Apple diz que não quer comprar o TikTok e deixa o caminho livre para a Microsoft


CNN Brasil Business, em São Paulo*
04 de agosto de 2020 às 16:35
TikTok

 

Foto: Reuters/Florence Lo

A Apple disse nesta terça-feira (4) que não tem interesse em adquirir o TikTok, negando o que disse uma reportagem do site Axios do início do dia. 

O site, citando fontes, afirmou que a fabricante do iPhone mostrou interesse em comprar a empresa de propriedade da ByteDance.

Leia também:
Trump diz que, se empresa americana não comprar TikTok, app será banido dos EUA
iPhone vale mais que petróleo: Apple é a empresa mais valiosa do mundo

A Microsoft está empenhada nas negociações para adquirir o popular aplicativo de vídeo, com um prazo de 45 dias imposto pelo governo do presidente Donald Trump. A empresa de tecnologia precisa de um acordo com a startup chinesa ByteDance, que é dona do aplicativo. 

As conversas acontecem em ritmo acelerado porque o governo norte-americano ameaça banir a plataforma dos Estados Unidos se o aplicativo não for comprado por uma empresa local. Trump disse que o prazo final para o anúncio de um acordo é 15 de setembro. 

Trump acusa o TikTok de pegar dados dos americanos e ajudar o governo chinês com espionagem. 

"A Microsoft está comprometida em adquirir o TikTok, o sujeitar a uma revisão completa da segurança e fornecer benefícios econômicos adequados aos Estados Unidos", disse a empresa em comunicado, acrescentando que "se moverá rapidamente" para conversar com a ByteDance "em questão de semanas."

O acordo criaria uma nova estrutura na qual a Microsoft seria proprietária e operaria os serviços TikTok nos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia. Como parte do acordo, a Microsoft afirmou que garantiria que todos os dados privados dos usuários americanos do TikTok fossem transferidos e permanecessem nos Estados Unidos.

Trump afirmou também que autorizaria a compra — com um porém. Ele disse que qualquer negociação teria de envolver uma "quantidade substancial de dinheiro" para o Tesouro dos Estados Unidos.

*Com Reuters

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook