Lucro trimestral do Bank of America recua com varejo, mas fica acima do esperado

O lucro líquido aplicável aos acionistas ordinários caiu para US$ 5,21 bilhões de dólares, ou US$ 0,59 por ação, no trimestre encerrado em 31 de dezembro

Noor Zainab Hussain e Imani Moise, da Reuters
19 de janeiro de 2021 às 10:07
Bank of America: Treasuries (títulos do Tesouro americano) foram as negociações 'mais movimentadas' pelo 2º mês
Foto: Carlo Allegri/Reuters

O Bank of America divulgou nesta terça-feira (19) uma queda no lucro do quarto trimestre, mas ainda assim superou expectativas de Wall Street, com o desempenho da área de negociação compensando a fraqueza na unidade de varejo.

O lucro líquido aplicável aos acionistas ordinários caiu para US$ 5,21 bilhões de dólares, ou US$ 0,59 por ação, no trimestre encerrado em 31 de dezembro, de US$ 6,75 bilhões, ou US$ 0,74 por ação, um ano antes.

Analistas esperavam, em média, um lucro de US$ 0,55 por ação, de acordo com a estimativa do IBES da Refinitiv.

O segundo maior banco dos EUA em ativos, visto como um termômetro econômico, relatou uma queda de 13% na receita de banco de varejo, para US$ 8,2 bilhões, citando taxas de juros mais baixas e uma queda na atividade de cartão de crédito.

A margem financeira (NII), uma medida-chave de quanto ele pode ganhar com os empréstimos, caiu 16%. O banco informou uma queda de 10% na receita geral, líquida de despesas com juros, para US$ 20,1 bilhões.

Em um sinal de confiança na recuperação econômica, no entanto, o banco liberou US$ 828 milhões de suas provisões para empréstimos inadimplentes.

"O pacote de estímulo mais recente, o progresso contínuo nas vacinas ... nos posiciona bem enquanto a recuperação continua", disse o presidente-executivo do BofA, Brian Moynihan.

A área de sales e trading do banco provou ser um ponto positivo, com a receita subindo para US$ 3 bilhões, de US$ 2,8 bilhões um ano antes, espelhando seus pares JPMorgan Chase & Co e Citigroup.

Separadamente, o BofA disse que seu conselho aprovou um programa de recompra de ações de US$ 3,2 bilhões no primeiro trimestre, após receber luz verde dos reguladores para retomar as recompras no mês passado.