Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Márcio Gomes

    Márcio Gomes

    Jornalista com mais de 30 anos de carreira, foi correspondente internacional e apresenta o CNN Primetime - mas sem deixar de fazer o que mais gosta, ir pra rua contar histórias!

    Tóquio é a cidade com maior número de restaurantes premiados do planeta

    Capital japonesa tem culinária diversa e com preços acessíveis

    Tóquio é a cidade com maior número de restaurantes premiados do planeta
    Tóquio é a cidade com maior número de restaurantes premiados do planeta

    No bairro mais movimentado da capital japonesa, o expediente continua depois do trabalho. Turistas e “salary men”, como são conhecidos os trabalhadores locais, se encontram num local que concentra pequenos bares.

    A rua estreita e sinuosa, batizada de Omoide Yokocho, representa o que havia ao fim da Segunda Guerra Mundial.

    Tóquio estava destruída, e a pequena estrutura desta rua deu lugar a pequenos bares e restaurantes sem requinte, mas que moldaram uma nação.

    O japonês cresce aprendendo que não pode desperdiçar nem menosprezar nada. Especialmente quando se fala em comida. O país é composto por ilhas, ou seja, há uma noção de limite para se encontrar alimento.

    Além disso, tem a história de sacrifício e dificuldades que esse país e essa gente já enfrentaram. E tudo isso fica evidente em ruas como a Omoide Yokocho.

    Tem restaurante que serve apenas miúdo de boi. O aviso fico logo na porta, para não pegar ninguém de surpresa. Mas pode ser carne de baleia. Sashimi de cavalo – isso mesmo: carne crua de cavalo.

    Márcio Gomes experimenta carne de cavalo em Tóquio / CNN

    Confesso que no tempo em que morei no Japão (entre 2013 e 2018) já havia experimentado cavalo. E tinha gostado, uma carne macia, com sabor suave. Desta vez… sobrou no prato.

    Mas por toda a cidade, as opções são muito variadas. Há um estilo de restaurante que se “robatay” em que tudo vai ao fogo, grelhado na sua frente. Nessa última viagem, estivemos em um deles, no bairro notívago de Roppongi.

    O ambiente é animado e, comendo aos poucos, bebendo com amigos, a gente perde a hora. E quase perde a carteira também, pois a conta pode ser bem salgada no fim.

    Para quem quiser comer mais barato, a opção é enfrentar a fila longa para experimentar um lámen. Há restaurantes estrelados que servem lámen em Tóquio. Ou um tempurá, um camarão empanado frito feito na hora.

    Também não se gasta muito dinheiro voltando ao tempo de criança e provando um crepe de chocolate e banana no agito do bairro jovem de Akihabara. E ainda aproveita e mata a saudade de vídeo-games retrô na Mandarake.

    Já para os mais exigentes, Tóquio também tem muitas opções. A capital japonesa é a cidade com maior número de restaurantes premiados do planeta.

    O chef Yoshihiro Narisawa, que tem duas estrelas Michelin, foi um dos pioneiros em buscar ingredientes regionais, de pequenos produtores, se preocupando com o meio ambiente.

    O salão do seu restaurante tem apenas dezesseis lugares e um cardápio sazonal.

    Restaurante tradicional em Tóquio / CNN

    “Os ingredientes ficam à disposição na natureza por um período muito curto, três meses no máximo. Assim, corremos sempre atrás do que está mais fresco e mudamos o cardápio conforme encontramos novos produtos, com a chegada de uma nova estação”, explica o chef.

    O cardápio é renovado conforme o que tem disponível na natureza. “O cardápio não vem primeiro, são os ingredientes da estação que vêm primeiro, definindo o que será servido aos clientes”, pontua Narisawa.

    Mas isso não é limitante na hora de criar os pratos. As onze opções no menu degustação do restaurante apresentam uma grande variedade. Atum e lagosta de Kanagawa, arroz de Quito, enguia de Aichi, carne de Hyogo. Um mosaico de cores, texturas, cheiros e sabores.

    Prato com ingredientes de diversas regiões do Japão / CNN

    Mesmo com a fama, o chef premiado ainda viaja para explorar o país e variar o cardápio. “O mapa do Japão é comprido, assim, possui climas frio e quente, regiões montanhosas, florestas, uma costa bem extensa”, explica Narisawa.

    E num país onde o ritmo de trabalho é acelerado, os funcionários do restaurante também contam com um benefício. O salão fecha às oito da noite, para que todos possam ir cedo para casa e ficar com a família.

    A culinária japonesa é um atrativo para turistas e cabe em todos os bolsos. As opções são muitas, de lugares simples, como a turística Omoide Yokocho, até salões sofisticados, a fartura de sabores e a variedade de pratos explicam porque Tóquio é a capital mundial dos restaurantes premiados.