Messi pode virar acionista do Manchester City? Entenda


Do CNN Brasil Business, em São Paulo
01 de setembro de 2020 às 20:21 | Atualizado 03 de setembro de 2020 às 06:33

A negociação entre Lionel Messi e Manchester City pode envolver uma fatia da empresa que controla o clube. Segundo o podcast inglês “The Transfer Window”, Messi pode receber uma participação acionária no City Football Group (CFG), controladora do time inglês e outros clubes pelo mundo, como parte do pagamento para mudar de time.

O tamanho da participação do atleta na empresa não foi divulgado. Além da fatia na companhia, o CFG está disposto a pagar € 700 milhões para que Messi defenda a camisa do Manchester City por três anos e, depois, a do New York City – outro time controlado pelo grupo – por outros dois anos. 

Leia também:
Nike encerra contrato de patrocínio com Neymar Jr. após 15 anos
Bayern x PSG: entenda como cada clube conquistou as suas receitas milionárias

Lionel Messi

O atacante argentino Lionel Messi, do Barcelona

Foto: Albert Gea/Reuters

Além dos times masculino e feminino do Manchester e do masculino do New York, o City Football Group também controla o Melbourne City e investe em clubes como o espanhol Girona, o japonês Yokohama Marinos e o Mumbai City, da Índia. 

A negociação entre Manchester City e Messi, porém, enfrenta resistência do Barcelona. O clube catalão diz que há uma multa rescisória de € 700 milhões no contrato com o argentino (por coincidência, o mesmo valor que a empresa quer pagar a Messi durante todo o contrato). Nesta terça (1), o jornal espanhol Mundo Despotivo disse que o City só vai assinar com Messi caso ele consiga deixar o Barcelona sem custos. 

O CFG é uma empresa de capital fechado, distribuído entre uma empresa de Abu Dhabi, uma chinesa e outra norte-americana. 

Diferentemente do City, alguns grandes clubes europeus decidiram abrir capital. Na lista de gigantes do futebol listados em bolsa estão os ingleses Manchester United e Arsenal, o alemão Borussia Dortmund e os italianos Roma, Lazio e Juventus.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

0