A crise da Covid-19 está mostrando um investidor brasileiro mais maduro?


Fernando Nakagawa
Por Fernando Nakagawa, CNN  
09 de junho de 2020 às 18:24 | Atualizado 10 de junho de 2020 às 06:53

O mundo econômico acompanhou praticamente em tempo real o avanço da pandemia do novo coronavírus. Na era da informação, foi possível ver cada passo do vírus que saiu da China e semanas depois fazia vítimas na Europa e Américas. No mercado, muitos ficaram incrédulos com a queda dos preços. Apesar disso, a reação do investidor pessoa física no Brasil foi racional e muitos seguiram à risca a dica de ouro do mercado: comprar na baixa.

Em meio às reflexões sobre a pandemia, o comportamento racional do pequeno investidor foi destacado positivamente pelos convidados do programa Carteira Inteligente desta semana.

“Acredito que estamos vivendo uma mudança de paradigma no Brasil. Os estrangeiros saíram e o investidor individual entrou via ações e em fundos. É importante porque historicamente a pessoa física é a primeira a sair e a última a entrar", diz Fernando Ferreira, estrategista-chefe da XP Investimentos. "Agora, eles estão fazendo o que deve ser feito: comprar na baixa.”

Veja também:
Pandemia faz o brasileiro voltar a olhar a poupança com carinho. Faz sentido?
Como e quando diversificar e investir no exterior
Como lucrar com o sobe e desce do mercado financeiro

Com a inversão da curva de casos na Ásia, Europa e Estados Unidos, o mundo econômico começa a respirar e, para muitos, já começou a caminhada para voltar à normalidade. Nessa retomada, fica claro que a pandemia mudou o mundo, mas também alterou a maneira que muitos economistas pensam.

“Sempre é um momento de reflexão para entender o que é útil. A crise traz uma oportunidade de ampliar a educação financeira. As famílias também têm usado esse momento para repensar os gastos”, diz Rafaela Vitória, economista-chefe do Banco Inter. “As famílias têm feito a reflexão sobre o que elas querem gastar. Temos visto que a renda não caiu tão rápido como consumo”, destaca, ao comentar que uma das reações à crise do brasileiro é o aumento da poupança. 

Para Ferreira, a crise pode gerar algumas consequências ruins, como uma economia menos globalizada, com visões mais opostas. “Mas a crise ensina que toda a parte de tecnologia e o varejo online, por exemplo, veio para ficar”, diz estrategista-chefe da XP.

Para o investidor, é importante entender esse quadro para se posicionar melhor para esse novo futuro: e é sobre isso que Rafaela Vitória, do Banco Inter, e Fernando Ferreira, da XP, falam nesta edição do Carteira Inteligente.

 


Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook