Arena Magalu? Empresa nega que negocia naming rights de estádio do Corinthians

Samsung também negou que há a intenção de dar nome ao estádio do Corinthians; motivo

André Jankavski, do CNN Brasil Business, em São Paulo
24 de agosto de 2020 às 17:23 | Atualizado 24 de agosto de 2020 às 19:52
Arena Corinthians, também conhecida como Itaquerão, em São Paulo: sem naming rights desde 2014
Foto: DOC. Films

As redes sociais estão em polvorosa com a notícia de que o Corinthians, finalmente, esteja próximo de negociar naming rights para Arena Corinthians após seis anos. A Magazine Luiza (MGLU3), no entanto, negou que esteja em negociações para dar o nome de "Arena Magalu".

Em nota enviada ao CNN Business, a empresa lembra que há uma parceria entre Netshoes e Corinthians na loja oficial do clube. Mas é só.

"Apesar da parceria entre Netshoes e Corinthians, no ShopTimão, loja oficial do clube, e da simpatia do Magalu pelo futebol,  esporte que é paixão nacional, a empresa nega estar em negociações pelo direito ao nome da Arena Corinthians", disse a empresa.

Leia também:
Bayern x PSG: entenda como cada clube conquistou as suas receitas milionárias
Retorno do futebol: perda bilionária, estádios vazios e briga por direitos de TV

O termo "Arena Magalu" segue com um dos assuntos mais comentados no Twitter. Uma matéria do jornal O Estado de São Paulo colocou a varejista como uma das principais concorrentes ao posto, que está vago desde a inauguração do estádio, desde 10 de maio de 2014.

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchéz, afirmou no Twitter que o clube "nunca esteve tão perto" em anunciar um acordo. E que a marca "nunca estve na camisa do Timão". 

Isso elimina a possibilidade da Samsung, que já foi patrocinadora do Corinthians em 2005. Procurada, a marca de celulares também negou que tenha a intenção de comprar os naming rights. Uma outra opção, a operadora Claro afirmou que também não tem o interesse no negócio

Além delas, a companhia aérea Emirates aparece como possibilidade, segundo o jornal. Até a publicação dessa reportagem, a empresa não retornou o contato do CNN Business. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook