Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Economia russa é surpreendentemente pequena; entenda sua importância para o mundo

    PIB russo é o 12ª maior do mundo, de acordo com o FMI, cerca de 25% menor que o da Itália e mais de 20% menor que o Canadá

    Moedas de rublo russo
    Moedas de rublo russo Getty Images/Bloomberg Creative

    Ouvir notícia

    A Rússia não é uma superpotência, pelo menos não quando se trata da economia global.

    Seu produto interno bruto a coloca apenas como a 12ª maior economia do mundo, de acordo com o Fundo Monetário Internacional, cerca de 25% menor que a Itália e mais de 20% menor que o Canadá, dois países com uma fração de sua população.

    Então, diante de sua invasão da Ucrânia, por que o Ocidente está relutante em atingi-la com toda a gama de sanções econômicas disponíveis, como foi feito com outros estados párias?

    A resposta é simples: petróleo e gás natural.

    A Rússia é o maior exportador mundial de gás natural e um dos maiores exportadores de petróleo. Alguns especialistas dizem que cortar essas exportações pode elevar os preços dessas commodities em até 50% segundo algumas estimativas, muito mais do que os picos mais modestos de um dígito nos preços observados na semana passada.

    “Isso não é a Coreia do Norte. Não é a Venezuela. Não é o Irã”, disse Josh Lipsky, diretor do Centro de Geoeconomia do Atlantic Council, um think tank internacional. “Por causa das exportações de energia [Rússia], é sistematicamente importante e especialmente importante para o mercado mundial de energia.”

    As sanções anunciadas esta semana contra a Rússia incluíam cortes para sua indústria de energia. Lipsky argumenta que se o Ocidente proibisse as exportações de energia da Rússia, isso aumentaria os preços da energia de uma forma que beneficiaria a economia russa em vez de prejudicá-la. Ele disse que a Rússia encontraria outros compradores para sua energia, como a China, e teria mais dinheiro entrando, não menos.

    “Sim, a proibição das exportações de energia pareceria uma medida extrema”, disse ele. “Mas teria realmente o efeito desejado?”

    No momento, os países europeus, que são muito mais dependentes do petróleo e do gás natural russos, não estão dispostos a dar esse passo, disse Gary Clyde Hufauer, membro sênior do Instituto Peterson de Economia Internacional, defensor de medidas mais duras contra as exportações de energia da Rússia.

    “A Europa teria que recorrer a controles de preços e racionamento”, disse ele. “Isso seria muito impopular. Eles não estavam dispostos a pagar o preço.”

    A Rússia também tem uma rica oferta de outros recursos naturais, incluindo madeira e muitos minerais. É o segundo maior produtor de titânio, crucial para a produção de aeronaves, e a Ucrânia é o quinto maior produtor do metal. A Boeing pode ter problemas se os suprimentos forem cortados, admitiu o CEO Dave Calhoun em uma teleconferência de resultados em janeiro.

    “Contanto que a situação geopolítica permaneça inalterada, não há problema. Caso contrário, estaremos protegidos por um bom tempo, mas não para sempre”, disse ele na época.

    Mas a Rússia não é um grande mercado para as exportações dos países ocidentais. Os EUA exportaram apenas US$ 6,4 bilhões em mercadorias para a Rússia no ano passado, de acordo com dados do Departamento de Comércio, o que pode parecer muito, mas na verdade é menos de um quinto das exportações para a pequena Bélgica. (Em comparação, os produtos dos EUA exportados para a China no ano passado chegaram a US$ 151 bilhões.)

    “A Rússia é incrivelmente sem importância na economia global, exceto para petróleo e gás”, disse Jason Furman, que presidiu o Conselho de Assessores Econômicos do governo Obama, ao The New York Times nesta semana. “É basicamente um grande posto de gasolina.”

    E a nação que foi a primeira a colocar um satélite e um homem no espaço sideral ficou muito atrás do resto do mundo em tecnologia.

    A Rússia continua sendo líder em tecnologia militar e inteligência artificial, sem mencionar criptomoedas, disse Hufauer. Mas depende de importações para a maioria das outras formas de tecnologia, em vez de produção interna. As sanções impostas às exportações de tecnologia para a Rússia prejudicarão sua economia.

    A grande questão é por quanto tempo as sanções contra uma nação pária continuarão?

    Lipsky e Hufauer acreditam que estarão em vigor por anos, embora não necessariamente as muitas décadas de sanções dos EUA contra a Coreia do Norte e Cuba tenham permanecido em vigor. E quanto mais as sanções forem aplicadas, maiores serão os danos à economia russa,

    “As sanções podem levar muito tempo para afetar”, disse Lipsky.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN