Focus: mercado eleva inflação de 2020 a 4,39% e reduz crescimento do PIB em 2021

Esse é o maior patamar do ano para a projeção do indicador. Na semana passada, a previsão estava em 4,35%

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
21 de dezembro de 2020 às 08:47
Alimentos e bebidas puxam a alta da prévia da inflação (28.nov.2020)
Foto: Reprodução / CNN

Em nova alta, o mercado financeiro elevou as estimativas para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação do país, para 4,38%. Esse é o maior patamar do ano para a projeção do indicador. Na semana passada, a previsão estava em 4,35%. A projeção do indicador para o ano que vem também subiu, de 3,34%, uma semana atrás, para 3,37%. 

Os números são do Boletim Focus do Banco Central, divulgado nesta segunda-feira (14). O documento reúne a estimativa de mais de 100 instituições do mercado financeiro para os principais indicadores econômicos. 

Leia também:
CEOs de grandes empresas são favoráveis à exigência de vacinação contra Covid-19
Bolsonaro avisa que auxílio não vai ser prorrogado e Ceagesp seguirá estatal
Com um dezembro mais agitado que o normal em Brasília, Guedes adia férias

Embora acima da meta deste ano, de 4,00%, o valor segue dentro da margem de de 1,5 ponto porcentual. Com a tolerância, a meta pode variar de 2,50% a 5,50%. A meta é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e, para persegui-la, o BC eleva ou reduz a taxa de juros básica, a Selic, atualmente na mínima histórica, a 2% ao ano. 

Como consequência da recessão econômica e dos demais impactos da pandemia de Covid-19 na economia, a projeção do mercado financeiro para a inflação despencou desde março. Em seu menor patamar, atingido em junho, a expectativa chegou a ser de 1,52%, valor bem abaixo do piso da meta. 

No entanto, com o início da retomada econômica e a alta nos preços dos alimentos e dos combustíveis, que devem registrar forte alta em outubro e novembro, as previsões para o IPCA têm avançado. Um IPCA mais alto em 2020 pode acelerar o movimento de alta de juros pelo BC em 2021, já que a taxa básica de juros, a Selic, é a principal ferramenta da política monetária para o controle da inflação. 

Atualmente, a Selic está  na mínima histórica de 2% ao ano. No entanto, a expectativa é que no fim do ano que vem, a taxa já tenha alcançado os 3% ao ano. 

Desempenho do PIB

Enquanto as projeções para a queda do Produto Interno Bruto (PIB) seguem no patamar de queda de cerca de 4% - passando de 4,41%, na semana passada, para 4,40% nesta edição do Boletim -, a previsão para o desempenho econômico no ano que vem recuou levemente de 3,5%, uma semana atrás, para 3,46%. 

A previsão de recessão econômica este ano reflete os impactos da pandemia da Covid-19, na economia nacional e mundial, que também caminha para uma retração. No ano que vem, a expectativa é de uma forte e rápida retomada da atividade econômica. 

A projeção do mercado é melhor do que a previsão oficial da equipe econômica, que espera queda de 4,5%.

Apesar de terem melhorado suas expectativas, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), ainda veem retração de 5,4% e 5,8% na economia brasileira. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) prevê que a recessão da economia brasileira seja de 5%.