Por que a vitória do governo Trump sobre a Huawei pode ser ruim para o TikTok


Brian Fung, do CNN Business
16 de julho de 2020 às 13:09
Logotipo do TikTok

Logotipo do TikTok (6/3/2020)

Foto: REUTERS/Andrew Kelly

Uma semana depois de dizer que seu governo estava "considerando” banir o aplicativo de vídeos curtos TikTok nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump em pessoa conseguiu também frustrar os planos de expansão de outra empresa de tecnologia afiliada à China, a Huawei.

“Convencemos muitos países, e eu próprio fiz isso pessoalmente na maioria dos casos, a não usar a Huawei, porque achamos que isso é um risco à segurança”, disse Trump em entrevista coletiva na Casa Branca na terça-feira (14).

Mais cedo, naquele mesmo dia, o governo do Reino Unido revelou que estava revertendo uma decisão para permitir que a Huawei erguesse partes de sua nova rede móvel 5G no país. Com o anúncio, qualquer equipamento 5G existente da Huawei deve ser removido – praticamente eliminando a empresa de um importante mercado ocidental.

Leia também:
Estamos em meio a uma nova guerra mundial: a da tecnologia
Influenciadores de economia se adaptam ao TikTok para ir 'onde o público está'
TikTok se distancia de Pequim após Índia banir aplicativo

A revogação no Reino Unido é, pelo menos, uma vitória simbólica para uma Casa Branca que às vezes luta para convencer aliados dos alegados riscos à segurança do uso da tecnologia chinesa. ]

E, agora, isso pode encorajar Trump a tomar a decisão se deve ou não banir o TikTok, um aplicativo que alguns legisladores alegam ser uma ameaça à segurança nacional – mesmo que especialistas digam que há pouca evidência concreta disso. (Uma tentativa de Trump de proibir o TikTok tem antecedentes: no início deste mês, a Índia disse que vai banir o aplicativo, entre outros, após um confronto sangrento na fronteira envolvendo forças indianas e chinesas.)

A Huawei e o TikTok operam em linhas de negócios muito diferentes: uma é uma empresa de telecomunicações que lida com uma cadeia de suprimentos global complicada e a outra é um aplicativo de mídia social amado por adolescentes. Mas a experiência do fabricante de equipamentos de telecomunicações com o governo Trump sugere o que pode estar reservado para o aplicativo.

Essa experiência inclui críticas públicas feitas por integrantes do alto escalão do governo, uma maior investigação da parte regulatória e até mesmo uma legislação que tenta bloquear o fabricante fora do mercado norte-americano. Nos EUA, o TikTok já foi teve mais de 165 milhões de downloads.

Em um comunicado, Michael Beckerman, chefe de política pública do TikTok nos EUA, disse que há muita “desinformação sobre o TikTok no momento”. A empresa “armazena dados de usuários dos EUA na Virgínia, com backup em Cingapura, e trabalhamos para minimizar o acesso entre regiões”, afirmou. “Nós queremos conversar com legisladores que desejam entender nossa empresa”.

O TikTok se esforçou para se distanciar da China, escolhendo recentemente um norte-americano como novo CEO e argumentando que armazena dados de usuários norte-americanos em servidores baseados nos EUA. Também anunciou possíveis mudanças em sua estrutura corporativa que poderia enfatizar ainda mais sua independência de sua controladora chinesa, a ByteDance.

A Huawei não respondeu a um pedido de comentário para esta reportagem, mas negou de forma consistente que representa um risco de espionagem. A empresa tem insistido que faria objeção a qualquer tentativa do governo chinês de adquirir os dados de seus clientes.

Os EUA tomaram várias medidas para congelar a Huawei no seu mercado interno. Na quarta-feira (15), o Departamento de Estado disse que impôs restrições de visto a funcionários de algumas empresas de tecnologia chinesas, incluindo a Huawei.

No ano passado, o governo dos EUA colocou a Huawei em uma lista de observação do Departamento de Comércio, impossibilitando as empresas norte-americanas de fazer negócios com a Huawei sem cláusulas de renúncia. O departamento também restringiu as agências federais de usar equipamentos da Huawei. Já a Federal Communications Commission proibiu as operadoras de telefonia móvel dos EUA de comprar produtos ou serviços da Huawei usando fundos reservados para agências do governo. Separadamente, os EUA processaram a Huawei por alegações de roubo de segredo comercial, acusações que a empresa chamou de “infundadas e injustas.”

Comparado à Huawei, o TikTok pode parecer uma operação completamente diferente. Mais importante ainda, ele não tem acesso a redes críticas de infraestrutura essenciais para a segurança nacional, como explicou James Lewis, especialista em segurança cibernética do Center for Strategic and International Studies (Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais).

Mas o TikTok coleta informações pessoais de muitos norte-americanos, dados que, de acordo com legisladores como os senadores Chuck Schumer, Tom Cotton e Josh Hawley, poderiam prejudicar a segurança nacional se caíssem nas mãos de governos estrangeiros hostis. Com isso em mente, legisladores como o senador Hawley propuseram proibir o TikTok de dispositivos do governo dos EUA.

Embora o governo dos EUA esteja dentro do seu direito de definir políticas federais para locais de trabalho em relação ao TikTok, é menos claro como ele pode forçar os estados ou o setor privado a seguir o exemplo – embora talvez isso nem seja necessário. Pelo menos uma empresa, a Wells Fargo (WFC), já pediu aos funcionários para não instalar o TikTok nos dispositivos corporativos.

Para manter o TikTok fora das lojas de aplicativos dos gigantes tecnológicos dos EUA, Trump poderia tentar colocar o aplicativo na mesma lista de observação do Departamento de Comércio em que colocou a Huawei. No entanto, Lewis disse que a mudança poderia ser legalmente complicada, já que entidades listadas ali são aquelas que violam leis ou regras sobre comércio, controle de armas ou roubo de propriedade intelectual. Há pouca evidência vinculando o TikTok a esse tipo de conduta.

Ainda não está totalmente claro o que o governo Trump pode tentar fazer com o TikTok, mas há uma hostilidade claramente bipartidária em relação ao aplicativo. Isso levou o TikTok a expandir rapidamente sua presença em Washington. Beckerman disse que a empresa está aumentando sua equipe na região e criando os chamados “Centros de Transparência” na capital do país e em Los Angeles “para que legisladores e especialistas convidados possam ver por si mesmos como moderamos o conteúdo e mantemos seguros os dados de nossos usuários.”

Ainda assim, pouca coisa costuma atrapalhar os legisladores quando há foco e determinação em algum tema. Essa é uma lição que a Huawei aprendeu, mesmo depois que seus parceiros comerciais (dos grandes e poderosos aos pequenos e rurais) avisarem que seria extremamente caro remover os equipamentos da empresa chinesa.

O que o TikTok tem que a Huawei não tem é uma base de usuários culturalmente significativa e politicamente ativa. Mas só porque os usuários do TikTok parecem ter conseguido atrapalhar um comício da campanha de Trump uma vez, isso não significa necessariamente o tipo de influência que importa dentro da Casa Branca.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook