Mourão defende manter e aprimorar auxílio emergencial no pós-pandemia

 Para o vice-presidente, pandemia agravou tensões e vulnerabilidades e demonstrou a importância da política de assistência financeira

Bruno Silva e Rudá Moreira, da CNN, em Brasília
26 de agosto de 2020 às 15:57
O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) - 24/08/2020
Foto: Mathias Brotero/CNN

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), defendeu nesta quarta-feira (26) o auxílio emergencial como medida contra a crise provocada pela Covid-19 e defendeu a sua manutenção e aprimoramento para o período pós-pandemia.

A declaração vem a público em meio a indícios de discordância entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre o Renda Brasil, programa que deve suceder o auxílio e unificar os sistemas de transferência de renda no país, como o Bolsa Família e outros.

Em uma palestra, por videoconferência, promovida pelo grupo Ser Educacional, Mourão destacou também que “trabalhadores informais, microempreendedores, autônomos e desempregados contam com essa renda para que estejam em condições de se reinserir no mercado de trabalho”. O vice-presidente disse que a política de Assistência Social deverá ser aprimorada e mantida após pandemia para continuar a prover dignidade e liberdade para famílias vulneráveis.

Leia mais:
Bolsonaro diz que discorda de propostas de Guedes para o Renda Brasil
Nada que desrespeite o teto de gastos será votado, diz Maia sobre o Renda Brasil

 Mourão considerou que a pandemia “agravou tensões e vulnerabilidades em todos os países”. “A pandemia da Covid-19 demonstrou a importância da política de assistência financeira para que as pessoas em situação de maior vulnerabilidade estejam protegidas contra carências e privações." 

Segundo Mourão, o Brasil é um país de enormes desigualdades sociais, econômicas e regionais. “O Estado brasileiro não pode se furtar ao enfrentamento e mitigação dessas disparidades, Estado de direito e de sociedade civil forte são duas faces de uma mesma moeda. Uma sociedade vibrante e organizada será sempre a principal proteção contra abusos dos poderes estatal”, disse.

Reforma da previdência

Hamilton Mourão também destacou a importância das alterações nas regras de aposentadoria, aprovadas ano passado. “A reforma da previdência aprovada em 2019 ilustrou a importância em realizar ajustes para que nossos filhos, netos e bisnetos não sejam obrigados a trabalhar indefinidamente para pagar pelas aposentadorias precoce dos seus antepassados."

Nessa linha, Mourão defendeu que o novo sistema se tornou mais sustentável. "A sustentabilidade tornou-se elemento essencial do pacto geracional deste século XXI. Não há democracia sem liberdade”, disse.