Dólar sobe após fala de Bolsonaro e Ibovespa fecha em leve alta

Os holofotes seguiram voltados para o imbróglio do Orçamento, alvo de disputa entre o Congresso e o governo federal

Matheus Prado e Leonardo Guimarães, do CNN Brasil Business, em São Paulo*
07 de abril de 2021 às 09:17 | Atualizado 07 de abril de 2021 às 17:19
arte business mercado
Foto: CNN

O dólar à vista subiu 0,79%, a R$ 5,6456 na venda. Pela manhã, a moeda caía ante o real, mas trocou de sinal depois que o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o aumento do preço do gás anunciado pela Petrobras nesta semana, de 39%, é "inadmissível" e, apesar de dizer que não irá interferir na estatal, afirmou que a política de preços da empresa pode mudar.

Já o Ibovespa conseguiu fechar no azul depois de uma sessão de perdas e ganhos e pouco volume. O índice avançou 0,11%, para 117.623 pontos. 

Além da declaração de Bolsonaro sobre a Petrobras, os holofotes seguiram voltados para o imbróglio do Orçamento, alvo de disputa entre o Congresso e o governo federal, e a pandemia do novo coronavírus, que continua castigando o país.

Investidores ainda repercutem o leilão do governo federal para conceder 22 aeroportos à iniciativa privada por até 30 anos. O valor das ofertas iniciais ficou em R$ 3,3 bi.

Tratava-se, inclusive, de um negócio represado, que já era prometido para o ano passado. Ao todo, foram três blocos concedidos: Sul, Norte I e Central. 

Em entrevista à CNN, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes, garantiu que o governo federal vai conseguir cumprir o plano de R$ 250 bilhões em investimentos contratados até 2022.

Perguntado sobre a viabilidade de atrair esses investimentos até o fim do atual governo, ele disse que “este é um projeto de Estado e o maior programa de concessão da história do Brasil, que não depende do calendário eleitoral”

Na terça, o Brasil superou pela primeira vez a marca de 4 mil mortes por Covid-19 em um único dia, registrando na terça-feira um recorde de 4.165 óbitos, o que eleva o total de vítimas fatais da doença no país a 336.947.

Nos EUA, os dirigentes do Federal Reserve, o banco central do país, indicaram em ata que viram melhoras na economia, mas ainda esperam mais progresso maior para promover mudanças nas políticas econômicas. 

Lá fora

Os principais índices acionários dos EUA permaneceram quase inalterados nesta quarta-feira, com o índice S&P fechando ligeiramente em alta depois da ata do Fed. 

O Dow Jones teve alta de 0,05%, aos 33.446 pontos, o S&P 500 valorizou-se 0,15%, aos 4.079 pontos, e o Nasdaq recuou 0,07%, aos 13.688 pontos.

O mercado acionário europeu ficou praticamente estável nesta quarta-feira, pouco abaixo de máximas recordes, com os papéis de saúde entre as maiores perdas, enquanto o otimismo sobre a vacinação e a libra mais fraca ajudaram as ações do Reino Unido a se destacarem.

O índice STOXX 600 perdeu 0,1%, negociado pouco abaixo da máxima de fechamento de 435,26 pontos na terça-feira. As ações de saúde caíram 0,8%, liderando as perdas entre os setores.

O índice britânico FTSE 100 avançou 0,9% diante da libra mais fraca, enquanto o índice de midcaps focado internamente chegou a uma máxima recorde depois que o Reino Unido iniciou a distribuição de vacinas da Moderna contra a Covid-19.

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta quarta-feira (7), após os mercados de Wall Street caírem levemente ontem num movimento de correção.

O índice acionário japonês Nikkei subiu 0,12% em Tóquio hoje, a 29.730,79 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi avançou 0,33% em Seul, a 3.137,41 pontos, e o Taiex registrou ganho de 0,45% em Taiwan, a 16.815,36 pontos.

Em Tóquio, a ação da Toshiba saltou mais de 18% antes de ter suas negociações suspensas, em reação a notícia de que a empresa japonesa recebeu oferta de aquisição da CVC Capital Partners.

Já na China continental, as bolsas ficaram levemente no vermelho. O Xangai Composto recuou 0,10%, a 3.479,63 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto caiu 0,36%, a 2.258,11 pontos. Em Hong Kong, o dia também foi de perdas para o Hang Seng, que teve queda de 0,91%, a 28.674,80 pontos, ao voltar a operar após uma sequência de feriados.

Em Nova York, as bolsas tiveram leves perdas ontem, após dois dos principais índices de Wall Street renovarem máximas de fechamento no pregão anterior.

Como se previa, o Fundo Monetário Internacional (FMI) elevou ontem sua previsão de crescimento da economia global este ano, de 5,5% para 6%, diante do avanço das campanhas de vacinação contra a Covid-19, principalmente nos EUA, e das robustas medidas fiscais e monetárias tomadas para combater a recessão deflagrada pela pandemia.

O presidente dos EUA, Joe Biden, antecipou ontem a data para que todos os adultos do país tenham disponíveis vacinas contra o coronavírus, de 1º de maio para 19 de abril, sinalizando que os esforços de imunização continuam progredindo.

Na Oceania, a bolsa australiana fechou nesta quarta no maior nível em cerca de 13 meses, com ganhos liderados por ações de petrolíferas. O S&P/ASX 200 avançou 0,61% em Sydney, a 6.928,00 pontos. 

*Com informações de Reuters e Estadão Conteúdo