Nike afirma apoiar protesto de atletas da NBA a favor do 'Black Live Matters'

A Nike foi uma das muitas empresas que expressaram apoio aos protestos Black Lives Matter no início há alguns meses

Cristina Alesci, do CNN Business, em Nova York
28 de agosto de 2020 às 13:26 | Atualizado 28 de agosto de 2020 às 13:39
Pedestre passa por uma loja da Nike em Xangai em março
Foto: Getty Images

A Nike, fabricante oficial dos uniformes da NBA e WNBA (respectivamente, as ligas de basquete masculino e feminino dos EUA), disse na quinta-feira (27) que apoia os boicotes de atletas em resposta ao tiros dados por um policial em Jacob Blake em Kenosha, no estado de Wisconsin.

Logo depois do Milwaukee Bucks decidir não jogar na quarta-feira (26) à noite, a NBA anunciou que iria adiar o jogo 5 de três rodadas de playoffs diferentes. Em poucas horas, três jogos da WNBA, cinco da Major League Soccer e três da Major League Baseball foram cancelados porque os atletas agiram em solidariedade ao Bucks.

Leia também:
Nike modifica tradicional slogan em campanha contra racismo nos EUA
Após boicote de atletas, Trump diz que NBA tornou-se organização política
Nike doa 30 mil tênis feitos exclusivamente para profissionais de saúde

“A Nike apoia os jogadores e atletas da NBA e WNBA em toda a comunidade esportiva em sua resposta aos tiros sem sentido dados em Jacob Blake. Continuamos empenhados em abordar a questão do racismo sistêmico vivido pela comunidade negra”, disse a empresa em um comunicado.

A Nike foi uma das muitas empresas que expressaram apoio aos protestos Black Lives Matter no início há alguns meses. Em maio, ela inverteu seu slogan icônico “Just Do It” (“Faça isso”) em um vídeo online que diz: "Pela primeira vez, não faça isso."

“Não finja que não há problemas nos Estados Unidos”, diz a mensagem. “Não dê as costas ao racismo. Não aceite que vidas inocentes sejam tiradas de nós. Não dê mais desculpas. Não pense que isso não afeta você. Não fique sentado e em silêncio."

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook