Plataforma VTEX busca avaliação de US$ 3 bilhões em IPO

A empresa iniciou suas operações no Brasil em 2000, montou seu primeiro escritório no exterior em 2013 e se expandiu para os EUA em 2017

da Reuters
12 de julho de 2021 às 12:24
Vtex Sede
Foto: Vtex/Divulgação

A VTEX, provedora de plataforma de comércio digital para empresas e varejistas, anunciou nesta segunda-feira (12) uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), na qual está buscando uma avaliação de até R$ 3,2 bilhões.

A oferta consiste em 19 milhões de ações classe A, com a faixa estimada de preço entre US$ 15 e US$ 17 cada. No topo, o IPO pode alcançar R$ 323 milhões.

Cerca de 5,1 milhões dessas ações estão sendo vendidas por acionistas, segundo a companhia que tem como investidores SoftBank, Riverwood Capital, Constellation Asset Management, Gávea Investimentos, Tiger Global e Lone Pine Capital.

A empresa, provedora de plataforma de comércio digital de software como serviço (SaaS) para empresas e varejistas, disse que pretende utilizar a receita líquida da oferta pública inicial para fins corporativos em geral.

A VTEX afirmou que também pretende conceder aos subscritores uma opção de 30 dias para comprar um adicional de até 2.850.000 ações ordinárias de classe A.

JPMorgan, Goldman Sachs e BofA Securities estão atuando como coordenadores globais para a oferta e KeyBanc Capital Markets, Morgan Stanley e Itaú BBA como gestores conjuntos.

A VTEX, que pretende listar suas ações na Bolsa de Valores de Nova York sob o código "VTEX", é a mais recente companhia de tecnologia da América Latina que busca lucrar com o rali no mercado de capitais norte-americano.

O banco digital Nubank, a empresa de pagamentos Ebanx e a Hotmart também estão se preparando para listar as ações nos Estados Unidos nos próximos meses.

A VTEX iniciou suas operações no Brasil em 2000, montou seu primeiro escritório no exterior em 2013 e se expandiu para os EUA em 2017. A plataforma permite que clientes criem lojas online, gerenciem pedidos e criem marketplaces para vender produtos de fornecedores terceirizados.

A empresa tem mais de 2 mil clientes em mais de 32 países, incluindo Sony, Nestlé e McDonald's. Em setembro, a companhia foi avaliada em R$ 1,7 bilhão após uma rodada de financiamento.