iPhone vale mais que petróleo: Apple é a empresa mais valiosa do mundo


Do CNN Brasil Business, em São Paulo
31 de julho de 2020 às 19:04 | Atualizado 31 de julho de 2020 às 19:11
O celular iPhone, da Apple

O celular iPhone, da Apple: empresa ultrapassou o valor de mercado de US$ 1,8 trilhão 

Foto: Tatyana Makeyeva/Reuters (28.set.2019)

A Apple continua sem perder o brilho, mesmo com a pandemia – e está brilhando mais do que as outras na bolsa de valores. O resultado do seu balanço trimestral, divulgado na última quinta-feira (30), surpreendeu os analistas e fizeram os papéis dispararem no pregão desta sexta-feira. No fechamento da bolsa de Nova York, a companhia teve uma valorização de 10,5% no preço de suas ações.

Isso foi o suficiente para a companhia chegar a um valor de mercado de US$ 1,817 trilhão – deixando bem para trás rivais como Amazon (US$ 1,585 trilhão), Google (US$ 1,010 trilhão) e Facebook (US$ 723 bilhões). Isso significa que, hoje, a Apple é a empresa mais valiosa do mundo. 

A Saudi Aramco, que foi a empresa de capital aberto mais valiosa desde a listagem no ano passado, tinha valor de mercado de US$ 1,760 trilhão, com base no preço das ações no fechamento do último pregão, segundo dados da Refinitiv.

Leia também:
Amazon, Apple, Facebook e Google 'ignoram' pandemia e lucram mais
Amazon se aproxima de novo 'clube exclusivo': 1 milhão de funcionários

Depois que a Apple recomprou US$ 16 bilhões em ações no trimestre encerrado junho, a empresa possuía 4.275.634.000 ações em circulação em 17 de julho, segundo o documento.

Com a alta desta sexta-feira, a Apple acumula valorização de cerca de 40% no ano, com investidores apostando que ela e outras grandes empresas de tecnologia dos EUA emergirão da pandemia de coronavírus mais fortes do que as rivais menores.

No balanço trimestral, a Apple anunciou um desdobramento de ações de uma para quatro que entrará em vigor em 31 de agosto. O desdobramento será o primeiro da Apple desde 2014.

(Com informações da Reuters)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook