FMI propõe taxar propriedades de luxo e fortunas para pagar conta da Covid-19

O documento cita nominalmente impostos para as faixas mais elevadas de renda, propriedades de luxo, fortunas e ganhos de capital

Fernando Nakagawa
Por Fernando Nakagawa, CNN  
14 de outubro de 2020 às 07:24
Capa do podcast Abertura de Mercado
Foto: CNN Brasil

O fundo diz que a recuperação da economia acontecerá em 2021, mas países dependentes do turismo ou das commodities terão mais dificuldade na retomada. No documento World Economic Outlook, o FMI melhorou a previsão para o desempenho da economia global em 2020, de uma queda de 5,2% para retração de 4,4%.

No episódio de hoje:

- O FMI sugere que os governos aumentem impostos dos mais ricos para bancar a conta a ser paga pelos problemas gerados pela Covid-19;
- A recomendação do fundo é aumentar a chamada progressividade dos impostos – ou seja, aumentar o peso dos tributos à medida que a pessoa ganha mais;
- Em documento, o fundo cita nominalmente impostos para as faixas mais elevadas de renda, propriedades de luxo, fortunas e ganhos de capital; 
- No texto, o fundo afirma que a recuperação da economia acontecerá em 2021, mas países dependentes do turismo ou das commodities terão mais dificuldade na retomada;
- Com isso, o FMI melhorou a previsão para o desempenho da economia global em 2020, de uma queda de 5,2% para retração de 4,4% (No Brasil, o tombo seria de 5,8% neste ano);
- Para 2021, o fundo prevê que o mundo vai crescer 5,2%. Mas a expectativa para nós é de uma recuperação menos intensa, de 2,8% no ano que vem; 
- Roberto Campos Neto, do BC, disse que a piora das contas públicas e o juro no patamar mais baixo da história estão por trás da forte alta próxima de 40% do dólar em 2020;
- Nas últimas semanas, várias moedas voltaram a se fortalecer, mas o mesmo não aconteceu no Brasil;
- Para Campos Neto, a percepção sobre o risco ambiental por aqui faz com que o real não melhore como outras moedas emergentes;
- Disse também que a volta do investidor para o Brasil pode demorar ainda mais com a percepção de que o país está mudando o regime fiscal ou mesmo que demorará muito tempo para retomar a trajetória de ajuste das contas públicas;
- A Apple confirmou praticamente todos os rumores e apresentou o novo iPhone 12;
- Este modelo é o primeiro da empresa a ter acesso às redes 5G e essa novidade é lançada mais de um ano após os concorrentes asiáticos Samsung e Huawei;
- Uma surpresa – e das ruins – foi a notícia de que o carregador e o fone de ouvido deixarão de vir na caixa;
- Os novos telefones chegarão nas próximas semanas ao mercado norte-americano com preços que vão de US$ 699 dólares a até US$ 1.099;
- Sem 5G, a Apple estava perdendo competitividade em vários mercados;
- Na Coreia do Sul, por exemplo, 90% da população já vive em áreas com 5G, de acordo com a consultoria Futuresource;
- No Brasil, as maiores operadoras anunciaram as primeiras regiões com 5G, mas ainda de maneira provisória; 
- O leilão das novas faixas de transmissão ainda não foi realizado pelo governo e deve acontecer apenas em 2021;
- Analistas estimam que até mais de um terço dos cerca de 950 milhões de iPhone em circulação no mundo poderão ser substituídos por novos modelos nos próximos meses;
- Rede varejista do Maranhão, o Grupo Mateus estreou ontem na B3;
- A ação começou o dia com firme tendência de alta e chegou a subir quase 4% no período da manhã;
Mas a tendência mudou à tarde e o papel da empresa terminou o dia em queda de 0,33%, a R$ 8,94;
- O grupo conseguiu levantar R$ 4,6 bilhões com a venda das ações;
- 85% desse dinheiro foi para o caixa da empresa e a companhia pretende investir na expansão e modernização dos negócios;
- Ainda falando de IPOs, a Rede D'or São Luiz entregou documentos para abrir o capital e lançar ações na bolsa de valores;
- Pretende usar parte do dinheiro para aumentar a oferta de leitos de sua rede em cerca de 80% nos próximos cinco anos;
- Também quer usar o dinheiro para construir novos hospitais e comprar outros, além de aquisições de clínicas de oncologia e corretoras de seguros, entre outros negócios;
- Informou ainda que de janeiro a setembro teve receitas de R$ 9,9 bilhões, com lucro de R$ 156 milhões;
- Este valor é 83% menor que o observado em igual período de 2019. Segundo a empresa, a queda é explicada pelos efeitos da Covid-19, que reduziu o movimento relacionado a outras doenças nos hospitais; 
- Tradicional fabricante de manteiga, a Aviação prevê crescer 10% em 2020 mesmo com a pandemia;
- A empresa deve faturar R$ 530 milhões neste ano com a venda de manteiga, doce de leite, queijos e requeijão;
- Para o ano que vem, a empresa deve investir R$ 40 milhões para expandir as linhas de produção e prevê crescer até 20% em 2021;
- O objetivo é mais que dobrar a capacidade de produção de até 40 toneladas diárias para mais de 100 toneladas diárias;
- Promotores da república e o departamento de Justiça dos EUA estão investigando o Google por suposto comportamento contra a concorrência no mercado de publicidade digital;
- E essas autoridades estariam cogitando até forçar o google a vender o navegador Chrome e parte do negócio de publicidade;
- A investigação cita que a Alphabet, que é a dona do Google, usaria o navegador para auxiliar o mecanismo de busca, o que só reforçaria a dominação da empresa na internet;
- Na Europa, a UE também investiga o Google por suposto comportamento anticoncorrencial, mas ainda não tomou nenhuma atitude tão drástica como a citada na reportagem;
- Procurados, porta-vozes do Google e da Justiça americana não quiseram comentar a reportagem do político.com;
- AGENDA: IBGE divulga às 9h o resultado do setor de serviços no mês de agosto;
- No exterior, saem dados da inflação nos Estados Unidos e na China.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook