Como financiar um imóvel sem dor de cabeça e pagar menos juros


Fernando Nakagawa
Por Fernando Nakagawa, CNN  
13 de julho de 2020 às 08:00 | Atualizado 20 de julho de 2020 às 12:05

As semanas de isolamento social e o sucesso do home office têm levado muita gente a olhar anúncios de imóveis com o sonho de uma casa maior. O passeio pelas centenas de fotos e plantas dos anúncios sempre vem com a dúvida: como vou pagar isso? Para entender como fazer e evitar dor de cabeça, o Carteira Inteligente dessa semana discute com dois especialistas o passo-a-passo de como financiar uma casa e evitar ciladas.

Ao contrário do que muita gente pensa, o processo de comprar uma casa deve começar no banco – e não na construtora ou imobiliária. Isso acontece porque é preciso saber com precisão a sua capacidade financeira.

Calculadoras das instituições financeiras mostram qual valor máximo do imóvel que você pode financiar conforme o seu salário e dinheiro disponível para a entrada, explica o fundador da plataforma de comparação de juros Melhortaxa, Rafael Sasso.

Veja também:
Veja como usar milhas e aproveitar serviços que custariam caro para o seu bolso
A ganância é o caminho para o fracasso de um investidor – e a impaciência também
Pandemia faz o brasileiro voltar a olhar a poupança com carinho. Faz sentido?

Para escolher o banco que você fará esse financiamento, você deve comparar as taxas de juros praticadas entre os bancos. Para isso, você deve comparar a taxa anunciada como “CET”, sigla para Custo Efetivo Total. Esse é o juro real que você pagará todo mês e é maior do que a taxa anunciada pelo banco porque ele adiciona outros custos, como o seguro da operação. 

Os dois especialistas dizem que é preciso escolher com calma porque esse financiamento – que soma centenas de milhares de reais e pode durar mais de 30 anos – será, provavelmente, o maior empréstimo da sua vida.

Outra dica importante é entender as diferenças entre os dois principais tipos de financiamento existentes hoje no mercado brasileiro: 1) o que segue a TR (Taxa Referencial) ou 2) o que a segue a inflação, especialmente o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). 

O diretor de negócios imobiliários do Santander Brasil, Sandro Gamba, diz que a primeira opção tem juros maiores, mas dá mais previsibilidade sobre as parcelas no futuro porque a TR tem uma regra estabelecida e sofre menos influência das variações da economia. Essa previsibilidade é importante se você pretende quitar a operação em muitos anos, 

Já o financiamento que segue a inflação tem a vantagem de juros menores, mas, por seguir a inflação, tem um comportamento mais volátil – já que a inflação pode oscilar inesperadamente. Essa opção pode ser boa para quem tem uma boa reserva de emergência ou pretende pagar o empréstimo em poucos anos.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook