Questão dos caminhoneiros não deve ser resumida ao preço do diesel, diz CBIE

Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires falou à CNN sobre as medidas anunciadas pelo presidente Jair Bolsonaro

Produzido por Layane Serrano e Renata Souza, da CNN, em São Paulo
05 de fevereiro de 2021 às 15:38


Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires disse, em entrevista à CNN, que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) acertou em sua declaração sobre não interferir nos preços da Petrobras, mas ressaltou que possíveis greves dos caminhoneiros não podem ser resumidas somente ao preço do diesel.

"Tem que ter cuidado com a questão dos caminhoneiros, que é importante. É uma classe que representa muito na economia brasileira. [Uma possível greve] não deve ser resumida ao preço de diesel, é um problema muito mais amplo que isso", afirmou Pires.

Nesta sexta-feira (5), o presidente afirmou que o governo federal estuda a viabilidade jurídica para apresentar ao Congresso, na próxima semana, um projeto de lei para que o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide sobre os combustíveis seja pago nas refinarias ou tenha um valor fixo.

Para o diretor do CBIE, há a necessidade de o Executivo debater outras questões para além da redução do preço do diesel, entre elas, problemas estruturais.

"Cada vez que aumenta o preço do barril do petróleo, esse fantasma de intervenção de preço, de diminuir o imposto, ele volta. E sempre é uma discussão conjuntural e não estrutural, que é o que precisamos", afirmou.

"Porque, aí sim, vamos falar da frota de caminhões, que é velha; se tem caminhão hoje rodando no Brasil há mais de 20 anos; (...) se tem problema de estradas ruins, então, é preciso aumentar a concessão para empresas privadas, além de aumentar outros modais para não ficar tão dependendende do rodoviário. Não pode ser simplista em achar que o problema dos caminhoneiros é só o preço do diesel", completou Pires.

Caminhões na rodovia
Caminhões na rodovia: 2021 começou com a expectativa de uma nova greve dos caminhoneiros
Foto: Indira Tjokorda/Unsplash

 

(Publicado por Natália Flach)