Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Raquel Landim

    Raquel Landim

    Com passagens pelos principais jornais do país como repórter especial e colunista, recebeu o prêmio “Jornalista Econômico” de 2022 pela Ordem dos Economistas do Brasil

    Após ser cobrada por Lula, Nísia demite secretário e diretor de gestão hospitalar

    Crise nos hospitais no Rio foi uma das críticas que Lula fez a Nísia na reunião ministerial desta segunda-feira (18)

    Após ser cobrada por Lula, Nísia demite secretário e diretor de gestão hospitalar
    Após ser cobrada por Lula, Nísia demite secretário e diretor de gestão hospitalar

    Depois de ser cobrada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a ministra da Saúde, Nísia Trindade, demitiu o secretário de Atenção Especializada, Helvécio Magalhães, e o diretor do Departamento de Gestão Hospitalar, Alexandre Telles.

    Segundo apurou a CNN, as exonerações de ambos serão publicadas em breve no Diário Oficial da União. Magalhães havia assumido no fim de semana um comitê gestor especial para os hospitais cariocas.

    Ele, no entanto, foi retratado pelo “Fantástico” (TV Globo) como um dos responsáveis por apadrinhamentos e nomeações em hospitais federais.

    Magalhães será substituído interinamente por Nilton Pereira, diretor do Departamento de Atenção Hospitalar, Domiciliar e de Urgência. Pereira fica, portanto, encarregado de gerir o novo comitê.

    O Ministério da Saúde ainda não confirmou a saída do atual secretário, mas admitiu publicamente a demissão do diretor de Gestão Hospitalar, Alexandre Telles. Segundo a pasta, ele será substituído pela superintendente da pasta no Rio de Janeiro, Maria Aparecida Braga, que passa a acumular funções.

    A crise nos hospitais no Rio foi uma das cobranças que Lula fez a Nísia na reunião ministerial desta segunda-feira (18) em Brasília. O presidente também reclamou da epidemia de dengue, das mortes dos ianomâmis e das reclamações do Centrão.

    Conforme revelou a CNN, a ministra se emocionou e chegou a chorar, sendo amparada pela primeira-dama Janja da Silva.