Adeus, selinhos: Pão de Açúcar e Raia Drogasil inovam no programa de fidelidade


Paula Bezerra, do CNN Brasil Business, em São Paulo
29 de outubro de 2020 às 05:00 | Atualizado 29 de outubro de 2020 às 09:52
Eduardo Leonidas, CEO da Stix

Eduardo Leonidas, CEO da Stix: "trazemos uma solução de varejo mais acessível"

Foto: Divulgação/Stix

Os selinhos do Pão de Açúcar viraram uma febre entre os consumidores nos últimos anos. Quem completava a cartela podia levar para casa desde panelas do renomado chef Jamie Oliver até taças alemãs. Agora, os selinhos darão lugar a pontos digitais, e as cartelas serão digitalizadas. Já as recompensas vão ficar a critério do cliente, que poderá escolher entre um jogo de facas e doações a instituições de caridade, por exemplo.

Por trás dessa virada para o mundo digital, está a Stix Fidelidade. Lançada em outubro, a companhia é fruto da parceria entre o Grupo Pão de Açúcar e a Raia Drogasil, e a ideia é que a plataforma concentre os programas dos dois grupos.

Idealizada em meados de 2019, a companhia é a primeira no ecossistema brasileiro voltada à fidelidade no varejo. O GPA detém 66,6% da joint venture, enquanto a Raia Drogasil ficou com o restante. O investimento, porém, não foi revelado. 

Leia também:
72% mudaram padrão de consumo por causa da pandemia, diz FecomercioSP
Black Friday deve fazer o varejo crescer até 3% em novembro, diz Fecomercio
Os planos do Mercado Livre para ter a maior Black Friday de sua história

Totalmente digital, os grupos apostam na facilidade do aplicativo para dar tração à Stix – isso porque, todo contato e relacionamento é feito por meio do aplicativo. Já em termos de operação, a plataforma funciona como uma carteira de pontos que tem cobertura nacional. 

E, se grandes programas de fidelidade, como Smiles, Livelo e Multiplus, usam passagens aéreas como chamariz, a Stix quer ir além. 

“Trazemos uma solução de varejo mais acessível. Considero nosso programa diferenciado porque a proposta para o consumidor é diferente, vai além dos pontos para passagens aéreas”, diz Eduardo Leonidas, CEO da Stix, ao CNN Brasil Business.

Na prática, funcionará assim: cada 100 pontos conquistado em compras no Pão de Açúcar, Extra, Droga Raia e Drogasil valerá R$ 1. Os clientes então poderão acumular os pontos e escolher como trocarão nas redes participantes. Mas não apenas.

A Stix já conta com 12 parceiros, incluindo a loja de móveis e decoração Etna e a locadora de veículos Turbi. Para 2021, o objetivo é oferecer cashback e abranger todas as categorias de consumo, como vestuário e esportes.

Expectativa e efeito pandemia

Para colocar o novo programa de fidelidade em varejo de pé, a Stix foi buscar referência do outro lado do globo. Mais especificamente, na FlyBuys, programa de fidelidade da Coles, maior rede de supermercados da Austrália. O app tem cerca de 10 milhões de usuários na Austrália e na Nova Zelândia.

A Stix pode facilmente superar os números de sua fonte de inspiração. O universo potencial de clientes é vasto: são 55 milhões, sendo 20 milhões dos programas Clube Extra e Cliente Mais, do Pão de Açúcar; e 40 milhões do Sua Raia e Drogasil e Você.

“Temos uma base potencial grande, uma proposta de valor consistente e que consideramos interessante aos clientes”, diz Leonidas. “Não temos uma meta quantitativa, nosso principal objetivo é fidelizar o cliente.”

De fato, o potencial é enorme. Durante a pandemia, o número de produtos domésticos comprados pela internet triplicou, segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), 

Tanto que a concorrente Dotz registrou uma alta de 35% do tíquete médio gasto nas compras em supermercado entre os dias 15 de março e 18 de abril. 

Não à toa, o volume de pontos somados pelos brasileiros aumentou em 2020. De acordo com dados da Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF), o setor passou de 15 bilhões de pontos no segundo trimestre do ano passado para 26 bilhões neste ano.

"Estamos trazendo para o Brasil um modelo inovador, principalmente com o foco em varejo. Temos marcas fortes, que mantêm a autonomia de seus programas individuais, além de estarmos ligados a uma plataforma tecnológica", diz Leonidas. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook