iFood que se cuide? Magalu compra startup de delivery de comida, a AiQFome


Do CNN Brasil Business, em São Paulo*
03 de setembro de 2020 às 18:55 | Atualizado 04 de setembro de 2020 às 16:56

O Magazine Luiza (MGLU3) quer que o seu aplicativo vire, de fato, um super app. Tudo em um só lugar. A escolha dessa vez foi pela compra de um aplicativo de entrega de refeições, o AiQFome. Se você não o conhece, é porque deve morar em uma grande cidade: o app é concentrado em municípios menores, de 15 mil a 300 mil habitantes. 

O valor da operação não foi divulgado pelo varejista, mas o próprio diretor financeiro e de reações com investidores da Magalu afirmou que não é "materialmente" relevante. 

A empresa é natural de Maringá (PR) e tem com mais de 2 milhões de clientes e 17 mil restaurantes cadastrados. Além disso, atende mais de 350 cidades.

Leia também:
A ação do Magazine Luiza está cara? Balanço surpreende e papel dispara (de novo)
Magalu recompra ações e mostra que não acredita que os seus papéis estão caros

Magazine Luiza Logo

 

Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Apesar de entrar em uma briga de gente grande, com empresas como iFood, Rappi e Uber Eats dominando o mercado, o Magazine Luiza (com o AiQFome) tem um modelo diferente dos líderes. O aplicativo é usado apenas intermediar a encomenda e o pagamento das refeições, enquanto a entrega fica a cargo dos restaurantes.

"Além de ampliar a oferta de serviços do nosso marketplace, o objetivo com a compra é de que o AiQFome aumente a recorrência de uso do nosso superapp", disse o executivo a jornalistas em transmissão pela internet.

O AiQFome será integrado ao superapp do Magalu, que nos últimos anos passou a incluir carteira digital e os e-commerces de Netshoes, Zattini e Época Cosméticos, entre outros.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

* com informações da Reuters