Acho inevitável algum auxílio em 2021, diz professor da USP


da CNN, em São Paulo
27 de novembro de 2020 às 22:49 | Atualizado 27 de novembro de 2020 às 22:50

O professor de relações de trabalho da Universidade de São Paulo (USP), José Pastore, acredita ser inevitável algum auxílio em 2021 para a população mais vulnerável. 

"As pessoas precisam viver. Como nós vamos fazer isso? Vai ser inevitável para o Brasil, pelo menos para o primeiro semestre de 2021, ter alguma modalidade de auxílio para manter o mínimo de consumo e manter as pessoas em condições de sobrevivência civilizadas", argumentou. 

Durante a entrevista, o docente também explicou as diferenças entre o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Divulgada hoje, a pesquisa do IBGE indica uma alta da taxa de desemprego no terceiro trimestre em 10 dos 27 Estados. Já o Caged mostra que o Brasil abriu 394.989 vagas de trabalho com carteira assinada em outubro

Assista e leia também:

IBGE: taxa de desemprego sobe em 10 dos 27 Estados – na Bahia, chega a 20,7%

Guedes diz que país pode ter 'zero perda de emprego', após abrir 395 mil vagas

Ministério da Economia
Prédio do Ministério da Economia, em Brasília
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

“O Caged é uma estatística sobre o mercado formal, aquelas pessoas que têm carteira de trabalho registrada. E nesse campo do mercado formal, o governo lançou dois programas de grande sucesso: redução de jornada de trabalho e outra é suspeição de contrato de trabalho. Esses dois programas conseguiram preservar mais de 10 milhões de emprego”, disse.

“Além disso o governo lançou um terceiro propulsor, que é o auxílio emergencial. Esse auxílio emergencial se transformou em consumo e ativou uma parte importante da economia o que acabou gerando emprego”.

Já o Pnad, explicou ele, “pega formal e informal e procura saber quais são as pessoas que estão paradas e desejando trabalhar.” 

(Publicado por Sinara Peixoto)