Ninguém de bom senso acredita que ficará no governo caso Guedes saia, diz Novaes


Igor Gadelha
Por Igor Gadelha, CNN  
16 de agosto de 2020 às 14:38 | Atualizado 16 de agosto de 2020 às 16:31

De saída da presidência do Banco do Brasil, Rubem Novaes reagiu neste domingo (16) à notícia de que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, poderá substituir Paulo Guedes. Segundo ele, se o ministro da Economia deixar o cargo, Campos Neto também deverá deixar o governo.

“O Roberto Campos é um craque, mas sabe que está no Bacen pela amizade e confiança do ministro Guedes. Ninguém de bom senso na equipe acredita que venha a permanecer no governo na improvável hipótese de saída do ministro”, afirmou Novaes à CNN.

Leia também:

Aliados de Guedes veem fogo amigo de desenvolvimentistas e negam saída dele

Guedes admite estudar prorrogação de auxílio emergencial, mas com 'moderação'

Paulo Guedes

Segundo a coluna apurou, o próprio ministro da Economia disse neste fim de semana, em conversa com interlocutores e aliados, que Campos Neto já teria deixado claro, nos bastidores, que pedirá demissão do comando do BC caso Guedes deixe o governo.

Conforme apuração da analista Thais Arbex, Campos Neto se tornou um nome forte dentro do governo para assumir o comando do Ministério da Economia no lugar de Guedes, caso o atual chefe da equipe econômica peça demissão ou seja exonerado.

Sem mal-estar

Conforme a coluna noticiou neste sábado (15), em conversa com aliados e interlocutores ontem, o ministro da Economia também desmentiu mal-estar com Bolsonaro. Lembrou que seus discursos recentes foram todos combinados previamente com o presidente.

A um interlocutor, o chefe da equipe econômica disse estar no seu papel de alertar o presidente de que furar o teto de gastos poderia configurar crime de responsabilidade fiscal, o que abriria margem para ser alvo de um processo de impeachment no Congresso.

Outros integrantes da equipe econômica atribuem a ministros e outros membros da chamada ala desenvolvimentista do governo o que classificam como “fogo amigo” contra Guedes nos últimos dias. O pano de fundo, dizem, seria a disputa em relação à regra do teto de gastos.