Guedes quer vender reservas, mas será que já combinou com o BC?

Atualmente, o Brasil tem US$ 355 bi em reservas. Dinheiro mantido pelo BC para, por exemplo, momentos em que há forte saída de investidores estrangeiros

Fernando Nakagawa
Por Fernando Nakagawa, CNN  
20 de novembro de 2020 às 07:15 | Atualizado 20 de novembro de 2020 às 07:18
Capa do podcast Abertura de Mercado
Foto: CNN Brasil

Guedes argumentou que um volume alto de reservas era necessário quando o real estava sobrevalorizado – ou seja, mais forte – e a taxa de juros era elevada. Mas o problema é que a gestão das reservas é responsabilidade do Banco Central e, em tese, o ministro da economia não manda por lá.

No episódio de hoje:

- O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que fará “o que for necessário” para reduzir a dívida pública brasileira;
- Em um evento promovido pelo Bradesco, o ministro voltou a prometer privatizações e voltou a dizer que pode vender parte das reservas internacionais;
- "Nossa lógica é muito simples, a dívida tem que cair. E a maneira de fazer isso é vender ativos, privatizar, desalavancar bancos públicos, reduzir dívida interna e até vender um pouco de reservas", disse;
- Atualmente, o Brasil tem US$ 355 bilhões em reservas internacionais. Dinheiro mantido pelo BC para, por exemplo, momentos em que há forte saída de investidores estrangeiros;
- Com esses bilhões guardados, o banco pode oferecer dólares aos que queiram deixar o Brasil;
- Por isso, ter a reserva em patamar considerado suficiente é um sinal de segurança para quem quer investir em um país;
- Guedes argumentou que um volume alto de reservas era necessário quando o real estava sobrevalorizado – ou seja, mais forte – e a taxa de juros era elevada;
- Agora, o juro está no menor patamar da história, de 2%, e o real está desvalorizado – fraco na comparação com o dólar;
- O que, segundo o ministro, reduz a necessidade de se manter reservas elevadas;
- Mas o problema é que a gestão das reservas é responsabilidade do Banco Central e, em tese, o ministro da Economia não manda por lá; 
- Em meio à disparada de novos casos da Covid-19 nos EUA, o número de pedidos de seguro-desemprego voltou a subir pela primeira vez em cinco semanas;
- O dado conhecido ontem mostra que 742 mil pessoas perderam o emprego na semana passada;
- Isso surpreendeu negativamente, porque o mercado financeiro previa queda do número de pedidos de seguro desemprego para 707 mil;
- Analistas dizem que o dado indica que a recuperação do mercado de trabalho pode estar sendo ameaçada pela rápida propagação da doença;
- E, além desses problemas já existentes, há preocupação adicional sobre o feriado de Ação de Graças na semana que vem – quando milhões de famílias norte-americanas se reúnem;
- O centro de controle e prevenção de doenças nos Estados Unidos emitiu recomendação contra todas as viagens dos norte-americanos no feriado;
- Além disso, também há preocupação com o dia seguinte, que é a black friday – quando milhares de pessoas se aglomeram no comércio para aproveitar promoções; 
- As ações da PetroRio foram a principal estrela do mercado financeiro brasileiro na quinta-feira, 19 de novembro, disparando 29,94% e fechando o dia a R$ 46 reais;
- O movimento foi gerado pela notícia de que a empresa assinou um contrato com a britânica BP Energy para compra de participação em campos de exploração de petróleo no pré-sal;
- Portanto, a compra permite pela primeira vez que a empresa possa explorar a grande área de extração nas águas profundas do litoral brasileiro;
- Segundo a petroleira carioca, só um dos campos tem potencial de produzir mais de 140 milhões de barris;
- O site BuzzFeed vai absorver o site de notícias HuffPost – o antigo Huffington Post – do grupo de telecom Verizon;
- A Verizon vai injetar dinheiro no negócio de conteúdo em troca de participação acionária minoritária no site;
- Especialistas dizem que essa operação é mais um movimento de consolidação do setor de mídia digital;
- Esse fenômeno de união de sites pode ser uma reação à queda das receitas de publicidade gerada pela pandemia; 
- Uma consultoria fez pesquisa sobre as senhas mais comuns do planeta e o resultado é surpreendente porque as pessoas parecem não se esforçar pra guardar coisas importantes na internet;
- Levantamento da NordPass mostrou que a sequência 123456 é a senha mais usada na internet. Em seguida, vem a não menos criativa 123456789;
- Segundo a companhia, a senha ‘123456’ leva menos de um segundo para ser rompida e descoberta por hackers;
- Essa pesquisa foi feita com base em um banco de dados com mais 275 milhões de senhas usadas na internet e que foram violadas nos últimos meses;
- E, claro, temos uma representante brasileira. A décima senha mais usada na internet é exatamente a palavra "senha" em português;
- AGENDA: Tesouro Nacional deve divulgar o relatório sobre receitas e despesas do governo relativo ao quinto bimestre do ano;
- No exterior, saem dados sobre a confiança do consumidor na zona do euro.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook