Reabertura de lojas não atingiu expectativas, avaliam Alshop e FecomercioSP


Da CNN
12 de junho de 2020 às 14:15 | Atualizado 12 de junho de 2020 às 14:16

Em entrevista à CNN,  Guilherme Dietze, assessor econômico da FecomercioSP e Nabil Sahyoun, presidente da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) fizeram um balanço do primeiro dia de compras em fisicas. Ambos os representantes avaliaram a movimentação como positiva, mas não o suficiente para recuperar os prejuízos causado pela pandemia do novo coronavírus.

"Há diversos fatores para estas compras, mas o importante é que as pessoas estão respeitando, de alguma forma os protocolos de abertura. Obviamente estes três dias de abertura não são suficientes para recuperar o que perdemos durante a quarentena, mas já dá um ânimo para os empresários", disse Dietze.

Já para Sahyoun, o movimento não atendeu as expectativas do setor. Entretanto, ele espera que o as compras sejam melhores nesta sexta-feira (12), Dia dos Namorados. "Nós tivemos um primeiro dia de uma expectativa positiva e o que nós percebemos foi a alegria a das pessoas em estarem de volta. O movimento não aconteceu como a gente esperava, o público não chegou a alcançar o limite do shopping, ficando por volta de 17% da capacidade. No geral, as lojas de varejo tiveram um desempenho bem modesto", acrescentou.

Leia também:
Reabertura é precoce e pode gerar novo pico de Covid-19, diz Dimas Covas
Shoppings pedem cautela à população de São Paulo

Os dois representantes do setor fizeram críticas ao horário de funcionamento dos empreendimentos. O ideal, segundo eles, seria buscar a ampliação do horário para que o empresário consiga 'pagar a conta no fim do mês'.

"Houve o diálogo com a prefeitura e chegamos no acordo de funcionar inicialmente por quatro horas. É pouco, mas necessário e adequado para, principalmente, não sobrecarregarmos o transporte público nos horários de pico. É um alívio relativo, preferimos ter o empresário com as portas abertas por quatro horas do que manter sua porta fechada. Vamos manter o diálogo com a prefeitura para conseguir, aos poucos, para conseguir ampliar o horário de abertura", explicou Guilherme.

"O que nos preocupou muito foi a demora com antecipação da volta e isso nós conseguimos. Por outro lado, essa abertura de quatro horas não vai fechar a conta do lojista, é prejuízo na certa. E uma informação positiva que tivemos hoje é que o número de leitos de UTI na capital está com novas vagas. O que nós podemos fazer a partir da semana que vem, é estabelecer um pleito de 6 horas ou 8 horas. Trabalhando de 12h às 20h não terá nenhum problema de prejudicar o transporte. Precisamos trabalhar para ter a elasticidade deste horário", concluiu Sahyoun