Bill Gates: Com a vacina, economia de países ricos deve voltar ao normal em 2021

"Até o final do ano que vem podemos ter as coisas voltando praticamente ao normal -- este é o melhor dos casos", disse Gates

Guy Faulconbridge e Kate Holton, da Reuters
06 de outubro de 2020 às 15:08
Bill Gates
O empresário e bilionário Bill Gates: o empresário enxerga as vacinas encaminhadas, mas ainda há riscos
Foto: Yuri Gripas/Reuters

Países ricos podem estar perto do normal ao final de 2021 se uma vacina contra a Covid-19 ficar pronta logo, funcionar e for distribuída adequadamente em escala, disse o bilionário e fundador da Microsoft, Bill Gates, nesta terça-feira.

"Até o final do ano que vem podemos ter as coisas voltando praticamente ao normal -- este é o melhor dos casos", disse Gates, de 64 anos, ao conselho de CEOs do The Wall Street Journal.

"Ainda não sabemos se estas vacinas terão sucesso", disse Gates. "Agora, será preciso tempo para acelerar a capacidade. E por isso a alocação dentro dos Estados Unidos, e entre os Estados Unidos e outros países, será um grande ponto de atrito".

Leia também:
'Conectividade global': Bill Gates investe em empresa de antenas de satélites
Gates vê vacina no horizonte e defende preparação para futuras pandemias

As vacinas desenvolvidas por Pfizer/BioNTech e AstraZeneca/Universidade de Oxford são duas das favoritas na corrida para ser a primeira a obter aprovação regulatória no Ocidente para evitar a Covid-19.

Gates acrescentou que, nos EUA, as pessoas deveriam estar pensando em maneiras de reduzir a hesitação de se usar uma vacina contra Covid-19 quando esta estiver disponível.

Indagado sobre as vacinas da Rússia e da China, ele disse que as empresas ocidentais estão mais adiantadas nos estudos de estágio avançado.

"A único candidata russo e as seis candidatas chinesas são conceitos perfeitamente válidos, na verdade, com algumas semelhanças com o que as empresas ocidentais estão fazendo, mas as empresas ocidentais estão mais adiantadas nestes estudos de estágio avançado", disse Gates.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook