Mercado respira aliviado com decisão da Câmara sobre salários de servidores

O grande articulador da manutenção do veto presidencial foi o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. O deputado foi quem liderou as negociações

Fernando Nakagawa
Por Fernando Nakagawa, CNN  
21 de agosto de 2020 às 07:15 | Atualizado 21 de agosto de 2020 às 08:06
Capa do podcast Abertura de Mercado
Foto: CNN Brasil

A Câmara dos Deputados manteve, nesta quinta-feira (20), o veto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que congelou os salários do funcionalismo federal, estadual e municipal até o fim de 2021. 

A notícia é positiva para o mercado financeiro, que estava preocupado com o aumento dos gastos públicos. Cálculos do governo mostram que o impacto potencial no orçamento do aumento de salário de servidores ficaria entre R$ 98 bilhões e R$ 120 bilhões. 

No episódio de hoje: 

- O grande articulador da manutenção do veto presidencial foi o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. O deputado foi quem liderou as negociações para reverter a decisão do Senado, que havia derrubado o veto no dia anterior. 

Leia também:
Veja como votaram senadores no veto ao congelamento de salário de servidores
Derrubada de veto ao aumento dos servidores é 'crime contra o país', diz Guedes
Petz pode levantar até R$ 3,4 bilhões em IPO

– Apesar da vitória, essa votação ainda deve continuar a dar dor de cabeça para o ministro da Economia, Paulo Guedes. Agora, o Senado estuda convidar o ministro para dar explicações sobre as críticas feitas à casa.  

– Enquanto isso, no setor privado, a Petz, rede paulista de pet shops avançou no processo de oferta de ações na B3. A empresa definiu a faixa de preço que deseja vender as ações: entre R$ 12,25 e R$ 15,25. Isso quer dizer que a operação pode movimentar até R$ 3,4 bilhões de reais. 

– O dinheiro arrecadado na oferta de ações será usado para abrir novas lojas e hospitais veterinários e investir em tecnologia. Depois do IPO, a Petz deixará de ter um controlador, como acontece em várias empresas brasileiras. 

– Já no mundo da tecnologia, a briga entre desenvolvedores de aplicativos e as donas das lojas de apps, principalmente a Apple, ganhou um novo round. Agora, são os grandes jornais e grupos de mídia que se juntaram para também brigar contra a empresa fundada por Steve Jobs. 

– O grupo conta com nomes como BBC, Bloomberg, CNC, Discovery, Disney, The Economist, Financial Times, Fox, The Guardian, The New York Times e The Washington Post.

– Os veículos enviaram uma carta aberta ao presidente da Apple, Tim Cook, perguntando o que é necessário para que consigam melhores condições na app store.

– E no mundo do esporte, saiu a tabela para as empresas que querem anunciar no programa de televisão com o comercial mais caro do mundo: o Super Bowl. Uma reportagem do The Wall Street Journal diz que a CBS, emissora que vai transmitir a final de 2021, está pedindo US$ 5,5 milhões pelos comerciais de 30 segundos.

– AGENDA: vários países da Europa e os Estados Unidos conhecem dados antecedentes da atividade economica do mês de agosto – é a pesquisa PMI. Nos Estados Unidos, esses dados saem às 10h45 no horário de brasília. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook