Bancos lutam para descobrir quanto perderão se a economia da Rússia implodir

À medida que o rublo desmorona e a Rússia se torna cada vez mais isolada do sistema financeiro global, pagamentos perdidos podem se acumular e causar grandes perdas

Bancos estrangeiros tinham mais de US$ 120 bilhões em créditos sobre contrapartes russas no final de setembro de 2021, de acordo com o Bank for International Settlements
Bancos estrangeiros tinham mais de US$ 120 bilhões em créditos sobre contrapartes russas no final de setembro de 2021, de acordo com o Bank for International Settlements 03/11/2009REUTERS/Rick Wilking

Julia Horowitzdo CNN Business*

em Londres

Ouvir notícia

A economia da Rússia está sob séria pressão de novas e duras sanções ocidentais. Isso está forçando as instituições financeiras a considerar: o quão expostas elas estarão se o mercado russo implodir?

Bancos estrangeiros tinham mais de US$ 120 bilhões em créditos sobre contrapartes russas no final de setembro de 2021, de acordo com o Bank for International Settlements.

Isso está despertando preocupações de que, à medida que o rublo desmorona e a Rússia se torna cada vez mais isolada do sistema financeiro global, os pagamentos perdidos podem se acumular e causar grandes perdas.

A Société Générale da França e a UniCredit da Itália, os dois maiores bancos europeus com as maiores operações na Rússia, enfrentam um escrutínio particular.

Desde que a Rússia invadiu a Ucrânia na semana passada, as ações da SocGen caíram 25%, enquanto a UniCredit está 23% menor.

A Fitch Ratings alertou na última quarta-feira (2) que “a qualidade dos ativos dos grandes bancos da Europa Ocidental será pressionada pelas consequências da invasão da Ucrânia pela Rússia” e que suas operações também enfrentam um risco maior à medida que correm para cumprir as sanções internacionais.

Onde está a fraqueza? A Fitch disse que isso se resume principalmente a operações bancárias corporativas e de investimento, bem como carteiras de investimento.

Há preocupações de que as entidades afetadas pelas sanções não consigam pagar os empréstimos, forçando os bancos a cancelar alguns deles.

O cumprimento das sanções, especialmente com alguns dos principais bancos russos excluídos do sistema global de pagamentos SWIFT, também representará um desafio, disse a Fitch.

Em um comunicado na quinta-feira, o Société Générale disse que está “cumprindo rigorosamente todas as leis e regulamentos aplicáveis ​​e está implementando diligentemente as medidas necessárias para aplicar rigorosamente as sanções internacionais assim que forem tornadas públicas”.

O banco disse que tinha quase US$ 21 bilhões em exposição à Rússia no final do ano passado. Mas enfatizou que pode suportar até os piores resultados.

O Société Générale “tem amortecedor mais do que suficiente para absorver as consequências de um possível cenário extremo, no qual o Grupo seria destituído dos direitos de propriedade sobre seus ativos bancários na Rússia”, afirmou.

O UniCredit, que opera na Rússia desde 1989, disse na semana passada que seu braço russo era “muito líquido e autofinanciado” e que a franquia representa apenas 3% da receita do banco.

No início deste ano, desistiu de uma possível oferta pelo banco estatal russo Otkritie por causa da situação política na Ucrânia.

Os bancos americanos também podem sentir alguns golpes. O Citigroup divulgou esta semana que tinha US$ 5,4 bilhões “em crédito na Rússia e outras exposições” no final de 2021.

Mark Mason, diretor financeiro do Citi, disse a investidores na quarta-feira que o banco está realizando testes para avaliar as consequências “sob diferentes estresses e tipos de cenários.”

As ações do Citi caíram 4% desde a invasão da Rússia. O KBW Bank Index, que acompanha os credores dos EUA, é quase 2% menor.

Em uma nota aos clientes no domingo, o estrategista de investimentos do Credit Suisse, Zoltan Pozsar, invocou o colapso do Lehman Brothers em 2008 ao considerar as consequências de cortar os bancos russos do SWIFT. Ele disse que os efeitos podem se espalhar pelos mercados, forçando os bancos centrais a intervir.

Um “momento Lehman” de importância sistêmica ainda não se materializou. Mas será importante observar as comunicações dos bancos enquanto a economia da Rússia desmorona.

“Na verdade, você não sabe ao certo todas as ramificações, então acho que esse é um dos medos”, disse Robert Sears, diretor de investimentos da Capital Generation Partners.

O Fed está pronto para aumentar as taxas de juros em duas semanas

O Federal Reserve está se preparando para aumentar as taxas de juros pela primeira vez desde o início da pandemia, mesmo quando a guerra na Ucrânia obscurece as perspectivas para a economia.

O presidente Jerome Powell disse ao Congresso na quarta-feira que espera que o banco central avance com um aumento da taxa no final deste mês, um passo importante para conter a inflação mais alta em décadas.

“A inflação está muito alta”, disse Powell. “Estamos trabalhando nisso.”

Powell disse que apoiou um aumento normal da taxa de juros de 0,25 ponto percentual. Anteriormente, havia rumores de que o Fed poderia optar por um aumento maior para mostrar que estava levando a sério o controle dos preços.

Mas o conflito na Ucrânia, que pode desacelerar o crescimento econômico e exacerbar a inflação, complicou a tentativa do Fed de se afastar das políticas da era da crise adotadas para lidar com os efeitos do Covid-19.

“Os efeitos econômicos desses eventos são altamente incertos”, disse Powell.

Seu comentário alimentou uma alta no mercado de ações. O S&P 500 subiu 1,9%, enquanto o Nasdaq Composite ganhou 1,6%. Os investidores ficaram aliviados por terem maior clareza sobre o caminho a seguir pelo Fed.

Os comentários de Powell “ajudaram a reduzir a incerteza sobre as intenções de curto prazo do Fed”, disse Jim Reid, estrategista do Deutsche Bank.

Novo choque de preços de alimentos: óleo de palma dispara

A invasão russa da Ucrânia abalou o mercado de trigo e milho, as principais exportações dos dois países. Mas esses não são os únicos preços a subir.

Os preços do óleo de palma dispararam à medida que investidores tentam encontrar alternativas aos carregamentos de óleo de girassol presos nos portos do Mar Negro.

Os contratos futuros de óleo de palma na Indonésia – o maior exportador mundial do produto – subiram mais de 18% desde quarta-feira passada, um dia antes de a Rússia lançar seu ataque, segundo dados da Refinitiv.

A guerra na Ucrânia aumentou a incerteza sobre se o fechamento de portos e os atrasos nos embarques limitarão as entregas de óleo de girassol. O país normalmente responde por um terço da produção global e metade de todas as exportações.

Os contratos futuros de óleo de girassol ucraniano aumentaram 32% nos primeiros dias da invasão, segundo dados da S&P Global Platts. Isso desencadeou uma caça aos substitutos.

O óleo de palma, um ingrediente comum encontrado em muitos alimentos e cosméticos do mundo, é uma opção. Também é usado para cozinhar na Índia, o maior importador do mundo.

James Fry, presidente da consultoria LMC International, disse que os consumidores na China, Paquistão, Bangladesh e países do norte da África também sentirão o aperto.

“Eles serão forçados a reduzir o consumo de petróleo. Eles não poderão pagar”, disse Fry. “Especialmente se coisas como o trigo também forem muito mais caras.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN