Aquisição da Oi por concorrentes vai afetar leilão do 5G, diz presidente do Cade


Raquel Landim
Por Raquel Landim, CNN  
29 de julho de 2020 às 22:12 | Atualizado 29 de julho de 2020 às 23:27

O presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Alexandre Barreto, afirmou em entrevista exclusiva à CNN que uma eventual redução do número de operadoras de telecomunicações no país vai ter repercussão no leilão de 5G no ano que vem.

Nesta quinta-feira (28), um consórcio formado por Vivo, Claro e Tim elevou a oferta pela operação de telefonia móvel da concorrente Oi para R$ 16,5 bilhões. A Oi, que está em recuperação judicial, também negocia com a novata Highline.

Leia também:

Vivo, Claro e Tim voltam à cena e oferecem R$ 16,5 bi pela Oi Celular

A Oi não está sendo fatiada e o futuro dela é a fibra ótica do 5G, diz CEO

Negócio entre Highline e Oi pode aumentar competição no 5G

Como a venda da Oi para a Highline pode mudar o setor de telefonia e suas ações

“Se ocorrer uma redução do número de operadoras, teremos menos players disputando os espectros leiloados pelo governo no 5G. É mais um fator que exige a nossa atenção”, disse Barreto.

Ele evitou fazer um pré-julgamento sobre a operação, mas deixou claro sua preocupação com a possibilidade de as concorrentes comprarem e dividirem a Oi.  As quatro operadoras já operam com participações de mercado próximas ou superiores a 20%, que é um patamar que exige a atenção das autoridades de defesa da concorrência.

“Caso se concretize o que vem se anunciando, vai exigir do Cade uma análise pormenorizada para impedir que o arranjo pós-operação seja ainda mais concentrado e, principalmente, prejudicial ao consumidor”, disse o presidente do Cade.

Barreto admitiu que, em momento de crise como o atual, é normal um movimento de concentração no mercado, com empresas financeiramente mais sólidas adquirindo concorrentes problemáticas. 
Mas frisou que, no caso das telecomunicações, a pandemia do novo coronavírus até aumentou a demanda por alguns serviços, como a banda larga para a Internet.

Na próxima semana, as empresas interessadas nos ativos da Oi precisam fazer uma pré-oferta que vai definir quem terá a preferência de compra no leilão previsto para ocorrer até janeiro de 2021.

Orelhão da Oi

Orelhão da Oi

Foto: Reuters/Ricardo Moraes