Energias eólica e solar batem recorde de 10% do que é gerado no mundo, diz relatório

Segundo dados da Ember, fontes limpas superaram carvão e representaram 38% do fornecimento total de eletricidade no ano passado

Geração solar aumentou 23% globalmente em 2021, enquanto a oferta eólica aumentou 14% no mesmo período
Geração solar aumentou 23% globalmente em 2021, enquanto a oferta eólica aumentou 14% no mesmo período Getty Images/Yaorusheng

Angela Dewando CNN Business*Reuters

Ouvir notícia

O mundo bateu um recorde: de toda eletricidade gerada em 2021, 10% veio de energia eólica e solar, e fontes limpas representaram 38% do fornecimento total de energia – superando até o carvão.

Os dados são de um relatório publicado nesta quarta-feira (30) pela Ember. O think tank independente sobre clima descobriu que 50 países estavam gerando mais de 10% de sua energia a partir de energia eólica e solar, com as transformações mais rápidas acontecendo na Holanda, Austrália e Vietnã.

Esses países mudaram cerca de um décimo de sua energia de combustíveis fósseis para energia eólica e solar apenas nos últimos dois anos. Dez outros geraram mais de 25% de sua energia a partir de energia eólica e solar, liderados pela Dinamarca com 52%.

As descobertas surgem no momento em que o mundo enfrenta uma crise energética, tanto pela recuperação econômica da pandemia de Covid-19 quanto pela guerra da Rússia na Ucrânia, que obrigou os países, principalmente europeus, a buscar fontes de energia alternativas ao petróleo e gás russos.

O relatório descobriu que a energia solar e eólica pode crescer rápido o suficiente para limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius acima dos níveis anteriores à industrialização, um limite para o qual cientistas alertam que o mundo deve ficar abaixo para evitar alguns dos impactos mais dramáticos da crise climática.

Isso exigiria que a taxa de crescimento composta média de 10 anos de 20% fosse mantida até 2030.

A geração solar aumentou 23% globalmente em 2021, enquanto a oferta eólica aumentou 14% no mesmo período. Juntas, ambas as fontes renováveis ​​responderam por 10,3% da geração total global de eletricidade, um aumento de 1% em relação a 2020, mostraram os dados da Ember.

“Se essas tendências puderem ser replicadas globalmente e sustentadas, o setor de energia estará no caminho certo para a meta de 1,5 grau”, disse Ember em seu relatório.

O relatório incluiu dados de 209 países abrangendo o período de 2000 a 2020. Para 2021, acrescentou dados de 75 países.

A principal questão que atualmente está diminuindo a taxa de crescimento são restrições locais, como permissão, e se os governos quiserem impulsionar o crescimento, eles precisam resolver problemas que retardam a implantação, disse o líder global da Ember, Dave Jones.

Apesar dos ganhos em energia eólica e solar, no entanto, a geração de energia a carvão também teve seu crescimento mais rápido desde pelo menos 1985, um aumento de 9% em 2021, com 10.042 terawatts-hora (TWh), ou 59% do aumento total da demanda, segundo o relatório.

Isso ocorreu em um ano de rápida recuperação da demanda, já que 2021 registrou o maior aumento anual registrado de 1.414 TWh na demanda global de eletricidade em 2021, um aumento de 5,4% e o equivalente a adicionar uma nova Índia à demanda global, disseram eles.

“Estamos chegando perto do ponto de equilíbrio onde a energia eólica e solar podem cobrir a nova demanda de eletricidade, mas ainda não chegamos lá. Se mantivermos as taxas de crescimento que vemos, estaremos lá em breve”, disse Jones.

A geração de gás, por outro lado, aumentou apenas 1% em 2021. Mas o aumento geral no uso de combustíveis fósseis levou as emissões de dióxido de carbono a um recorde histórico, acima do recorde estabelecido em 2018.

O maior aumento da demanda por carvão foi registrado na China, com alta de 13% em 2021 em comparação com os níveis pré-pandemia em 2019, mostraram os dados.

O país depende em grande parte do carvão para a produção de energia, mas também ultrapassou o marco de um décimo da geração de energia eólica e solar pela primeira vez em 2021, juntamente com seis outros países, segundo o relatório.

A China “está instalando não apenas níveis recordes de energia eólica e solar, mas também níveis recordes de eletricidade limpa, como hidrelétrica, nuclear e bioenergia, o que significa que sua geração de carvão começará a cair”, disse Jones.

“O que não está claro é a rapidez com que isso será”, acrescentou.

A China planeja continuar a usar o carvão como parte vital de sua estratégia energética, pois busca equilibrar a estabilidade econômica com suas metas climáticas de longo prazo.

Mais Recentes da CNN