Amazon dobra o lucro e fica perto de 'clube exclusivo': 1 milhão de funcionários


Marcelo Sakate, do CNN Brasil Business, em São Paulo
30 de julho de 2020 às 18:48 | Atualizado 30 de julho de 2020 às 20:51
Caixa de encomenda da Amazon

Amazon acelera o crescimento com a pandemia: vendas líquidas sobem 40% no segundo trimestre

Foto: Mike Segar/REUTERS

O gigantismo da Amazon deve fazê-la ingressar nos próximos meses em mais um clube seleto do mundo dos negócios: o de empresas com 1 milhão de funcionários.

A revelação foi feita nesta quinta-feira (30) com a divulgação dos resultados da gigante de tecnologia, vendas online, serviços na nuvem e produção de conteúdo.

"Criamos mais de 175 mil vagas desde março e estamos em processo de trazer 125 mil desses trabalhadores para posições em tempo integral", escreveu Jeff Bezos, fundador e CEO da Amazon, no comunicado ao mercado com as informações trimestrais da companhia.

Leia também:
Jeff Bezos, da Amazon, acaba de estabelecer um novo recorde em sua fortuna
CEOs de Amazon, Apple, Facebook e Google depõem nos EUA; veja como foi
iPhone para todos: resultados da Apple surpreendem Wall Street

Com tantas contratações, a Amazon chegou a 876.800 funcionários em tempo integral no mundo ao fim de junho. Na comparação com o total em junho de 2019, houve um crescimento de 34%.

No segundo trimestre, o quadro pessoal aumentou em "apenas" 36.400 funcionários em tempo integral, o que significa que o total de empregados da gigante de Seattle ainda vai crescer nos próximos meses ao incorporar a quantidade citada por Bezos (os 125 mil profissionais).

Apenas duas empresas estão no seleto clube de empresas com mais de 1 milhão de funcionários do mundo, segundo dados do site Statista. A rede varejista americana Walmart, com 2,2 milhões de empregados. E a petrolífera China National Petroleum, com 1,38 milhão de profissionais.

Trimestre atípico

O homem mais rico do mundo, com um patrimônio de US$ 180 bilhões até a quarta-feira (29), destacou o resultado atípico provocado pela pandemia do novo coronavírus, que fechou as lojas físicas e obrigou milhões de pessoas a ficar em casa, consumindo os serviços e produtos da empresa.

"Este foi outro trimestre (de crescimento) elevado incomum, e eu não poderia estar mais orgulhoso e grato aos nossos funcionário ao redor do mundo", afirmou Bezos.

As vendas líquidas cresceram 40% de abril a junho, para um total de US$ 88,9 bilhões, na comparação com o mesmo período do ano passado. O lucro líquido dobrou, saltando de US$ 2,6 bilhões para US$ 5,2 bilhões na mesma base de comparação.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook