre Darjeeling, na Índia: “Subimos por florestas depois de passar por uma aldeia, obtendo vistas deslumbrantes dos vales banhados em luz prateada e com véus de prata roçando as montanhas. Chegamos ao topo assim que amanheceu, tomamos café e subimos a torre de observação redonda para ver o sol nascer”.

Um “legado de viagem”

Como americanas ricas viajando em 1923, as observações das irmãs Phelps às vezes são chocantes para um leitor moderno, mas a neta e sobrinha-neta Stephanie Wilds argumenta que, no geral, as irmãs viajaram com uma “mente aberta”.

“Aprecio a curiosidade e a tolerância delas. Elas apenas abordaram as coisas com muito bom humor, na maioria das vezes”, diz ela. “Eu só acho isso maravilhoso. Acho que é assim que as pessoas devem viajar, curiosas, mente aberta, tolerantes. É assim que devemos abordar o mundo”.

Wilds era próxima de sua tia-avó Claudia, a quem ela diz ter mantido essa atitude ao longo de sua vida e inúmeras viagens.

A página de título do diário de Eleanor Phelps. O documento agora é propriedade da Universidade da Carolina do Sul / University of South Carolina MIRC

“Ela tinha um grande senso de humor e uma boa dose de humanidade – e por isso não se preocupava com o quão confortável ela estava ou o quão bem ela era tratada. Ela estava realmente olhando para as pessoas”, diz Wilds.

Quando criança, Wilds ficou encantada com as histórias que Claudia compartilhou sobre a viagem a bordo do Laconia.

“Ela se lembrava de muitos pequenos detalhes de crianças brincando e encantadores de serpentes, e ela amava animais, então ela nos contou tudo sobre andar de camelo e andar de elefante. Foi isso que ela conseguiu, ela adorou a experiência cultural”.

Mas, embora Wilds se lembre de ter ouvido essas histórias quando criança e se maravilhado com as lâminas de vidro em exibição na casa de Claudia, foi somente quando sua tia-avó faleceu na década de 1980 e Wilds herdou as memorabilias de Claudia e Eleanor que ela apreciou totalmente a herança.

Wilds adora especialmente suas fotografias e slides – ela não tem certeza de como a irmã Phelps se tornou uma grande fotógrafa, mas ela também tem uma “selfie” precoce de sua tia-avó, tirada com uma câmera box quando ela tinha cerca de 16 anos.

Olhando as fotos e os diários como adulta, Wilds também é mais capaz de considerar a interessante conjuntura em que ocorreu a viagem de 1922-1923 do Laconia.

Há 100 anos, em 1923, o primeiro navio de cruzeiro, um SS Laconia, a dar a volta ao redor do mundo retornou à cidade de Nova York após completar uma viagem de 130 dias / Cunard

O cruzeiro surgiu poucos anos depois que o mundo e suas fronteiras foram interrompidos pela Primeira Guerra Mundial. O Laconia parecia inaugurar uma nova era – naquele inverno, vários outros navios de passageiros seguiram o Laconia em viagens mundiais subsequentes.

Mas este também foi um momento fugaz no tempo. Menos de 20 anos depois, o cruzeiro de passageiros foi interrompido pela Segunda Guerra Mundial. O SS Laconia foi requisitado para o esforço de guerra britânico e foi afundado na costa da África Ocidental em 1942.

Enquanto as viagens de cruzeiro recomeçaram no pós-guerra, Wilds vê a viagem de 1922-1923 do Laconia como um momento específico da história.

“Eram os loucos anos 20”, diz ela. “Era aquela janela maravilhosa”.

Wilds diz que as irmãs Phelps deixaram para sua família um “legado de viagem”. Ela relembra com carinho uma viagem de infância com sua tia-avó Claudia pelo Mediterrâneo. E Wilds também experimentou viagens de cruzeiro, incluindo a travessia do Atlântico no navio de cruzeiro Queen Elizabeth II.

“Meu irmão mora no Japão. Todos nós já viajamos pelo mundo. Minha mãe já esteve na Indonésia provavelmente meia dúzia de vezes”, acrescenta Wilds.

Hoje, quando ela fala sobre o tempo de sua família no Laconia, Wilds diz que recebe reações mistas. Algumas pessoas são fascinadas por uma visão sobre as viagens de 100 anos atrás, outras veem os diários e as fotografias como remanescentes infelizes de uma época em que as viagens eram principalmente restritas a viajantes brancos ricos.

“É uma espécie de coisa de classe”, diz Wilds.

Mas Wilds acha que os diários de viagem e as fotografias de Eleanor e Claudia oferecem uma visão fascinante das viagens nos anos que passaram. Ela estava animada para doar os documentos para a Universidade da Carolina do Sul há alguns anos.

“Sempre fico satisfeita por elas terem estado no Laconia e por terem essa experiência e por poderem compartilhar esse legado. E aqui, 100 anos depois, ainda estamos falando sobre isso. Eu acho isso maravilhoso”, diz ela.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original