Bolsonaro deve exigir que empresas não demitam empregados que recusem vacinação

Presidente pretende impor algumas exigências para liberar compra dos imunizantes

Igor Gadelha
Por Igor Gadelha, CNN  
26 de janeiro de 2021 às 09:44 | Atualizado 26 de janeiro de 2021 às 17:06


O presidente Jair Bolsonaro pretende impor algumas exigências para liberar empresas privadas para comprarem vacinas e distribuírem parte delas para seus empregados.

Além de pedir que pelo menos metade dos imunizantes seja destinada ao SUS, o presidente tem dito a auxiliares que exigirá que a manutenção dos empregos não esteja vinculada à vacinação.

 

Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto
Foto: Adriano Machado/Reuters (12.jan.2021)

Em outras palavras, Bolsonaro quer um compromisso dos empresários de que não vão demitir aqueles empregados que se recusarem a se imunizar contra a Covid-19.

Na tarde desta terça-feira (26), Bolsonaro se reunirá no Planalto com o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, para tratar do assunto.

Skaf vem liderando entre o empresariado as negociações em busca da autorização do governo federal para que empresas possam comprar e distribuir vacinas a seus empregados.

À CNN, Skaf negou que esteja liderando qualquer movimento para aquisição de vacina pelo setor privado”.